Desenhos na parede - Diana Corso



Não tenho tanto medo dos militares, nem dos políticos corruptos, quanto tenho da população simploriamente indignada e daqueles que manipulam esses sentimentos. Assusta-me a vontade que parece falar nas ruas de eleger alguém, aquele que estiver mais à mão, para odiar. Já vimos esse filme, quantas vezes? Quantas ainda o teremos que ver?
Ele seria um subversivo político somente na dimensão em que a liberdade de expressão fosse perigosa. Esse era o caso. Trata-se de um conto de Julio Cortázar que transcorre na Buenos Aires dos anos de chumbo, quando se desaparecia pela mínima discordância com aquela gente que a ditadura pôs no mando. A personagem fazia desenhos com giz de cera nas paredes. Eram imagens artísticas, por vezes até abstratas, mas diligentemente apagadas a mando da polícia. Arriscava-se muito, era uma espécie de paixão que lhe movia a vida: fazê-los depois visitá-los furtivamente para acompanhar o efeito que causavam nos transeuntes. Vê-los sendo apagados e insistir. Uma única vez pusera palavras: "me dói muito". Este foi removido com maior urgência.
Um dia, ao lado do seu, surgiu outro desenho. O traço era feminino, ele supôs. Por algum tempo comunicaram-se assim. Em geral, era ele que começava, ela respondia, uma dança na parede. Ele dedicava agora suas andanças furtivas a tentar surpreendê-la, sempre fracassando. Até o dia em que, obcecado por conhecê-la, expôs um de seus desenhos em um lugar mais visível e arriscado, onde podia ficar observando mais tempo à sua espera. Ela não pôde resistir ao desafio e foi pega. Ele não conseguiu ver mais que um cabelo e uma silhueta azul sendo colocada na viatura.
Uma triste história de amor desencontrada, mas linda e colorida. Retrata a obsessão dos regimes repressivos com o apagamento da poesia, da arte, da parte mais pulsante da vida nas ruas. A escuridão política começa com o enrijecimento das almas. A ascensão das piores ditaduras nasceu de disputas políticas, de crises econômicas, mas atendia ao impulso popular de simplificar a vida. É uma tentação eleger inimigos fáceis e sentir a satisfação de eliminar todos aqueles que forem apontados como discordantes. O obscurantismo nasce também da preguiça do pensamento.
Após todos estes anos de democracia, mesmo a nossa, com inúmeros defeitos e trejeitos inaceitáveis, voltei a temer novamente pela poesia dos desenhos na parede. Não tenho tanto medo dos militares, nem dos políticos corruptos, quanto tenho da população simploriamente indignada e daqueles que manipulam esses sentimentos. Assusta-me a vontade que parece falar nas ruas de eleger alguém, aquele que estiver mais à mão, para odiar. Já vimos esse filme, quantas vezes? Quantas ainda o teremos que ver?
O conto Grafitti é uma história de amor das antigas, daquelas em que os amantes nunca se tocam. Eles apenas se rondam, desenham e se excitam com o mistério. O perigo que nos ronda agora, que parece estar excitando a tantos, é de colocar no poder os que apagam a poesia das paredes, do mundo, do amor. Me doeria muito.
(Zero Hora, domingo, 31/01/2016)

baixando as armas


As meninas apresentam suas armas:
o bumbum arrebitado
as cores transparentes
os cabelos avoados.
Os meninos apresentam suas armas:
o carro rebaixado
o som atordoado
o álcool pra soltar.
As meninas e suas credenciais:
grita o corpo seminu
e a boca silencia
nas altas doses de batom.
Os meninos e suas credenciais:
o corpo acadêmico
é a potência do seu som
e a palavra se esvazia
com o ronco do motor.
Daqui desta sacada, cansei de armar minha palavra, como o bote da serpente e o olhar do boxeador. Cansado de ter a língua afinada, a palavra vomitada antes de sentir amor. Aqui nesta sacada, saquei a emoção fingida, a razão idolatrada, não mais quero disparar e causar tamanha dor. É hora de baixar as armas e recuar...
E voltar a sonhar...
Que as gurias querem flores e poesia, palavras sussurradas com sentido, transar a vida com perfume e conteúdo, tudo, tudo, sem buscar a mera utilidade ou qualquer outro reflexo... Tudo, tudo, antes da produção em série, bombada, idolatrada, do sexo.


(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Margem de erro


- E a garota fake, novidades?
- Quando li estes versos, pensei nela:

Ela é uma mina versátil
o seu mal é ser muito volúvel
apesar do seu jeito volátil
nosso caso anda meio insolúvel
                                         (Chacal)

- Acho que você pensa demais nela. E fica idealizando como ela deveria ser, conforme teus sonhos. Pare de exigir demais, de ti e dos outros! Na vida a gente erra e acerta, acerta e erra...

