O cão e o lobo - Monteiro Lobato



Certo dia, um Lobo só pele e osso encontrou um cão gordo, forte e com o pêlo muito lustroso. Via-se bem que não passava fome. O Lobo, admirado, quis saber onde é que ele conseguia obter tanta comida.
- Se me seguires, ficarás tão forte como eu - respondeu o cão. - O homem dar-te-á restos saborosos.
- Mas o que preciso de fazer em troca? - quis saber o Lobo.
- Muito pouco, na verdade - respondeu o Cão. - Uivar aos intrusos, agradar ao dono e adular os seus amigos. Só por isto receberás carne e outras iguarias muito bem cozinhadas. De vez em quando, receberás também festas no dorso.
O Lobo ficou encantado com a ideia e meteram-se ambos ao caminho. A dada altura, o Lobo reparou que o cão tinha o pescoço esfolado.
- O que tens no pescoço? - perguntou.
- Nada de grave. É da argola com que me prendem - explicou o Cão.
- Preso? Então não podes correr quando queres? - exclamou o Lobo. - Esse é um preço demasiado elevado: não troco a minha liberdade por toda a comida do mundo.
Dito isto, desatou a correr o mais depressa que pode para bem longe dali.

Televisão para dois - Fernando Sabino




Ao chegar ele via uma luz que se coava por baixo da porta para o corredor às escuras. Era enfiar a chave na fechadura e a luz se apagava. Na sala, punha a mão na televisão, só para se certificar: quente, como desconfiava. Ás vezes ainda pressentia movimento na cozinha:
    
       - Etelvina, é você ?
    
       A preta aparecia, esfregando os olhos:
    
       - Ouvi o senhor chegar... Quer um cafezinho ?

       Um dia ele abriu o jogo:

      - Se você quiser ver televisão quando eu não estou em casa, pode ver à vontade.

      - Não precisa não , doutor. Não gosto de televisão.

      - E eu muito menos.

       Solteirão, morando sozinho, pouco parava em casa. A pobre da cozinheira metida lá no seu quarto o dia inteiro, sozinha também, sem ter muito que fazer...

       Mas a verdade é que ele curtia o seu futebolzinho aos domingos, o noticiário todas as noites e mesmo um ou outro capítulo da novela, “ só para fazer sono”, como costumava dizer:

       - Tenho horror de televisão.
    
       Um dia Etelvina acabou concordando:

       - Já que o senhor não se incomoda...

       Não sabia que ia se arrepender tão cedo: ao chegar da rua, a luz azulada sob a porta já não se apagava quando introduzida a chave na fechadura. A princípio ela ainda se erguia da ponta do sofá onde ousava se sentar erecta:

       - Quer que eu desligue, doutor?

       Com o tempo, ela foi deixando de se incomodar quando o patrão entrava , mal percebia a sua chegada. E ele ia se refugiar no quarto, a que se reduzira seu espaço útil dentro de casa. Se precisava vir até a sala para apanhar um livro, mal ousava acender a luz:

       - Com licença...

       Nem ao menos tinha mais liberdade de circular pelo apartamento em trajes menores, que era o que lhe restara de comodidade, na solidão em que vivia: a cozinheira lá na sala a noite toda, olhos pregados na televisão. Pouco a pouco ela se punha cada vez mais à vontade, já derreada no sofá, e se dando mesmo ao direito de só servir o jantar depois da novela das oito. Às vezes ele vinha para casa mais cedo, especialmente para ver determinado programa que lhe haviam recomendado, ficava sem jeito de estar ali olhando ao lado dela, sentados os dois como amiguinhos. Muito menos ousaria perturbá-la, mudando o canal, se o que lhe interessava estivesse sendo mostrado em outra estação.

       A solução do problema lhe surgiu um dia, quando alguém, muito espantado que ele não tivesse televisão em cores, sugeriu-lhe que comprasse uma:

       - Etelvina , pode levar essa televisão lá para o seu quarto, que hoje vai chegar outra para mim.

       - Não precisava , doutor _ disse ela, mostrando os dentes, toda feliz. Ele passou a ver tranqüilamente o que quisesse na sua sala, em cores, e o que era melhor, de cuecas_ quando não inteiramente nu, se bem o desejasse.

