Pedro Malasartes


Pedro montou uma tendinha de ferreiro, e ia muito bem, ferrando cavalos que apareciam por ali, ou fazendo outros servicinhos. Certo dia apareceram na sua tenda dois peregrinos, um moço muito suave, e um velho de barbas brancas. Malasartes pensou que queriam encomendar algum serviço e, pelo visto, coisa de pobre devia ser, pois usavam túnicas grosseiras, e estavam descalços. Mas queriam apenas a forja emprestada, por pouco tempo. O mais novo pegou uma velha que ia passando pela rua, colocou-a em cima das brasas, soprou bem, apanhou a mulher com as tenazes, colocou-a em cima da bigorna, e deu com o malho nela com vontade. Malasartes espiava. E o velho espiava. Malha que malha, dali a pouco, quando deu por acabado o serviço, o moço pôs a mulher no chão e da velha tinha feito uma moça nova, bonita, sem nenhuma ruga. A moça saiu dançando, contente.
Malasartes assuntou:
- Esse deve ser Jesus Cristo e o seu discípulo mais velho, São Pedro.
Horas mais tarde, apareceu sozinho, na ferraria, o discípulo.
- Ferreiro, empreste-me a forja por uns minutos?
- Como não?
São Pedro trouxe uma velhinha pela mão e explicou:
- Vou deixar a minha mãe bem moça e bonita.
Pôs a mãe na forja, soprou, soprou, e logo a tenda se encheu de cheiro de carne queimada.
- Isso não vai bem, São Pedro.
- Vai. É assim mesmo.
Tirou os torresmos do fogo, colocou-os na bigorna, mas quando o malho desceu, espatifou carvão e cinza para todos os lados. Saiu o velho, porta afora, desesperado, em busca do Mestre. Trouxe-o e Jesus ajuntou os pedacinhos da velha, arrumou, alisou, pôs na bigorna, malhou, e fez a velha como era, com o que São Pedro ainda se deu por muito satisfeito. Iam partir e, antes, o Mestre chamou Malasartes para um lado e disse-lhe:
- Pelo favor que nos fez, peça-nos o que quiser.
São Pedro logo falou:
- Peça o reino do céu, ferreiro.
- Que reino do céu? Reino do céu não enche a barriga. Quero que aquele que se sentar no banquinho que está aí diante da porta, não se levante sem eu mandar.
- Concedido – disse o Cristo – Pode pedir mais uma graça.
- O reino do céu – bradou São Pedro.
- Lá vem ele com o tal do reino do céu. Quero que todo aquele que subir na figueira que tenho no quintal não possa descer sem eu mandar.
- Concedido. E agora peça a última graça.
- O reino do céu... – gemeu São Pedro, assombrado por aquele homem não se importar com o descanso eterno.
- Faça o favor de não me aborrecer com essa história do reino do céu? Quero que quem entrar no meu surrão nunca mais possa sair sem o meu consentimento.
- Concedido.
Saíram os peregrinos e Malasartes ficou na bigorna, malho na mão, bam, bam, bam, pensando na estranha visita daqueles homens, e nos milagres que presenciara. E então acudiu-lhe ao espírito que se ele tivesse pedido dinheiro, bastante dinheiro, riquezas, certamente não precisaria estar batendo malho, para obter algum dinheirinho, para comer.
- Sou um burro. Mas já dou um jeito nisso.
Chamou o diabo e disse:
- Que é que você quer para me dar dinheiro?
- Muito?
- Naturalmente que quero muito. Barras de ouro, carteiras cheias, dinheiro que nunca se acabe enquanto eu viver, por mais que eu gaste. Isso é o que eu quero.
- Dê-me sua alma em troca.
- Não tem dúvida. Daqui a vinte anos pode vir me buscar.
Malasartes, desde então, levou vida de fidalgo. Passeava a mais não poder, gastava a rodo, tinha roupas belíssimas, carruagens, criados, adquiriu palácios, terras, milhares de pessoas trabalhavam para ele. A sorte nos negócios jamais o abandonava. Negócio em que punha a mão era certo prosperar. E assim ele levou vida boa e regalada. Depressa passou o tempo, pois tão feliz lhe corria a vida. Mal se lembrava do seu sócio o diabo, quando um dia chegou à janela e viu diante do portão a figura temível do Danado. Construíra Malasartes um palácio no lugar da tendinha, mas conservara, contra as opiniões do construtor, um banquinho de madeira junto ao portão, uma figueira ramalhuda no quintal, e a tendinha de ferreiro ao lado.
Vendo o diabo, Pedro Malasartes se adiantou todo amável.
- Como vai o senhor? Veio visitar-me?
- Vim buscar você. Vinte anos já se passaram.
- Já? – estranhou Malasartes, sinceramente admirado. – Então o senhor sente aí no banquinho e espere um pouco. Vou pôr as minhas coisas em ordem.
O Diabo sentou e esperou. E esperou. E esperou. Malasartes não aparecia. Não apareceu até a noite. O Diabo foi se levantar, para esticar as pernas, e quem disse que podia se despregar do banquinho? Forcejou por sair e quanto mais fazia, mais preso ficava. Malasartes estava bem passeando. Quando voltou viu o Diabo urrando como um desesperado, sem poder sair do banquinho. Riu a mais não poder, e falou:
