Havia uma bruxa em meu caminho



Toda a vez que a bruxa se queixa de que sua vida eterna terrena é monótona, eu sinto inveja.



Invejo-a quando ela diz que nada de novo se passa sob o sol, e logo embarca em sua vassoura Ford ka para mais um passeio panorâmico.


Ela tem o dia todo para fazer o que quer, enquanto os casais de minha cidade dispõem apenas do domingo à tarde para passear de carro em torno da praça, com seus cachorrinhos e o chimarrão.


Ela não sente a falta que sentimos, das noites de sábado e domingo, do tédio das lanchonetes e dos xis-burgueres gigantes, nem dos litros e litros de refri, e nem dos programas de auditório repetitivos, dos canais de TV.


Diferente de mim e de meus semelhantes, a bruxa não se preocupa com espelho, maquiagens... Nunca vai desejar vencer um concurso de beleza.

Invejo-a com franca admiração, por ela me passar a impressão de tranqüilidade e indiferença com relação às nóias diárias.


Quando fez seu contato de segundo grau eu quase pirei, porque falou que só ligou para minha voz – que era bela, clara, com uma boa dicção. Eu queria que ela captasse minha energia, o meu cheiro...


Morro de inveja porque a bruxa não é uma simples e previsível mulher: é magia, sedução e confusão.


Ela mentiu quando disse ao menino que estava fazendo regime e, depois, quando cuspiu nos pratos sugerido pela nutricionista.


A séculos ela come e não engorda. Se todos fossem como ela, a indústria dos produtos lights iria à falência.


Passou-me a perna quando fingiu se parecer comigo, um guri preocupado com os contornos avantajados da silhueta.


Agora eu sei. Apesar de tudo ela não é diferente de nós, humanos, também se faz valer de estratégias para angariar simpatia.


Feminina ao extremo, não me deixa decifrar seu olhar, adivinhar suas intenções.


Tive certeza, após ler a crônica do Luis Fernando Veríssimo, de que a bruxa é, no mínimo, uma “come e não engorda” - mais cômica do que trágica.






O come e não engorda


Ninguém é mais admirado ou invejado do que o come e não engorda. Você o conhece. É o que come o dobro do que nós comemos e tem a metade da circunferência e ainda se queixa:


— Não adianta. Não consigo engordar.


O come e não engorda é meu ídolo. Só não lhe peço autógrafo por inibição. Meu sonho é emagrecer e depois nunca mais engordar, por mais que tente. Quando eu diminuir, quero ser um come e não engorda.


Não se deve confundir o come e não engorda com o enfastiado. Este pertence a outra espécie. Não é humano. Pode até ser melhor do que nós, um aperfeiçoamento, mas não é humano. Afinal, o que une a humanidade é o seu apetite comum. Não é por nada que partilhar da comida com o próximo tem sido um símbolo de concórdia desde as primeiras cavernas.


Até hoje as conferências de paz se fazem em volta de uma mesa onde a comida, se não está presente, está implícita. Desconfie do enfastiado. Ele será um agente de outra galáxia ou um poço de perversões, ou as duas coisas. De qualquer maneira, mantenha-o longe das crianças.


Quando encontrar alguém na frente de um prato cheio só emparelhando as ervilhas com a ponta da faca, notifique os órgãos de segurança. É um enfastiado e pode ser perigoso. Sempre achei que as pessoas que comem como um passarinho deviam ser caçadas a bodoque. O seu fastio, inclusive, é um escárnio aos que querem comer e não podem.


Já o come e não engorda compartilha do nosso apetite, só não compartilha das consequências. Ele repete a massa e não tem remorso. Pede mais chantilly e sua voz não treme. Molha o pão no café com leite! E ainda se queixa:


— Há 15 anos tenho o mesmo peso.


O come e não engorda só parou de mamar no peito porque proibiram sua mãe de ficar junto no quartel.


Quando o come e não engorda nasceu, uma estrela misteriosa apareceu no Guide Michelin de restaurantes para aquele ano. O come e não engorda caminha sobre a sauce bernaise e não afunda. Multiplica os filés de peixe à meunière e os pães de queijo. Por onde o come e não engorda passa, as ovelhas se atiram para trás e pedem "me assa!". O come e não engorda tem o segredo da Vida e da Morte e, suspeita-se, o telefone da Bruna Lombardi. E ainda se queixa:


— Tenho que tomar quatro milk-shakes entre as refeições. Dieta. Dieta! E você ali, de olho arregalado.

Clipe