       Até que uma noite teve a surpresa de ver a luz por debaixo da porta, ao chegar. Nem bem entrara e já não havia ninguém na sala, como antes_ a televisão ainda quente. Foi à cozinheira a pretexto de beber um copo d’água, esticou um olho lá pra o quarto na área: a luz azulada, a preta entretida com a televisão certamente recém-ligada.

       - Não pensa que me engana, minha velha - resmungou ele.

       Aquilo se repetiu algumas vezes, antes que ele resolvesse acabar com o abuso: afinal, ela já tinha a dela, que diabo.Entrou uma noite de supetão e flagrou a cozinheira às gargalhadas com um programa humorístico.

       - Qual é, Etelvina? A sua quebrou?

       Ela não teve jeito senão confessar, com um sorriso encabulado:

       - Colorido é tão mais bonito...

       Desde então a dúvida se instalou no seu espírito: não sabe se despede a empregada, se lhe confia o novo aparelho e traz de volta para a sala o antigo, se deixa que ela assista a seu lado aos programas em cores. O que significa praticamente casar-se com ela, pois , segundo a mais nova concepção de casamento, a verdadeira felicidade conjugal consiste em ver televisão a dois.

A primavera da lagarta - Ruth Rocha



- Grande comício na floresta! Bem no meio da clareira, debaixo da bananeira!
 Dona formiga convocou a reunião. _Isso não pode continuar!
_Não pode não! Apoiava o camaleão.
_É um desaforo. A formiga gritava. _É um desaforo!
_É mesmo. O camaleão concordava.
A joaninha que vinha chegando naquele instante perguntava: Qual é o desaforo, hein?
_É um desaforo o que a lagarta faz!
_Come tudo o que é folha! Reclamava o Louva-a-deus.
_Não há comida que chegue!
A lagartixa não concordava: _Por isso não que as senhoras formigas também comem.
_È isso mesmo! Apoiou o camaleão que vivia mudando de opinião.
_É muito diferente, depois a lagarta é uma grande preguiçosa, vive lagarteando por aí.
_Vai ver que a lagartixa é parente da lagarta. Disse o camaleão que já tinha mudado de opinião.
_Parente não! Falou a lagartixa. _É só uma coincidência de nome!
_Então não se meta!
_Abaixo a lagarta! Disse o gafanhoto. _Vamos acabar com ela!
_Vamos sim! Gritou a libélula. Ela é muito feia!
O Senhor Caracol ainda quis fazer um discurso: _É, minhas senhoras e meus senhores, como é para o bem geral e para a felicidade nacional, em meu nome e em nome de todo mundo interessado, como diria o conselheiro Furtado, quero deixar consignado que está tudo errado. Mas como o caracol era muito enrolado, ninguém prestava atenção no coitado.
Já estavam todos se preparando para caçar a lagarta.
_Abaixo a feiúra! Gritava aranha como se ela fosse muito bonita.
_Morra comilona! Exclamava o Louva-a-deus como se ele não fosse comilão também.
_Vamos acabar com a preguiçosa! Berrava a cigarra esquecendo a sua fama de boa vida.
E lá se foram eles, cantando e marchando:
_Um, dois, feijão com arroz, três, quatro, feijão no prato.
_Um, dois, feijão com arroz, três, quatro, feijão no prato.
Mas, a primavera havia chegado, por toda a parte havia flores na floresta, até parecia festa. Os passarinhos cantavam e as borboletas, quantas borboletas de todas as cores, de todos os tamanhos borboletearam pela mata. E os caçadores procuravam pela lagarta:
_Um, dois, feijão com arroz, três, quatro, feijão no prato.
_Um, dois, feijão com arroz, três, quatro, feijão no prato.
E perguntavam para as borboletas que passavam:
_Vocês viram a lagarta que morava na amoreira? Aquela preguiçosa, comilona, horrorosa.
As borboletas riam, riam, iam passando e nem respondiam. Até que veio chegando uma linda borboleta.
_Estão procurando a lagarta da amoreira?
_Estamos sim. Aquela horrorosa, comilona.
E a borboleta bateu as asas e falou:
_Pois, sou eu.
_Não é possível! Não pode ser verdade! Você é linda!
E a borboleta sorrindo explicou:
_Toda lagarta tem seu dia de borboleta, é só esperar pela primavera.
_Não é possível, só acredito vendo!
_Venha ver! Isso acontece com todas as lagartas. Eu tenho uma irmã que está acabando de virar borboleta.
Todos correram para ver. E ficaram quietinhos espiando. E a lagarta foi se transformando, se transformando até que de dentro do casulo nasceu uma borboleta.
Os inimigos da lagarta ficaram admirados
_É um milagre!
_Bem que eu falei. Disse o camaleão que já tinha mudado de opinião.
E a borboleta falou: _É preciso ter paciência com as lagartas se quisermos conhecer as borboletas.

