Lugar fora do comum


Tinha engatilhada a frase que espantava as colegas (bem intencionadas) que propunham resolver o seu problema de falta de namorada. Dizia assim: “Quem eu quero não me quer, quem me quer mandei embora”.
As amigas e colegas pingavam conselhos em delicadas prestações (e sem a necessidade de entrada). Uma delas dizia: “Depois de quase trinta anos com o meu Nico, estamos tão acostumados... Não me imagino vivendo sem ele!”.
Sem aparente pressa, ele não quer arriscar se envolver com amores encomendados. Desconfia do bom gosto das amigas-cupido. Nem se sensibiliza com os punhados de qualidades que possuem as candidatas. Aposta nos momentos inesperados, mágicos, quando poderá surgir o grande amor: nem jovem, nem velho demais, alma de muitas qualidades e cumplicidades.
O argumento-míssil, que o deixava desnorteado, vinha de uma colega que estava beirando-os-sessenta: “Você não é mais um guri! Logo logo estará velhinho. Olha só a judiaria, aqueles velhos abandonados nos asilos, sem ninguém para os cuidar. Você quer terminar assim?”
Com esta sentença zum-bi-zan-do na cachola, entrou num sebo, na feira do livro de sua cidade. Tinha a esperança de garimpar algo valioso nestes lugares onde se junta tanta variedade. Livros que antes despertaram a paixão em tantos lares...
Centenas de livros que fizeram companhia, amenizaram a solidão de seus conterrâneos. Ali naquelas estantes exibia-se parte do conhecimento (ideias, crenças, valores, verdades) que interagiu com seu povo...
Espantou-se. Depois de mais de uma hora de pesquisa, apenas dois livros chamaram a sua atenção.
Boa parte dos livros era sobre religião e autoajuda.
Sentiu-se em-pa-ra-fu-sa-do. Como levar a sério conselhos de pessoas com noventa e nove por cento de “verdades” padronizadas e, como aqueles livros todos, necessitando ser recicladas?
Grande parte dos livros do sebo não o interessavam. Foram desejados, adquiridos e, depois, dispensados pelas pessoas. Claro! Tudo era óbvio. Clichê. Lugar comum. A felicidade, a prosperidade, a saúde perfeita, etc., etc., anunciadas por dezenas, centenas de livros, todos são lugares comuns!
Tinha pavor de clichês, do tipo: “Tenha uma vida em grande estilo”. “Pare de chover no molhado”. “fuja da raia”. “Seja um divisor de águas”. Para ele, estas são fórmulas previsíveis que, de tanto serem usadas, já não dizem mais nada.
Os noventa e nove por cento dos livros do sebo que as pessoas da cidade passaram adiante, e que agora ele rejeitou, parecem lugares comuns. Da mesma maneira os conselhos das colegas e amigas sobre a importância de se ter alguém. Conclusão óbvia: ser um herói da resistência deve-se à sua postura teimosa. Fugir do lugar comum, e adotar o “lugar nenhum” ou, até, o “lugar fora do comum”.
Enquanto não encontra o amor que ninguém escolheu, trata todas as gurias como um príncipe: como suas namoradas! É gentil, cavalheiro, porque as mulheres são deusas. Ou melhor, tem certeza: Deus é mulher.

Clipe