Ser brotinho em Ijuí


TECO - Cara, aqueles olhos me deixam tonto. Mas diante dela fico nervoso. Não vem assunto. 
ET - Tive uma ideia: pede pra ela contar umas histórias sobre os seus olhos.
TECO - Acho que não. Faz lembrar um ditado que diz: "Quem vê olhos não vê coração".
ET - Tenho a impressão de que este ditado está errado...
TECO - Aiaiaiai... Sempre soube que tem certas coisas que vocês, Ets, não conseguem entender.
ET - Sabe o que você pode fazer quando a encontrar? Pergunta se ela é brotinho por causa dos olhos, ou se os olhos são um presente dos deuses por ela ser brotinho...
TECO - Ótima ideia! Me fez lembrar de uma crônica do Paulo Mendes Campos, "Ser brotinho".
ET - e o que diz a crônica?
TECO - vou ler pra você umas passagens:

"Ser brotinho é não usar pintura alguma, às vezes, e ficar de cara lambida, os cabelos desarrumados como se ventasse forte, o corpo todo apagado dentro de um vestido tão de propósito sem graça, mas lançando fogo pelos olhos. Ser brotinho é lançar fogo pelos olhos.
"Ser brotinho é poder usar óculos como se fosse enfeite, como um adjetivo para o rosto e para o espírito. É esvaziar o sentido das coisas que transbordam de sentido, mas é também dar sentido de repente ao vácuo absoluto. É aguardar com paciência e frieza o momento exato de vingar-se da má amiga. É ter a bolsa cheia de pedacinhos de papel, recados que os anacolutos tornam misteriosos, anotações criptográficas sobre o tributo da natureza feminina, uma cédula de dois cruzeiros com uma sentença hermética escrita a batom, toda uma biografia esparsa que pode ser atirada de súbito ao vento que passa. Ser brotinho é a inclinação do momento.
"Ser brotinho é atravessar de ponta a ponta o salão da festa com uma indiferença mortal pelas mulheres presentes e ausentes.
"Ser brotinho é adorar. Adorar o impossível. Ser brotinho é detestar. Detestar o possível. É acordar ao meio-dia com uma cara horrível, comer somente e lentamente uma fruta meio verde, e ficar de pijama telefonando até a hora do jantar, e não jantar, e ir devorar um sanduíche americano na esquina, tão estranha é a vida sobre a Terra".

ET - UAU!!

(Da série: A garota de Ijuí)

Andar sozinho

A moto anda sozinha. A diarista anda sozinha. O gari anda sozinho. Isabel andou com seu vizinho. Seu marido adora comprimidos. A auto-ajuda diz que posso andar sobre as águas como fez Jesus Cristinho. Mas eu quero andar fora dos trilhos. Levitar quando for me apaixonar. Abduzir todo meu bairro e seus gostos levianinhos. O bebê dorme sozinho. Vovô ronca bem sozinho. Só não ronca o robô que nunca dorme e não toma comprimidos. Como eu não sou robô vou tomar uns comprimidos e esquecer que ando sozinho.

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)
* Imagem do artista espanhol Luis Quiles.

Doce vida


TECO - Tem gente que se esquece de viver, que até emagrece!
ET - Não entendi...
TECO - Tem gente que se esquece de viver, que engorda, engorda...
ET - Viajando, cara?
TECO - Deixa pra lá... Quando perguntaram à Dercy Gonçalves se a vida não era amarga, sabe o que ela respondeu?
ET - Não.
TECO - "Que amarga? Vocês é que botam amargura em tudo. Pois botem açúcar!"

(Da série: Coisas que os ETs não entenderiam)

Tititi

As gatinhas ficam de tititi, bará bará bará, boró boró boró. Meu vacilo tererê botou a água pra ferver. De tão magras minhas vacas só deitam no presépio. De tanto ser mané deixei de ser Pinóquio. Se as gatinhas adoram um tititi, do outro lado do mundo eu danço um pocotó.

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador) 

Me perdoe pelo vacilo

Imagem do site http://incrivel.club/notag/a-ex-mulher-dele-o-deixou-sem-nada-alem-de-um-cao-veja-o-que-ele-fez-9055/


TECO - Cara, reatei com a gatinha fake. Estamos numa boa. Só conversamos pelo watshapp. Pra tudo o que digo, pergunto ou provoco, ela quase sempre responde, digitando:
- Hummmmm...
ET - Como assim?
TECO - Sei lá... Deve estar debochando, ou quem sabe confirmando o que disse Sascha Guitry: "A coisa mais profunda em certas mulheres é o sono".
ET - Você é louco! Com esta tirada todo mundo vai te acusar de "porco machista"!
TECO - Humm... Me perdoe pelo vacilo.