Lugar fora do comum


Tinha engatilhada a frase que espantava as colegas (bem intencionadas) que propunham resolver o seu problema de falta de namorada. Dizia assim: “Quem eu quero não me quer, quem me quer mandei embora”.
As amigas e colegas pingavam conselhos em delicadas prestações (e sem a necessidade de entrada). Uma delas dizia: “Depois de quase trinta anos com o meu Nico, estamos tão acostumados... Não me imagino vivendo sem ele!”.
Sem aparente pressa, ele não quer arriscar se envolver com amores encomendados. Desconfia do bom gosto das amigas-cupido. Nem se sensibiliza com os punhados de qualidades que possuem as candidatas. Aposta nos momentos inesperados, mágicos, quando poderá surgir o grande amor: nem jovem, nem velho demais, alma de muitas qualidades e cumplicidades.
O argumento-míssil, que o deixava desnorteado, vinha de uma colega que estava beirando-os-sessenta: “Você não é mais um guri! Logo logo estará velhinho. Olha só a judiaria, aqueles velhos abandonados nos asilos, sem ninguém para os cuidar. Você quer terminar assim?”
Com esta sentença zum-bi-zan-do na cachola, entrou num sebo, na feira do livro de sua cidade. Tinha a esperança de garimpar algo valioso nestes lugares onde se junta tanta variedade. Livros que antes despertaram a paixão em tantos lares...
Centenas de livros que fizeram companhia, amenizaram a solidão de seus conterrâneos. Ali naquelas estantes exibia-se parte do conhecimento (ideias, crenças, valores, verdades) que interagiu com seu povo...
Espantou-se. Depois de mais de uma hora de pesquisa, apenas dois livros chamaram a sua atenção.
Boa parte dos livros era sobre religião e autoajuda.
Sentiu-se em-pa-ra-fu-sa-do. Como levar a sério conselhos de pessoas com noventa e nove por cento de “verdades” padronizadas e, como aqueles livros todos, necessitando ser recicladas?
Grande parte dos livros do sebo não o interessavam. Foram desejados, adquiridos e, depois, dispensados pelas pessoas. Claro! Tudo era óbvio. Clichê. Lugar comum. A felicidade, a prosperidade, a saúde perfeita, etc., etc., anunciadas por dezenas, centenas de livros, todos são lugares comuns!
Tinha pavor de clichês, do tipo: “Tenha uma vida em grande estilo”. “Pare de chover no molhado”. “fuja da raia”. “Seja um divisor de águas”. Para ele, estas são fórmulas previsíveis que, de tanto serem usadas, já não dizem mais nada.
Os noventa e nove por cento dos livros do sebo que as pessoas da cidade passaram adiante, e que agora ele rejeitou, parecem lugares comuns. Da mesma maneira os conselhos das colegas e amigas sobre a importância de se ter alguém. Conclusão óbvia: ser um herói da resistência deve-se à sua postura teimosa. Fugir do lugar comum, e adotar o “lugar nenhum” ou, até, o “lugar fora do comum”.
Enquanto não encontra o amor que ninguém escolheu, trata todas as gurias como um príncipe: como suas namoradas! É gentil, cavalheiro, porque as mulheres são deusas. Ou melhor, tem certeza: Deus é mulher.

