Uma catraca em meu caminho


Houve um tempo em que atropelava, como se fosse ambulância no trânsito.
Driblava ordens, espantava de letra caras feias.
As barreiras eram leves, nada de pedras no caminho, como no poema de Drummond.
Naquele tempo competições eram brinquedos, a vida não deprimia se não passasse de ano.
Lembro. Sim.
O dia era mais claro, o frio mais frio, o quente mais quente. Sabores deixavam uma saudade de lamber os dedos.
O milagre, como tudo que se comia e bebia, era mais natural.
Houve um tempo em que a terra era fixa, o sol era um amigo obediente que não perdia a hora, e pouco se falava de câncer e tal...
Um tempo em que pedia com inocência, sem pagar dízimo e culpas, e, se não recebia, a vida continuava, sem magoar a esta pessoa nem a Deus.
Hoje sinto-me gordo de informações e verdadezinhas.
Ando com  a paciência intoxicada pelo olhar e opinião dos outros.

Se não forçar o olho, não passarei de mais uma catraca, mente e corpo controlados.

Ilustrações do site http://rebloggy.com/post/amor-desenho-arte-carinho-liberdade-tracando-catraca-amor-livre/88045577805


(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Clipe