“Charadas do País das Maravilhas”

Poema de Lewis Carroll


Do livro “RIMAS DO PAÍS DAS MARAVILHAS”


Achei uma vara: dois quilos pesava.
Um dia resolvi serrá-la
em oito pedaços com o mesmo peso.
Quanto pesava cada mesmo?
(“Duzentos e cinqüenta gramas!” Engano!)

Manhã: três irmãs dão de comer ao gato.
Uma: “Quer atum?” – O gato lambe o prato.
Outra: “Quer sardinha?” – Ele come, feliz.
Outra: “Quer robalo?” – Ele torce o nariz.
(explique a conduta do gato.)

Solução das charadas

Perde parte do sangue e diminui o peso
a carne cortada até o osso.
A perda da serragem faz que pese menos
uma vara serrada em oito.

Um gato gostar de atum e de sardinha
é óbvio, não há por que explicá-lo.
Se com a terceira oferta se abespinha
o bichano, é porque, sendo honesto, tinha
de ganhar seu peixe, não roubá-lo.

BOBINHO



Estou no meio da roda
e o suor escorre
pela testa.

O que desconsola
é que os outros
são bons de bola.

Ameaço que vou
mas não vou
e a bola passa
uma vez aqui,
outra vez ali,
bem longe
de onde estou.

Riem de mim
porque sou
“bobinho”
que demora
pra escapulir...

Confio no meu taco
e quando alguém descuida
dou o bote da cruzeira
negaceio as cadeiras
tal qual um capoeirista...

Então roubo a bola...

Não, não, não...
Não sou ladrão,
sou artista!

A BARATA E A FORMIGA





A BARATA

Ricardo Silvestrin

A barata
é barata,
mas ninguém
quer comprar.
Isso é um fato.

Quando aparece
ninguém diz
“que barato!”
Ao contrário
gritam “mata, mata!”.
É um caso raro.
Ser barata
sai caro.


A FORMIGA

Qual
a forma
da formiga?
Pense
comigo:
se seguem
sempre juntas,
deve ser
forma
de amiga.

CANTIGA PARA NÃO MORRER

CANTIGA PARA NÃO MORRER
Ferreira Gullar

Quando você for se embora,
moça branca como a neve,
me leve.

Se acaso você não possa
me carregar pela mão,
menina branca de neve,
me leve no coração.

Se no coração não possa
por acaso me levar,
moça de sonho e de neve,
me leve no seu lembrar.

E se aí também não possa
por tanta coisa que leve
já viva em seu pensamento
menina branca de neve,
me leve no esquecimento.

CAMPEONATO


Manoel de Barros

do livro "Fazedores do amanhecer".


Nos jardins da Praça da Matriz, os meninos
urinavam socialmente.
A gente fazia campeonato pra ver quem
mandava urina mais longe.
O menino que mandasse mais longe era
campeão.
Mas não havia taça nem medalha.
Umas gurias iam ver por trás dos muros
a competição.
Acho que elas tinham alguma curiosidade
ou inveja porque não podiam participar
do campeonato.
Os meninos ficavam sérios como se estivessem
defendendo a pátria naquele momento.
As meninas cochichavam entre elas e
corriam de lá pra cá, rindo.
O campeonato só era diferente da Fórmula Um
porque a gente não tinha patrocinadores.

O PENICO DA FLORISBELA

Vou contar
uma história
que ouvi
do tio Carola.

Ele disse que antigamente
um penico embaixo da cama
era muito importante.


Um dia ele conheceu uma donzela
que chamava Florisbela.
Ela era graciosa e delicada
Porém, meio... meio desleixada!

Naquele tempo o banheiro
ficava do lado de fora da casa,
e ela tinha medo do escuro
e dos fantasmas
disfarçados de morcegos
que moravam pendurados
no forro do banheiro.


De madrugada as horas
ficavam apertadas
e Florisbela corria pro lado
do penico esmaltado...

De manhã
o xixi voava
pela janela!


De vez em quando Florisbela
perdia a memória
e junto com o xixi
o penico fazia história
porque também voava
janela afora!

Tio Carola não soube responder
às perguntas que eu lhe fiz,
por isso eu peço ajuda a vocês:

se Florisbela esquecia daqui e dali,
não esquecia também de fazer xixi?

Quando ela estava “apertada”,
quem acordava ela?
O seu anjo da guarda?

Quantas vezes ela acertou xixi
no cachorro Berinjela
que dormia debaixo
da janela
do quarto dela?

