O que é importante?




Na roda de bar, ela falou:
- O que você escreve não é importante.
Considerei que agora, sim, eu tinha um bom assunto para um texto. Foi a partir daí que me pus a perguntar:
- O que é melhor, exibir sobre a mesa uma fruteira com frutas de plástico, ou frutas de verdade?
Segundo ela, algumas frutas de verdade poderão apodrecer, serão deixadas em segundo plano, já que gostamos de produtos industrializados.
- O que é melhor, considerar Amy Winehouse pelo aspecto particular, censurar sua dependência do álcool e drogas, ou se ater nos aspectos de sua genialidade musical? Ainda mais no atual contexto de invasão, na mídia, de bandos de artistas medíocres que iludem as massas...
Querida, as frutas de plástico trazem beleza aparente, mas não têm sabor, cheiro, odor... Não provocam nosso paladar. Permanecem no tempo, duram, e ao mesmo tempo não deixam lembranças, nem memória, não semeiam rastros em sua passagem.
- O importante é ideológico. Uma escolha, portanto.
Ela retruca: “Tudo é ideológico?”
Nos inquietamos. E concordamos: “Não sobra nada para a individualidade...” “Nunca mais vai ser possível sonhar com o original...”
“Tudo está perdido”, ela pondera. “Acho que não, eu digo”. Mesmo que o paradigma atual pareça ser o do Ctrlc/Ctrlv. Por todo lado, copiar, imitar, repetir...
Muita coisa cheira mal. Quantos de nós percebe? Quantos se importam? Não falo apenas da corrupção política, que os meios de comunicação denunciam. Refiro-me às ações diárias, em cada palmo de terra mais discreto onde nos movimentamos. Nossas intenções, implícitas, latentes, que incluem também ganhar dinheiro, comprar, acumular...
As frutas de plástico são lindas e não têm sabor. Não se transformam em matéria orgânica. São recicláveis, sem significar nada. Enfeites, práticas e inúteis.
- E as pessoas, também?
No limite, este texto também.
Me consola saber que nenhuma árvore foi derrubada. O texto nasceu e morreu no espaço virtual.
E a moça tem razão. Nada do que escrevo é importante.



Clipe