Aqui é meu lugar


Guri de uns cinco ou seis anos. Pés descalços, montado num cavalo enorme. Cruzou diante de minha casa. Ao me ver boquiaberto, disse:
- Vou dar a volta e subir correndo!
Parecia um bonequinho montado num dinossauro. Poderia cair. Preocupei-me.
Que nada. Deu de rédeas no cavalo e subiu a rua num trote medonho. 
Isso me alegrou, uma cena incomum num final de sexta-feira. Aplaudi, “bravo!!”, e o guri disse que ia trotar de novo... Eu falei:
- Não precisa, você é demais!
Estas cenas enchem meus olhos, e me fazem cravar raízes por aqui. Pouco tempo atrás desejei ir embora de Ijuí, apesar dos fortes laços com esta cidade. Não nasci aqui, vim para cá há uns vinte e poucos anos. Mas me considero ijuiense. Outra perspectiva de trabalho, outros amigos, tive a oportunidade de mudar para o norte do país.
Na ocasião, rabisquei um poema para enviar aos amigos, como justificativa e despedida. Um trecho dizia mais ou menos assim:
"Não quero ser camponês
apegado ao velho chão
quero ser é marinheiro 
e explorar outros mares, 
marejar triaventuras
e respirar novos ares...
Talvez as linhas da mão
e uma bela cartomante
mostrem a melhor trilha
pra fugir de minha ilha
e mudar meu horizonte...
Sentirei falta do mate
da companhia do meu filhote
compartilhar histórias e livros
com todos os meus amigos.
Meu consolo é assim:
Vou, querendo ficar
Fico, querendo ir...
Estudei o mapa do país
dos rincões até as praias.
Preciso encontrar meu norte
antes que a casa caia!"
Foram vários os motivos que me fizeram fincar pé por aqui. Alguns eu tinha consciência na véspera. Outros eu percebo agora. Um dos grandes motivos que amarram meu cavalo em Ijuí são estas cenas urbanas, como a do guri, no começo desta história, que certamente não verei em nenhum outro lugar. 
Minha vinda a Ijuí deu-se, principalmente, para fazer um curso superior. Na época a Unijuí há pouco iniciava seu percurso como universidade. Porém, a Fidene já tinha uma bela trajetória (desde a década de 1950) como Faculdade de filosofia. Nestas décadas todas a Unijuí formou professores do noroeste gaúcho, oeste catarinense e sudoeste do Paraná. Nestas regiões, hoje se situa a Universidade Federal da Fronteira Sul. Regiões que antes não haviam sido adotas pelo Estado. Temos que reconhecer o esforço que a comunidade fez, com a instalação do Ensino Superior em Ijuí e região. Sabemos, hoje, como na época Ijuí estava à frente de seu tempo. 
Falando nisso, hoje, em nossa região, ainda estamos à frente ou poderemos ser deixados para trás, por outros municípios?
A criação de um campos da UFFS significa colocar Ijuí como um polo cultural, acadêmico e científico, no mesmo nível como temos em saúde. Penso que uma Universidade Federal em Ijuí, em vez enfraquecer, vai fortalecer ainda mais as universidades particulares, como ocorre em Chapecó, Erechim, Passo Fundo e Santa Maria. Em vez de tantos e tantos jovens (do sul do Brasil e até de outras regiões) se deslocarem para outras cidades em busca de Universidade Pública, poderemos atraí-los para Ijuí. Isso efetiva ainda mais aquela ideia de universalidade, o que é a “essência” da universidade. E isso vai se somar a tantos outros investimentos em outras áreas, que colocam Ijuí com um privilegiado Índice de Desenvolvimento Humano.

Se enlouqueci, me avisem!


