PROGRAMA DE INCENTIVO À LEITURA E ESCRITA




Aproveitamos este espaço para veicular possíveis atividades que serão desenvolvidas durante o ano de 2009 em Ijuí/RS.

PROJETO DE CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS – In: Programa de Incentivo da Leitura e da Escrita – SMED de Ijuí - Prof. Américo Piovesan

JUSTIFICATIVA


Ao abrirmos um livro, abrimos as portas do imaginário, e podemos nos maravilhar, nos surpreender. São tantas cidades, reinos, fadas, joões e marias. São tantos risos, tantas lágrimas, mares e florestas, gigantes e duendes. Cada situação da história parece saltar da página do livro para a vida real, ou vice-versa. A leitura nos coloca em contato com outros mundos em questão de poucas páginas.

Nossa educação formal reconhece que seus alunos(as), as crianças, possuem uma subjetividade diferenciada se comparada à dos adultos. Neste sentido, os contos de fadas, por exemplo, pertencem à criação de um mundo próprio da criança (o da imaginação e da fantasia) e a ajudam a simbolizar e resolver seus conflitos psíquicos inconscientes, tornando seu espaço psíquico tão real quanto o é a realidade da vida. Segundo os psicanalistas Diana Corso e Mário Corso, no livro Fadas no divã, as crianças ainda não delimitaram as fronteiras entre o existente e o imaginoso, entre o verdadeiro e o verossímil. Dessa maneira, elas necessitam ter seu próprio universo de mistérios. Elas desejam o medo, o prazer do mistério e o desafio da aventura, e essas fantasias não são um desvio do mundo adulto.

Na sociedade atual, há o predomínio das imagens (técnicas). Para não sermos reféns desse mundo, e também para contrapô-lo, a literatura, com suas histórias, traz um mundo rico, pleno de significados e sugestões. Diz Celso Sisto: “contar histórias significa salvar o mundo imaginário. Vivemos, em nosso tempo, o império das imagens, quase sempre gerais, reprodutoras e sem individualidade. Essa reprodução, desenfreada, operada por uma série de meios de comunicação, em muitos casos, impede o livre exercício da imaginação criadora. O espaço que sobra para o destinatário influir no produto é quase nenhum.

Quando se conta uma história, começa-se a abrir o espaço para o pensamento mágico. A palavra, com seu poder de evocar imagens, vai instaurando uma ordem mágico-poética, que resulta do gesto sonoro e do gesto corporal, embalados por uma emissão emocional, capaz de levar o ouvinte a uma suspensão temporal. Não é mais o tempo cronológico que interessa e, sim, o tempo afetivo. É ele o elo de comunicação” (In: Textos e pretextos sobre a arte de contar histórias, p.28).


Contar histórias é dialogar, para quebrar o silêncio e o isolamento do educando, perpassados pelo prazer de escutar e de participar. As histórias possibilitam a libertação dos padrões vigentes, ampliando o espaço das diferenças. Instauram o sonho e promovem o imaginário individual.

As histórias que lemos/contamos despertam sentimentos, trazem informações e, também, possibilitam discutir determinada idéia ou tema. Além disso, promovem a integração social e cultural.

Ao discutir se uma situação é justa ou não, se é possível ou meramente fantasiosa, a criança pode se deparar com questões, do tipo: “O que é a justiça?”, “o que torna algo possível?”, etc. Assim, as histórias que serão contadas aos alunos, a partir das temáticas por elas abordadas, possibilitam a abertura para um questionamento, uma reflexão ou um debate, ainda que sejam, num primeiro momento, “internos”.

OBJETIVOS

- Contribuir para que os alunos(as) adquiram o hábito da leitura.

- Intensificar, de maneira sistemática, o encontro da criança com os livros e a leitura.

- Fomentar a passagem da leitura ingênua para a leitura crítica.

- Debater a história, a partir de sua temática, estabelecendo sua relação com a realidade do estudante/educando(a) , suas vivências, sua história pessoal.

- Estabelecer relações do que se contou com outros textos que abordam a mesma temática, ou temáticas afins.

- Aproximar a leitura da escrita, possibilitando que os educandos(as) exercitem sua criatividade e socializem sua experiência de autores(as).

- Visar, a partir das temáticas das histórias, a que as crianças tomem consciência de valores, tais como certo/errado, justo/injusto etc., já que a contação de histórias não se resume à mera diversão/entretenimento, mas sim procura nos tornar melhores, solidários e tolerantes no convívio com os outros.

PROPOSTA DE TRABALHO (a ser debatida com direção, coordenação e professores).
- Definir temáticas de acordo com a faixa etária/série.

- ... como será o debate/diálogo após a contação da história.
- ... como será a produção (escrita) dos alunos.

Clipe