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

A culpa é do sistema

Fotografia retirada do site http://incrivel.club/admiracao-fotografia/30-fotografias-tiradas-na-iminencia-do-ato-18505/


TECO - Aquele cara é promíscuo.
ET - O que isso significa?
TECO - Diz o dicionário que "promíscua" é  a "pessoa que se entrega sexualmente com facilidade".
ET - Por que você faz essa ideia dele?
TECO - É que ele diz que o sistema, com o objetivo de vender suas mercadorias, faz elas na forma de órgãos sexuais, seduzindo assim os consumidores. Por exemplo, o formato do detergente... E por isso todo mundo adora lavar a louça...
ET - Hãn??
TECO - Isso me fez lembrar de uma frase do Aldoux Huxley: "O homem é uma inteligência a serviço de seus órgãos".
ET - Como é que é?? 

(Da série: Coisas que os ETs não entenderiam)

Série: Frases que os Ets não entenderiam


TECO - Hoje ela passou por mim. Parou, vacilou, parecia que ia dizer alguma coisa... Como não disse nada, eu me adiantei e falei:
- Ah-há! Cuspindo no prato que te comeu?*
ET - Hãn??

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

*Frase de Rubem Braga.

Notícias do fake


ET - Teu amor fake deu notícias?
TECO - Sim. Recebi uns vídeos que ela enviou pelo celular.
ET - Sobre o quê?
TECO - Tá louco! Não abri... Podiam ser vírus! Horas depois, como ela não mandou mais nada, perguntei pelo whatts que vídeos eram aqueles...
ET - E ela?
TECO - Disse que o celular estava louco. Que era um programa que enviava mensagens automaticamente...
ET - Meu, mas que planetinha é esse, hem? Além dos humanos, as máquinas também estão pirando!

Pérolas


Tudo está relacionado. O sol despedindo-se com um beijo na vidraça do prédio, próximo ao cantinho onde deliro. O indivíduo com a bicicleta e as garotas que passeiam com escassas roupas, carinhosamente adquiridas. Dizem que há grande probabilidade de isto ter a ver com os tornados do verão. Ninguém percebe abismo e caos por todos os cantos - a não ser este manco escrevinhador. As necessidades do corpo e da alma são meros dilemas subnutridos. Pensar nisso é como tergiversar num túnel infinito. A necessidade disparou em linha reta, para antecipar a apoteose, ao vibrarem ondas elásticas. As coisas miúdas e barulhentas que tomam conta de tudo precisam ser depuradas, parece que todos sabem. Observemos o que se passa. A crente de cabeça ereta, convicta do caminho a percorrer. O boy, o pedreiro, presos ao trabalho que, acreditam, liberta, porque se cercam de coisas que vão transbordar aterros sanitários. Convictos, usamos com impulso delirante roupas e cosméticos. São presentes e lembranças que brindam nossa autoestima. E no final, sem ter nada a ver com o bem e o mal, o complicado é narrar tanta pérola, sem que isso pareça banal. 

Passarinho engaiolado - Rubem Alves



Eis o belo texto do Rubem Alves, copiado do blog http://atorremagica.blogspot.com.br/2015/12/passarinho-engaiolado.html

Dentro de uma linda gaiola vivia um passarinho. De sua vida o mínimo que se poderia dizer era que era segura e tranquila como seguras e tranquilas são as vidas das pessoas bem casadas e dos funcionários públicos.

Era monótona, é verdade. Mas a monotonia é o preço que se paga pela segurança. Não há muito o que fazer dentro dos limites de uma gaiola, seja ela feita com arames de ferro ou de deveres. Os sonhos aparecem, mas logo morrem, por não haver espaço para baterem suas asas. Só fica um grande buraco na alma, que cada um enche como pode. Assim, restava ao passarinho ficar pulando de um poleiro para outro, comer, beber, dormir e cantar. O seu canto era o aluguel que pagava ao seu dono pelo gozo da segurança da gaiola.

Bem se lembrava do dia em que, enganado pelo alpiste, entrou no alçapão. Alçapões são assim; têm sempre uma coisa apetitosa dentro. Do alçapão para a gaiola o caminho foi curto, através da Ponte dos Suspiros.

Há aquele famoso poema do Guerra Junqueiro, sobre o melro, o pássaro das risadas de cristal. O velho cura, rancoroso, encontrara seu ninho e prendera os seus filhotes na gaiola. A mãe, desesperada com o destino dos filhos, e incapaz de abrir a portinha de ferro, lhes traz no bico um galho de veneno. Meus filhos, a existência é boa só quando é livre. A liberdade é a lei. Prende-se a asa, mas a alma voa… Ó filhos, voemos pelo azul!… Comei!