BIG BROTHER

É uma noite morna de janeiro
e um bando de marmanjos
distrai-se olhando TV.

Meu big brother
é o céu estrelado
que faz companhia
pra lua e as Três Marias.

Meus olhos vêem tanto mistério
quanto o número de estrelas,
muito mais do que possam captar
as lentes da novela.

Persigo palavras
para rabiscar um poema,
mas a ponta do lápis
se quebra e, zangado,
rasgo o papel...

Enquanto isso,
no quintal,
grilos de avental
acendem pirilampos
para me alegrar!

A casa, de Vinicius de Moraes


Poema A casa, de Vinicius de Moraes, do livro Palavra de poeta.

Era uma casa
Muito engraçada
Não tinha teto
Não tinha nada
Ninguém podia
Entrar nela não
Porque na casa
Não tinha chão
Ninguém podia
Dormir na rede
Porque na casa
Não tinha parede
Ninguém podia
Fazer pipi
Porque penico
Não tinha ali
Mas era feita
Com muito esmero
Na Rua dos Bobos
Número Zero.

A viagem de um barquinho, de Sylvia Orthof

Era uma vez um menino
chamado Chico Eduardo,
que perdeu o seu barquinho
feito de papel dobrado.
Seu barquinho de jornal,
tal e qual.

E era uma lavadeira,
meio doida e engraçada,
que foi lavar sua roupa
num lugar, assim, sem água.

Um lugar de varal branco,
tudo branco ao seu redor.
Não tinha azul de rio?
Que horror!

- Tudo branco, branco, branco,
assim eu não lavo nada!
Preciso de azul de água,
cadê a cor azulada? –
disse a doida lavadeira,
nervosa e apressada.

- Vou inventar o meu rio
do azul de um longo trapo,
vai ser rio de brinquedo,
lindo rio de farrapo!

De dentro da sua trouxa
puxou um rio de pano.
o rio saiu pulando
em busca do oceano.

O barquinho do menino
viu o rio inventado,
saiu, fugindo-se embora,
sem demora!
(...)

PESCARIA


Poema Pescaria


José Paulo Paes

Do livro Palavra de poeta.



Um homem
que se preocupava demais
com coisas sem importância
acabou ficando com a cabeça cheia de minhocas.
Um amigo lhe deu então a idéia
de usar as minhocas
numa pescaria
para se distrair das preocupações.
O homem se distraiu tanto
pescando
que sua cabeça ficou leve
como um balão
e foi subindo pelo ar
até sumir nas nuvens.
Onde será que foi parar?
Não sei
nem quero me preocupar com isso.
Vou mais é pescar.

MINHOCA NA CABEÇA

Ficar com minhoca na cabeça é ficar desconfiado, é suspeitar que alguma coisa ruim vai acontecer, é ficar inseguro achando que alguém está contra a gente. Pode ser também ficar imaginando coisas, fazendo fantasias de qualquer tipo. Juliana sorriu para Rodrigo. Agora ele anda cheio de minhoca na cabeça. Outro exemplo: o professor disse que ia castigar o Beto. Agora ele vive preocupado, cheio de minhoca na cabeça.
Ricardo Azevedo, do livro Bazar do folclore.

Poema Minhocas na cabeça, de Marcelo R. L. Oliveira. Do livro Nós e os bichos.

- Seu doutor, estou grilado,
meu pé está formigando.
É algo grave ou estou procurando
sarna pra me coçar?
- Já lhe digo o que é:
tire as minhocas da cabeça,
é só um bicho de pé.

DESFILE

O sol resolve
tirar uma soneca
e o céu abre as cortinas.

Começa, então,
um desfile
de nuvens
de algodão.

Cavalos
baleias
jacarés
javalis
dinossauros
tubarões
patos lagartos
macacos leões...

- Depressa, tragam
os lápis de cor...
Antes que o sol desperte,
precisamos colorir!

CACHORRADAS

























POEMA DE José Paulo Paes, do livro "É isso ali"



CACHORRADAS



- Você sabe por que o cachorro entra na Igreja?

- Ora, essa quem não acerta?

Porque a porta estava aberta!



- E você sabe por que ele sai?

- Porque a porta estava aberta.

- Não, errou: porque ele entrou!



- E quando é que o cachorro não pode entrar?

- Quando a porta está fechada.

- Que nada! Quando já está lá dentro.



- E para terminar: sabe por que o cachorro

ergue a perninha e a encosta no poste

quando está necessitado?



- É porque uma vez o poste caiu em cima do coitado!

Clipe