Os livros e o custo das coisas


Estou lendo um livro do filósofo americano Thoureau, que tem como título Walden. É um daqueles livros que te pega na veia, quando buscamos respostas sobre o que é realmente importante na vida. Para quem pensa em levar um cotidiano simples, sem muito apego às coisas, já que as coisas que nos rodeiam (dependendo de como lidamos com elas) podem nos tirar a liberdade, diz Thoureau: "O custo de uma coisa é a quantidade do que chamo de vida que é preciso dar em troca, à vista ou a prazo".
Dias atrás conversava com um amigo sobre o livro de Thoureau. Disse-lhe que suas ideias confirmam o que venho intuindo sobre o que considero importante fazer no resto de tempo que me resta. Pensei estar exagerando, pois Walden foi escrito em 1854. Foi aí que meu amigo disse que a leitura desse livro "salvou" sua vida. Atravessava uma fase crítica, não via um sentido para continuar a viver. Foi do encontro com as ideias de Thoureau que ele reviveu.
Ontem, em certo momento da leitura do livro, Thoureau confirma o que meu amigo sentiu. Vejam o que ele diz:
"Nos livros, provavelmente, existem palavras exatas sobre nossa condição, as quais, se realmente conseguíssemos ouvir e entender, seriam mais saudáveis para nossa vida do que a manhã ou a primavera, e possivelmente dariam um novo aspecto à face das coisas que vemos. Quantos homens marcaram a data de uma nova época em suas vidas com a leitura de um livro! Talvez exista o livro que nos explique nossos milagres e nos revele outros" (Walden, p. 110).

Clipe