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Não sei de onde ela veio


Minha alergia atravessou a rua
e se instalou por toda a pele
foi a surpresa de janeiro
igual calor e Big Brother.
Será que as férias me deixaram estressado,
coçando as bolas e cheio de ansiedade?
Eu fui à procura dela
mas não sabia que era sarna pra coçar
agora todo mundo sabe
que eu estou viciado em farmácia!
Diga, espelho meu:
há na cidade um lazarento como eu?!
Não sei de onde veio essa alergia: bicho, planta ou mordida de inseto... Só sei que coço as dobras dos braços e joelhos, e desconfio de toda a vida que passa perto. O pó dos móveis, o clima seco, o desfile frequente das baratas pelos cantos. Todo mundo ri, feliz, nas melhores praias, em viagens de fazer sonhar. E eu aqui, sem intuição e imaginação, passo o dia todo a me coçar!

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Rádio Batuta


Vai o link de um site com literatura em voz alta. Ouvir poesia, crônica e outros textos em voz alta é uma experiência gratificante. Vale a pena experimentar...

http://www.radiobatuta.com.br/Episodes/view/210

Xantipa me adotou


Quando ela me adotou, estava desanimado, gordo e sem autoestima. Não vislumbrava qualquer perspectiva a respeito do futuro. Viciado em smartphone, facebook e watshapp, demorei para descobrir que a serventia destas ferramentas digitais era nos distrair daquelas coisas que realmente são interessantes.
Se na primeira vez que ela veio senti algo estranho, por ela ser magricela, descuidada e sozinha, já no dia seguinte invadiu-me um sentimento de culpa por não lhe servir ao menos um prato de comida.
Com o passar dos dias mapeei seus pontos fracos. Bastou acariciar seu pescoço e seios. Tinha no olhar e no jeito de se comportar a súplica por um carinho. Vacilei... Mas o que pode fazer um poeta diante de uma gata tri-liberal?
Mão-de-vaca, comecei a fazer cálculos, relutante em sustentar a gatinha com cama, mesa e banho, remédios e vacinas. Até duvidei de sua fidelidade, pois tinha hábitos noturnos, como outras gatas por aí. Porém, embora capitalista insensível, à noite matutei sobre o nome que lhe daria.
Sim! A batizaria de Xantipa. Era como se chamava a esposa do filósofo grego Sócrates, o qual preferia estar no meio de jovens, discípulos e amigos, em vez de cuidar da mulher e dos filhos. É compreensível, pois ele tinha lá sua missão...
Lembro de um tio que era apaixonado por uma loira de olhos azuis. Toda noite ela o procurava. Cúmplice, ele deixava aberta a basculante do banheiro, e ela adentrava pra lhe fazer companhia e alegrar o seu lar, bebericando uma taça de leite. Filósofo, meu tio homenageou sua loira com o nome da esposa de Sócrates. Histórias sempre se repetem e também acabam no final. Xantipa, companheira de meu tio, da mesma maneira que o filósofo Sócrates, morreu por causa do veneno.
Um acontecimento me deixou espantado, e fez com que mudasse meu conceito a seu respeito. Certo dia servi-lhe iscas de tilápia. Tive a intuição de que ela adorava peixe. Para minha surpresa, ela não comeu. Mas bastou uma distração e ela recolheu a comida e se deslocou para um lugar qualquer. Matutei: será que tinha filhos? Até desconfiava, pois suas tetinhas andavam meio caídas. Três criaturas brotaram do escuro da noite. Observei, de longe, para não espantar a novidade que surgia diante dos olhos.

Eu não conquistara apenas uma gata. Era ela e três filhotes. Mas eis que, agora que todos fomos apresentados, surge o primeiro drama. Durante o ano planejei uma viagem. Mochila às costas, pouca grana, vontade de conhecer uma aldeia qualquer. Adiando o sonho maior de juntar grana suficiente para conhecer Atenas, a cidade onde o grande filósofo fez história... E agora, enquanto eu viajar, quem vai alimentar e matar a sede de Xantipa e suas crias?

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Quem é você?


Quem é você? Que reza e espera, que fisga e foge, que hoje amolece e amanhã silencia?
Quem é você? Que sonha e delira, que ri e ironiza, e dengosa me inspira?
Quem é você? Que me seca a garganta, que encharca meu lábio, que roubou meu tesão?
Quem é você? Que calou minha boca, que esvaziou os meus papos, que povoou meu mundinho?
Quem é você? Que deixa mensagens, que se insinua, que meus sonhos remexe, e desaparece?
Quem é você, que arruma o cabelo, passa creme no corpo, e sofre pra varrer as espinhas que molduram teu rosto... Quem é você??