De onde vem essa vontade tardia de cuidar de cada plantinha da horta? De olhar para o céu, percorrer as previsões do tempo na internet, ansioso para que chova e a semente venha a brotar? 
E essa noia zen de de relaxar olhos e pés, pisar na grama contemplativo diante dos canteiros? De fazer planos, vinte pés de alface crespa aqui, no canto próximo ao muro transplantar as mudinhas de pimenta que trouxe do pomar do professor Helio, adubar as covas para os chás, salsa e cebolinha... de onde vêm essas picuinhas?
Saudoso, cheguei a plantar sementes de melancia, como se fosse agricultor de verdade – urbano doido, disponho apenas de um pedaço de terra, nos fundos do terreno! Tenho redobrado a atenção, em cada quintal que me deparo, em cada rua que passo, a geometria dos canteiros, a disposição dos ventos, a porcentagem de sol que doura o chão... E pesquiso sobre sucos, as propriedades curativas de abacaxis e morangos, enfim, vasculho tintim por tintim  os sites especializados...
De onde vem essa atitude ridícula de negociar com pombos, sabiás e joões de barro, para que cisquem por todo canto, menos na terra que preparei? E já tenho insônia com as invasões imaginárias da formiga-cortadeira – Deus me livre!
Minha farmácia doméstica, o pé de limoeiro, parece indeciso sobre ficar ou crescer... Nesses anos todos, dei a mínima para isso, e agora sofro por não vê-lo adulto, carregado de flores e frutos. Então, desfilo uma ladainha de perguntas sobre cuidados com o solo, para amigos engenheiros agrônomos, e encaro minhas dúvidas como as mais importantes do mundo, mais do que o aquecimento global. Que metamorfose ocorreu, se durante anos apenas fiz recuar o mato, aparando a grama só quando os olhares dos vizinhos o imploravam?
Que bizarrice é esta para, de uma hora para outra, eu me preocupar com inseticidas, herbicidas e transgênicos? Que insanidade me faz agora olhar para o bife ou o peito do frango e sofrer com o bicho, como se fosse eu mesmo?
Acho que adivinho um pouco o que se passa comigo. Deve ser uma reação a essa pressa moderna, de nos afastarmos dos outros e mergulharmos no mundo virtual, atrofiando nossos bons e velhos sentidos!
Devolvam-me o que perdi com essa solidão urbana. A horta representa o oxigênio necessário aos meus sentidos – depois de anos e anos afastado da terra, do pomar e da cozinha, quero ver, ouvir, cheirar, tocar e, mais do que tudo, sentir!
Acompanhar o nascimento, crescimento e maturação das frutas, legumes e verduras significa ganhar mais vida, e renascer.
Irônico, meu amigo Monstro desconfia que minha cabeça aterrissou em outro planeta, e lá estou escrevendo e cultivando abobrinhas. Não o repreendo. Ele se criou no mundo urbano. Nunca vai compreender que quem nasceu e se criou na roça vai carregar terra debaixo das unhas pelo resto da vida.
Se é verdade que enlouqueci, por favor, me avisem!

Odisseia - Carlos Drummond de Andrade

O amor foi à função, bebeu, cantou e bailou, estava muito excitado, tiveram de levá-lo para casa e prendê-lo no quarto para que repousasse. No dia seguinte, o amor cantou e bailou sem beber, e era sempre primavera nos seus modos e falas. O amor viajou, voltou, fazia piruetas, trocadilhos, esculturas, criava línguas e ensinava-as de graça. Todos o queiram para companheiro, paravam de guerrear para abraçá-lo, jogavam-lhe moedas que ele não apanhava, gerânios que ele oferecia às crianças e às mulheres. O amor não adoecia nem ficava mais velho, resplandecia sempre, havia quem o invejasse, quem inventasse calúnias a seu respeito, o amor nem ligava. Cercaram sua casa de madrugada, meteram-lhe a cabeça num saco preto, conduziram-no a um morro que dava para o abismo, interrogaram-no, bateram-lhe, ameaçaram jogá-lo no precipício, jogaram. O amor caiu lá embaixo aos pedaços, mas se recompôs e foi preso outra vez, aplicaram-lhe choques elétricos, arrancaram-lhe as unhas, os dedos, o amor sorria e quando não podia mais sorrir gritava numa de suas línguas novas, que não era entendida. E desfalecendo voltava a consciência, e torturado outra vez, era como se não fosse com ele. Quebraram o amor em mil partículas, e ninguém pôde ver as partículas. Foi sepultado normalmente no fim do mundo, que é para lá da memória. Ninguém o localizou, mas todos falavam nele, o amor virou um sonho, uma constelação, uma rima, e todos falavam nele, e ressuscitou ao terceiro dia.

Clipe