Início de inverno


Quanto mais você quer que ele fale, mais ele se cala. Curioso pelo seu comportamento perto do inverno, pergunto aos plátanos, quando saio a caminhar.
Com o olhar, pergunto às garçonetes, que insistem em satisfazer minha gula de anjo. Mas de anjo não tenho nada, pois ando curioso com o movimento de suas ancas e pernas, quando sorriem para os clientes em cada mesa que passam.
Minhas perguntas silenciosas dirigem-se aos dramas da amiga que conheci a poucos dias. Mas o que ela sente não tem nada a ver com a profusão de minhas tristezas.
Olho pra todo lado pra evitar olhar o centro. Mas este desliza, torna-se oco. O que se esconde por lá?
Minha gata simplesmente sumiu. O ambiente está abafado, as contas descontroladas, na última semana de abril.
Um conhecido diz que sua prole aumentou. O medo do câncer também. O medo dos agrotóxicos e do excesso de luz.
Um quilinho a mais, o esforço ladeira abaixo.
O conselho da amiga, tão singelo e ingênuo.
Quanto mais você quer falar, mais você se engasga.
Quanto mais você quer emagrecer, mais você engorda.
Devem ser bons presságios, ou sinais imperceptíveis do inferno. Ou, quem sabe (tomara), bons fluidos que sopram com os primeiros frios deste inverno.


(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Clipe