Por que existe briga de cão e gato - Luiz Antonio Aguiar


Contam as estrelas que assistiram a tudo, o vento, que corria por lá desde então, e o tempo, que nunca deixou de passar, que muito antigamente existiu uma floresta que era a floresta mais antiga do mundo, onde havia as árvores mais antigas do mundo, bisavós e tataravós de todas as árvores.
Nessa floresta havia um bando de animais. Justamente os animais mais inteligentes que já existiram neste planeta. Mas, naquela época, o que ainda não havia era o homem, no mundo. Corria sim uma profecia: "Mais cedo ou mais tarde, o homem iria surgir no planeta". E os animais estavam preocupados.
- Os humanos vão chegar e nos dominar! - alertou o Cão, um enorme cão negro, pai de todos os cães. - Vão nos fazer de escravos! Acabar com muitas das nossas espécies!
Um murmúrio alarmado  correu a assembleia dos animais, todos comentavam. Quando então o Gato veio dar sua opinião. Era um gato amarelo, imenso, pai de todos os gatos que viriam a existir.
- Eles vão derrubar as árvores, matar a floresta, sujar a água e o ar. Vão destruir a terra!
Desta vez, até as árvores se agitaram. Folhas e pequenos frutos caíram, como se já chorassem pela extinção de tantas vidas. Todo mundo concordava - era preciso fazer alguma coisa para evitar o cumprimento da profecia.
- Há uma maneira! - disse o cão preto, que era também, junto com o gato amarelo, o mais inteligente dos animais. - Já conversei com o Gato e ele concorda.
O pai de todos os gatos soltou um miado para confirmar as palavras do Cão:
- Sim, a profecia anuncia que poderemos impedir que o homem vire essa ameaça... É só não deixar que ele engula o ovo da inteligência.
- E onde está esse tal ovo? - perguntaram o Macaco e muitos outros mais.
- Precisamos procurar. Dizem que é só enxergar a luz que ele solta, e na hora iremos reconhecer. Daí, quem achar traz para cá, e ele ficará para sempre sob a guarda de todos os animais. Só assim salvaremos o planeta.
Ali, na frente dos outros, Cão e Gato trocaram um sorriso amigável, como se estivesse de acordo. Mas, a verdade é que cada qual por seu lado já tramava ficar com o ovo para si, e sozinho virar o rei dos animais.
Todos os bichos da mais antiga das florestas saíram à procura. Mas quem achou o tal ovo, num oco de árvore tão brilhante por dentro como se ali tivesse coisa do outro mundo - um daqueles pedaços de pedra que caem do céu - foi o Macaco. Logo se notava que aquele ovo tinha magia, tão estranho era, embora muito pequenino, quase do tamanho de um ovo de pomba selvagem.
Feliz da vida por acreditar que havia salvo o planeta, o bom Macaco correu para o lugar onde os animais se reuniam, levando o ovo. Quando chegou, lá estavam apenas o Cão e o Gato. Assim que viram o ovo, ambos pularam em cima do Macaco, gritando ao mesmo tempo:
- Eu vou guardar o ovo!
O Macaco, coitado, no meio daquela embolação, tentava proteger o ovo, enquanto por cima dele Cão e Gato brigavam ferozmente. Até que o Macaco soltou um guincho, e a luta parou, todos espantados. O Macaco começou a tossir, parecia sufocado, cada vez mais pálido.
- Ele engoliu o ovo! - ladrou o Cão.
- Mas que macacada! - roncou o Gato.
Muito assustado e confuso, sentindo coisas estranhas pelo corpo, o Macaco saltou em disparada, de cipó em cipó. Por muito tempo, não seria visto na floresta nem se ouviria falar dele outra vez. 
Cão e Gato sofreram diversos ferimentos. Um culpando o outro pelo desastre, ainda se engalfinharam algumas vezes. Cansados, enfim, se separaram, aos grunhidos de que um não perdoaria o outro. "Somo inimigos para sempre!" Só tinham um consolo. Para eles, ficaria tudo na mesma.
"Ora, ovo da inteligência...", resmungou consigo o Gato, "seria preciso uma dúzia deles para fazer esse Macaco emendar dois pensamentos corretamente".
E o Cão... "Que desperdício... O ovo da inteligência vai ficar com uma criatura que jamais vai tirar proveito do que ele pode dar!"
E assim as estrelas continuaram assistindo, o vento escutando, e o tempo a contar as histórias do mundo...

Clipe