Por que a ida a Alto da União?



Cada vez mais, desde crianças, nos fazem alongar o passo. E, muitas vezes, não estamos preparados para vencer os obstáculos. Junto com os outros, fica muito mais fácil...
A vida é um constante caminhar.  Lugar comum, é certo, inclusive a constatação de que, nem sempre, sabemos o roteiro correto.
Caminhar (e conversar) com os outros ilumina os caminhos. Muito mais nos labirintos.
Caminhar é prazer, lazer ou algo mais precioso.
Oportunidade de se aproximar dos que estão distantes. E mostrar a que se veio. E de aflorarem as qualidades de cada um. Na caminhada que fizemos, surgiu o preocupado com a logística, consciente do passo a passo, o material (humano e etílico) de apoio. O casal de amigos, de carro, a garantia de não passarmos sede, e de aliviarmos o peso, caso fosse necessário. Tivemos também o “batedor”, o que puxou a frente e ditou o ritmo. Contribuiu o “professor”, com seu relato de como costuma fazer caminhadas diárias, a disposição de ganhar a avenida antes do sol chegar, e o prazer que isto lhe traz. Outros, deslumbrados, permitiram que a paisagem invadisse suas retinas. Prédios, jardins bem ou mal cuidados, animais em terrenos baldios, o lixo esquecido num barranco da estrada.
Enquanto na cidade não sabemos o que fazer com os prédios antigos e suas arquiteturas e histórias, no interior também não sabemos fazer algo criativo, diferente, como, por exemplo, o chamado eco-turismo – não falo apenas de Alto da União. Poderia falar da Usina Velha, da Colônia Santo Antônio, etc., etc.
Esta pergunta é fatal: qual o sentido de reunir um grupo de amigos, num final de ano escaldante, e rumar pela estrada até um distrito dos mais antigos do município? São várias as respostas. Mas não tem a ver com o que tanto se fala, hoje, da prática de esportes radicais, que têm amplo espaço na mídia. Da mesma maneira, com a pressão para que superemos limites.
 Como em tudo na vida, caminhar segue um roteiro. Tanto melhor se estivermos organizados, antecipando possíveis obstáculos. 
Disse um amigo filósofo: "Conheça o teu corpo". Pensei, faz sentido. Ainda mais com a idade correndo estabanada. A dor no menisco do joelho, a hérnia de disco, a unha encravada...
Uns enfrentaram a estrada com maior precaução. Mochilas às costas, com água, frutas, pomadas para possíveis contusões e torções, protetor solar, repelente de mosquito... Alguns tomaram emprestadas as mochilas de seus filhos; outros se livraram do peso líquido e certo, que foi o medo antecipado de percorrer um longo caminho.
Em certos lugares, ainda na cidade, curiosos e conhecidos fotografaram e postaram nas redes sociais, alguns dos velhos e solitários caminhantes – e comentaram, dizendo que parecíamos hippies do século XXI. Vá entender.
Numa caminhada de uns 15 km, as distrações permitidas pelas conversas animadas, a paisagem diversificada e paradoxal ao longo do caminho, foram motivos que facilitaram chegarmos mais tranquilos. Aconteceu. Um dos amigos nos surpreendeu ao usar uma espécie de cajado, seu braço direito no início da caminhada. E a surpresa foi ainda maior quando, perto do final, ele se libertou da “muleta”.  Re-conheceu seu corpo?
Uma caminhada de final de ano não deixa de ser uma metáfora do que fizemos ou deixamos de fazer nos 365 dias que se passaram.
O registro da caminhada, além da máquina fotográfica do professor de história, foi feito também pela "objetiva" dos nossos olhares. Olhar muitas vezes espantado com a geografia - a mudança e ocupação do espaço pelo homem, sua luta poucas vezes amigável com a natureza.
Quando chegamos no armazém do 'Seu Dambrós', alguns estavam ansiosos para saber se havia cerveja gelada suficiente para desfrutarmos, após longo percurso. Havia também a curiosidade de conhecer o lugar onde seríamos recepcionados. A organização da casa, o prato ofertado, os anfitriões, as novas amizades.
Diante do armazém, que serve à comunidade desde as primeiras décadas do século XX, as lembranças de um dos amigos foram reavivadas: ele nasceu e cresceu junto ao armazém de seus avós e seus pais, na cidade de Ijuí...
Ir de um lugar para o outro, com amigos, é prato cheio para levantar boatos. Ouvir algumas histórias. Nunca ter ido ao Distrito de Alto da União, ter nascido e crescido noutro lugar, não impede de perguntar:
Que história é essa de que o Distrito anda meio “perdido”, sem identidade, entre os municípios de Ijuí e Cruz Alta? Em que a ferrovia contribuiu no passado, se comparado aos dias atuais? Que história é essa da destruição da figueira? Onde, quando, como? Quer dizer que houve um “Romeu&Julieta” em Alto da União? E a Coluna Prestes, passou mesmo por lá? Que história é essa do “Poço dos degolados”?
A alegria dos encontros, os abraços, a música que ressoou, depois de turbinarmos a memória e inflado os pulmões. A decoração do ambiente, os objetos antigos nas paredes... Claro! Os que ali moram têm um forte laço com sua história, a preocupação em não perder de vista o que foram, desde sua infância, nem o que seus pais e avós construíram. As ferramentas usadas para domar a floresta e edificar casas e lares.
Fomos muito bem recepcionados e, todos, todos pudemos falar.
Música, comida, bebida, e as palavras trocadas. Amizades em-caminhadas.
Perguntar “por que vocês caminham?” faz tão pouco sentido como perguntar “por que vocês conversam?”.
O que mais importa é o fruir destes momentos. Movimentar-se. Pôr-se a caminho. Encontrar-se com os outros. Nos reencontrarmos...

Clipe