Nação ZUMBI - Claudia Tajes


A senhora de cabeça baixa estava alheia à conversa do marido e dos filhos. Também não dava a mínima para a gritaria dos três netos pequenos. Devia ter uns 60 e poucos anos e eu, almoçando ao lado, morri de pena por ver uma mulher tão moça com – deduzi – uma doença que a privava do convívio com a família. O garçom trouxe a comida, a senhora não se mexeu, a nora ajeitou melhor o prato, olha, a massa vai esfriar. A mulher pegou o garfo e ficou com ele parado, sempre olhando para baixo, a outra mão sob a mesa. Um dos filhos chamou: “Mãe, não vai comer?”. Ela respondeu sem levantar os olhos: “Depois, estou vendo as férias da Terezinha no Whats”.
Isso que dá ficar de olho na vida dos outros. Sem ter nada a ver com a situação, eu já havia pensado no pior. Nessas doenças que roubam a pessoa dela mesma, que levam embora a presença e a identidade de alguém. É a única coisa que me assombra ainda mais que a reforma da Previdência.
Na verdade, aquela senhora sofria era de Whastsapite aguda, mal que pode acometer gente de todos os gêneros, idades, padrões culturais, econômicos e etc. Pegar é simples, basta um smartphone. A partir daí, o uso que se faz dele é que determina o grau da contaminação. Que anda alta, diga-se.
A fila do supermercado empaca porque a moça se corresponde freneticamente no WhatsApp. Atrás dela, todo mundo bufando. Entretido com algum vídeo que os amigos mandaram, o motorista não vê que o sinal abriu. O sinal fecha, o pessoal começa a buzinar como se não houvesse amanhã. O motorista aproveita e assiste a mais alguns segundos. Pelas ruas, pessoas caminham com a cabeça enterrada nas telas dos seus celulares. Sai da frente, se não elas te atropelam. No restaurante, casais sentados frente a frente conversam animadamente – mas cada um no seu WhatsApp. Em casa, se a conversa da família não rende muito, pelo menos os WhatsApps de todos estão bombando. No cinema, bem na hora em que a tela fica mais escura, a luz de vários celulares denuncia que o WhatsApp não pode esperar pelo fim da sessão.
Era para ser comunicação, virou uma maldição zumbi. É que tudo se resolve pelo WhatsApp. Assuntos de mães e filhos e filhas e pais. DRs de namorados. Combinações de trabalho. Fofocas. Encomendas de remédio, comida, cremes manipulados, marcação de massagem, cabeleireiro, consultas médicas. Até as chamadas transações ilícitas, quais sejam, hoje rolam pelo WhatsApp. Quem insistir em se comunicar no velho estilo ao vivo, corre o risco de ser chamado de ser antissocial.
E quando a gente é incluído – sem pedir – em um grupo? Socorro. Conheço pessoas que nunca mais saíram do quarto por não sobrar tempo para outra atividade que não a de responder mensagens de grupos. Triste.
Para além da contaminação pelo WhatsApp, o celular ainda nos trouxe a epidemia da foto. Tudo agora precisa ser fotografado. Verdade que essa democratização da fotografia fez com que muitos se descobrissem bons fotógrafos. E fotografar é mesmo um prazer, chato é o excesso. Há alguns dias, no AquaRio, aquele aquário carioca onde a Ísis Valverde nadou com cauda de sereia, era quase impossível abrir caminho entre a multidão fotografando. Um menino reclamou: “Putz, o tubarão não fica quieto, cada vez que eu vou fotografar, ele sai nadando”. Pois é, meu jovem, a isso se chama natureza – ainda que subjugada.
E assim, entre mensagens e fotos, a gente segue fazendo o possível para não perder nada. Ou talvez perca um pouco da vida. Nada que não se possa recuperar em seguida, mandando uma foto no WhatsaApp ou fazendo um post que, se Deus quiser, terá dezenas de curtidas.
Zero Hora, 13/14/01/2018.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clipe