É certo que a mãe do passarinho nunca lera o poeta, pois o que ela disse ao seu filho foi: Finalmente minhas orações foram respondidas. Você esta seguro, pelo resto de sua vida. Nada há a temer. Não é preciso se preocupar. Acostuma-se. Cante bonito. Agora posso morrer em paz!

Do seu pequeno espaço ele olhava os outros passarinhos. Os bem-te-vis, atrás dos bichinhos; os sanhaços, entrando mamões adentro; os beija-flores, com seu mágico bater de asas; os urubus, nos seus vôos tranquilos da fundura do céu; as rolinhas, arrulhando, fazendo amor; as pombas, voando como flechas. Ah! Os prudentes conselhos maternos não o tranquilizavam Ele queria ser como os outros pássaros, livres… Ah! Se aquela maldita porta se abrisse.

Pois não é que, para surpresa sua, um dia o seu dono a esqueceu aberta? Ele poderia agora realizar todos os seus sonhos. Estava livre, livre, livre!

Saiu. Voou para o galho mais próximo. Olhou para baixo. Puxa! Como era alto. Sentiu um pouco de tontura. Estava acostumado com o chão da gaiola, bem pertinho. Teve medo de cair. Agachou-se no galho, para ter mais firmeza. Viu uma outra árvore mais distante. Teve vontade de ir até lá. Perguntou-se se suas asas aguentariam. Elas não estavam acostumadas.

O melhor seria não abusar, logo no primeiro dia. Agarrou-se mais firmemente ainda. Neste momento um insetinho passou voando bem na frente do seu bico. Chegara a hora. Esticou o pescoço o mais que pôde, mas o insetinho não era bobo. Sumiu mostrando a língua.

— Ei, você! – era uma passarinha. – Vamos voar juntos até o quintal do vizinho. Há uma linda pimenteira, carregadinha de pimentas vermelhas. Deliciosas. Apenas é preciso prestar atenção no gato, que anda por lá… Só o nome gato lhe deu um arrepio. Disse para a passarinha que não gostava de pimentas. A passarinha procurou outro companheiro. Ele preferiu ficar com fome. Chegou o fim da tarde e, com ele a tristeza do crepúsculo. A noite se aproximava. Onde iria dormir? Lembrou-se do prego amigo, na parede da cozinha, onde a sua gaiola ficava dependurada. Teve saudades dele. Teria de dormir num galho de árvore, sem proteção. Gatos sobem em árvores? Eles enxergam no escuro? E era preciso não esquecer os gambás. E tinha de pensar nos meninos com seus estilingues, no dia seguinte.

Tremeu de medo. Nunca imaginara que a liberdade fosse tão complicada. Somente podem gozar a liberdade aqueles que têm coragem. Ele não tinha. Teve saudades da gaiola. Voltou. Felizmente a porta ainda estava aberta.

Neste momento chegou o dono. Vendo a porta aberta disse:

— Passarinho bobo. Não viu que a porta estava aberta. Deve estar meio cego. Pois passarinho de verdade não fica em gaiola. Gosta mesmo é de voar…

Ele se apaixonou por um fake


ET – Quando ela te mandou convite no facebook você se esbaldou na lábia. Testou poemas, canções de amor, papos-cabeça, só pra deixá-la impressionada. Com o passar dos dias você criou tamanha expectativa que até comprou um celular mais moderninho pra ter um chip da operadora dela. E você devaneava quando ouvia a sua voz. E cada vez mais ansiava pela sua ligação. Enquanto isso você esnobou aquela garota que sempre esteve do teu lado quando você precisava. Um mês depois, quando finalmente vocês iam marcar o primeiro encontro, longe do mundo virtual, para se ver “olhos nos olhos”, ela jogou um balde de água fria na tua paixão. Não mais ligou no início da manhã pra desejar “tenha um ótimo dia, meu anjo!”, não ligou à noite pra ficar uma hora contando a epopeia que foi o seu dia, da escola para casa, de casa para a academia, e do amor incondicional pelo seu poodle, enquanto você se coçava, louco para retomar o jogo no vídeo-game. Daí, no fim de semana ela deu um chá de sumiço, enquanto postava umas coisas esquisitas na sua time line. E se você puxava conversa no face, ela desdenhava, não respondia, sumia... Cara, você não desconfiou que essa garota pode ser um fake?
TECO – Pior que não...
ET – E ela pediu pra você prometer amá-la e protege-la pelo resto dos teus dias? Você contou a todos os teus amigos e amigas que, finalmente, encontrou a menina que encarnava o amor verdadeiro? Caramba! Sem nunca tê-la visto pessoalmente?
TECO – Isso...
ET – Você é muito mais do que um poeta sonhador: você é uma catástrofe no amor! Mas... Críticas à parte, você é um menino em extinção. É puro, ingênuo que (pasmem!) ainda acredita no amor!


Clipe