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)
Imagem do site http://www.equilibrioemvida.com/2015/12/16-ilustracoes-que-retratam-o-pior-lado-da-sociedade/.

De marca do


não sou ninguém homem marca parte de um todo nenhuma parte todos os gêneros estranho número amarrado à teia enlaço estranhos nós de marca do por todo lado me sinto só

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)
* Imagem do site http://www.equilibrioemvida.com/2015/12/16-ilustracoes-que-retratam-o-pior-lado-da-sociedade/

Todo mundo sabe


Todo mundo sabe que sou louco. Pais, amigos, até o padre da província. Louco, quando não estranho as minorias saírem da caverna em busca do sol. Quando não me zango com casais homo e hétero passeando numa boa, falando da disparada do dólar, da nova cor do cabelo ou do pôr-do-sol.
Todo mundo sabe que sou louco, quando olho com desdém àquilo que é normal, e medito guiado pelos cavalos alados que conduzem minha carruagem, numa cruzada pelo espaço sideral. O ar que vagarosamente sai e entra de meus pulmões é uma luta corporal pela escolha entre a razão e a sabedoria, ou a preguiça e os vícios, atento a tudo o que disse o filósofo.
Todo mundo sabe que sou louco, quando fico paralisado a observar, no meio da balada, a máscara por trás de um rosto.
Louco, em vez de fake ou ghost, pateta que conversa com os postes da avenida. Louco, como a lâmpada preguiçosa no alto do poste, com pouca vontade de luz.
Louco, digo que todas as coisas são fingidas, como a lua que, nesta altura da noite, escala o prédio em frente e se aproxima para dividir comigo suas manias.
Não sou ghost nem fake. Apenas trituro meu tempo no vídeo-game e no face, devorando páginas de humor que desdenham da seriedade dos mortais.
Louco, que não tem tempo para pirar de vez. Para o desconsolo das autoridades e das forças débeis da cidade.

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Grave

Começa janeiro e as cigarras estão graves. Sua voz, sua ânsia e som. Grávidos, como outros janeiros e a gestação do ano novo. Cigarras vêm e passam, são e deixam de ser, enquanto vivo por aqui com esse medo louco de morrer. 
Chegou janeiro e as cigarras estão grávidas. Elas devem morrer pra vida continuar...
Amigo, pensas que hoje o poeta anda melancólico. Mas não. Ele apenas observa a realidade. Com toda a gravidade que ela nos dá.

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Anônimos, sejam menos explosivos


Graças a Deus estou vivo, tanto que ouço fogos alucinados dos anônimos da cidade nesta virada de ano. Não se perguntam " o que é o tempo?". Apenas seguem a troca do calendário. Vivem a rotina do despertador, que os escraviza  a cada manhã na corrida em busca do possível. Abrem mão de velhos desejos, fazem tamanho sacrifício para que sobre uns trocos, investidos na explosão do novo ano. 
Aonde estamos? Cada rojão deve custar um livro. Que bem podia ser dado de presente. Ou doado. 
Anônimos fazem tanto barulho, e ninguém sabe quem são. Endereçam pedidos a Deus, num céu estrelado de indiferença e silêncio. Fogos de artifício talvez sejam artifício,  talvez joguem umas tintas na insensibilidade cotidiana. 
Sobras e migalhas, cara cheia do barato espumante, e o porre que passa na mesma velocidade do entusiasmo e da promessa de que este ano será de fato um novo ano. 
Minutos depois que a convenção marcou a troca de ano, tudo se acalma, anônimos esquecem os fogos e se empanturram de lentilhas, porcos e frangos. Sorrisos, vivas, cumprimentos e arrotos entusiasmados. 
Ah, o dia da virada marca a superioridade do bicho-humano sobre o bicho-bicho. A guerra não se dá apenas entre sapiens e sapiens. Inventamos a pólvora também para bombardear um dos pontos fracos dos animais: seus ouvidos. 
Em vez de explodir a frustração e os desejos reprimidos com o espocar de fogos, anônimos bem que podiam investir em outras coisas, como coçar as bolas ou enfiar os artefatos bem no meio... (Aqui, fica por conta da tua imaginação...).

Não solte fogos, meu irmão. Bichos também sofrem pelos ouvidos, e as explosões não curam tuas angústias, ódios e medos.
Tanto barulho passageiro não vai te libertar do inevitável silêncio... E do compromisso de estar durante os próximos 365 dias frente a frente com o outro, seja vizinho, rival ou patrão, e de tantos outros bichos - domesticados como você, ou não.
No final de 2016 não solte mais fogos meu irmão!

(Teco, o poeta sonhador, em: De bichos & gentes)
* Fotografia de Ângela Tamara Nunes Doebber, incansável na luta pela proteção e amor aos animais.

Clipe