Amor ou humor?



Em alguns momentos “anormais”, em que tudo foge do previsto, aquilo que gostaríamos que acontecesse, buscamos um consolo (ou desculpa). Para dirimir a frustração, dizemos: “Eu tive um pressentimento de que isso ia acontecer”. Nessas horas “rir é o melhor remédio”. Érico Veríssimo afirmou que “em certos momentos o que nos salva nem é o amor, é o humor”.
***
Um adolescente, aluno do Ensino Médio, me contou como faz para gabaritar as provas de Ensino Religioso. Dentre as alternativas para as questões, escolhe sempre respostas que agradam a professora, tais como: “Eu amo Jesus”. “Quando eu crescer, quero ter fé em Deus”. Nada de questionamentos existenciais, do tipo: “De onde vim?”, “Para onde vou?”. Ou perguntas mais radicais, tais como: “Se Deus nos ama, porque permite tanta violência e pobreza no mundo?” E acrescenta:
- Se eu disser o que penso, que é mais ou menos “Foda-se isso! Foda-se aquilo!”, ela vai me mandar sair da sala de aula e ir direto pra coordenação da escola.
Perguntei-lhe, então:
- Você fica angustiado e infeliz, por ter que dizer o que agrada à profe, e te garante passar de ano sem pegar exame?
- Não. Até que não sofro. Tanto é que estou aqui contando e rindo desse fato. Obter nota alta ou não numa disciplina não vai resolver minhas dúvidas sobre crença religiosa.
Aproveitando a deixa, falei-lhe da estreita relação entre liberdade de expressão e responsabilidade, e também de que não há sociedade e (óbvio) escola sem uma certa repressão. Daí a importância de abrirmos espaços para o humor; rir de determinadas situações, usando-as como válvulas de escape para nossas frustrações.
Além do humor, há a possibilidade da ironia. O que não podemos aceitar é a visão simplista de que no mundo existem apenas duas possibilidades: de que ou estamos certos ou estamos errados, e de que os outros, que pensam diferente de nós, são nossos inimigos.
Rir dessas situações. Sim. O que mais nos “salva” nessas horas é a ironia e o humor.
Tudo bem. Há momentos em que temos que escolher entre A ou B, em vez de ficar em cima do muro. Mas no exercício do pensamento, da reflexão, deve haver mais de duas possibilidades.
O Mais importante é não abrir mão da dúvida, de desconfiar de nossas verdades “cômodas”. O pensamento científico, por exemplo, progride porque os cientistas desconfiam, duvidam e testam suas teorias e conhecimentos.

***
A conversa que tive com o adolescente voltou à lembrança nestes dias, com o atentado ao jornal francês. Um dos temas, de novo, é “liberdade de expressão”. O que podemos falar publicamente, assumindo o risco de sermos escolhidos como inimigos dessa ou daquela ideologia – inclusive inimigos da “palavra de Deus” (ou inimigos dos que acreditam e agem “em nome” de determinada divindade).
Parece que caminhamos pra tudo quanto é lado, inclusive para trás. Mas o pior é que aqueles que têm certeza de qual é o verdadeiro caminho a seguir, que nos leva “para frente”, são os fanáticos, e esses são os mais perigosos à vida, pois matam em nome de “verdades” para eles absolutas.

Rindo ou chorando, considero que vivemos numa época em que os passos da humanidade, diferente do andar do caranguejo, são absolutamente imprevisíveis.

Clipe