- Se quiser sair daí, consinto, mas em troca de mais cinquenta anos de vida. Vida boa e riquezas como até aqui. Veja lá, hein?! E quero ficar moço e disposto durante todo esse tempo, como estou até agora e como foi até hoje.
O diabo não teve remédio senão concordar. Mal se viu livre do malfadado banquinho se escafedeu para o inferno. E eis Pedro Malasartes, às soltas pelo mundo, fazendo artes e malandragens quanto quis, moço, disposto, rico e gozando a vida. Nessas condições, não admira que não sentisse passar o tempo. Um dia, quando assuntou, cinquenta anos tinham se passado e o Diabo estava na sua porta novamente.
O Malvado foi logo dizendo:
- Não quero me sentar em banquinho nenhum. Vá tratando de arrumar a sua trouxa e vamos para o inferno.
- Está bom, seu Diabo. Não precisa brigar.
Pedro malasartes foi para dentro e ficou. Passou uma hora, passaram duas e três. No quintal, o Diabo via a figueira carregada de lindos figos escuros, madurinhos. Ele estava com fome, fazia muito tempo que saíra do inferno, e, guloso, subiu à figueira e comeu os deliciosos frutos, até se fartar. Quando foi descer, quem disse que podia?
Experimentou escorregar pelo tronco abaixo, parava no meio. Experimentou pular, armava o pulo, largava o corpo, nem do lugar saía. Compreendeu então que estava prisioneiro para sempre do Malasartes. Muitos e muitos dias levou o Malasartes para voltar. Andava também pelo mundo, fazendo artes. Quando veio, encontrou um Diabo sucumbido de desgosto, e disse:
- Eu consinto que o senhor saia, seu Diabo. Mas, já sabe. Amor com amor se paga. O senhor me concede aí uns cem aninhos mais. Já sabe como: vida boa, riquezas, saúde, mocidade...
O Diabo concordou com tudo quanto ele quis, e por cem anos o Pedro Malasartes desfrutou da mais bela vida que alguém já teve até hoje. Um século depois, na porta do palácio encontrava-se o mesmo Diabo.
- Entre, Seu Diabo. Faça o favor. Por aqui. Venha ver a tendinha que eu morava, antes que o senhor, bondosamente, me concedesse tantos favores.
O Diabo torceu o nariz, a essa conversa, mas foi entrando. Não quis sentar, ficou em pé. Não quis comer coisa alguma. Recusou ficar à sombra da árvore.
- Assim o senhor se cansa. Espere um pouquinho que vou arrumar o meu surrão e já venho.
Demorou desta vez, mas não muito. Nem sequer saiu de casa. Dali a pouco apareceu, arrastando um grande surrão.
- Seu Diabo, o senhor podia ajudar a amarrar meu surrão.
O Diabo não disse nada. Foi. Quando se abaixou para amarrar o saco, Pedro Malasartes deu-lhe um empurrão por trás, e o enfiou rapidamente no surrão. O Diabo esperneou quanto pôde, pererecou que deu o dia, mas viu que não poderia sair. E daí deu de implorar ao Malasartes que o acudisse.
- Ora, Senhor Diabo. O senhor onde está, está muito bem. Eu vou acudi-lo para que o senhor me leve para o inferno hoje ou daqui alguns anos? Não. Fique aí e bom proveito.
Mas depois que o Diabo prometeu que nunca mais o procuraria, permitiu que ele se fosse.
Malasartes viveu mais alguns anos e um dia morreu. Morreu e foi direitinho para o céu. Quando São Pedro abriu a porta e deu com ele, bradou:
- Saia já daqui, seu herege, seu danado. Vá para o inferno! Você não quis pedir o reino do céu ao Mestre, agora se afomente!
- Pois então eu vou para o inferno. Lá não há de ser ruim assim como dizem.
Foi. Bateu à porta, veio o Vadio abrir, e quando deu com Malasartes, fez uma cara muito feia e bradou:
- Passe daqui, Malasartes. Pensa que me esqueci do banquinho, da figueira e do surrão? Já de minha porta, e não me apareça mais.
Com toda paciência, Malasartes desandou o caminho e foi à porta do céu, de novo.
Ali, contou a história a São Pedro, e pediu:
- O senhor podia me deixar ficar aqui na porta um pouco, descansando.
São Pedro encolheu os ombros e não se importou mais com ele. Mas, nas idas e vindas do santo porteiro, às vezes a portava ficava entreaberta. Pela fenda, o Malasartes atirou o boné lá para dentro. Depois, queria, porque queria ir busca-lo.
- Pois vá, e não me amole – respondeu São Pedro.
Malasartes, mais que depressa, entrou e ficou.
- Eu daqui não saio. Ouvi dizer que quem entra no céu não sai mais.
E então, para que Malasartes não ficasse fazendo artes no céu, Deus fez erguer um monte de trigo do tamanho de todas as nuvens juntas; mandou que os anjos misturassem alpiste, milho e feijão a esse trigo. E mandou por último que o Malasartes separasse as espécies. Quando já está quase tudo pronto, vem o vento forte e mistura de novo. E dizem que até hoje o Malasartes está no céu, separando o trigo.

(Do livro Lendas e fábulas do Brasil. Selecionadas, prefaciadas e recontadas por Ruth Guimarães. Ed. Cultrix)


Clipe