Puxando conversa - Mario Prata

Já notou como brasileiro gosta de puxar conversa? Em qualquer lugar, a qualquer hora. Tá lá uma pessoa quieta no seu lugar, logo vem o brasileiro tentando puxar conversa. O brasileiro não consegue ficar só na dele. Quer ficar na do outro ou outra, também.
E isso é coisa de brasileiro mesmo. Americanos, latinos e europeus não estão nem aí. E ainda ficam invocados quando a gente se mete a besta com eles. Me lembro quando estava morando em Portugal, minha irmã Ruth, comigo no bingo, tentou puxar conversa com uma portuguesa que estava na mesa. Nada mais natural, brasileiro. Depois de duas perguntas sem resposta, a portuguesa pegou a sua bolsa e, indignada, se mandou. E tinha razão. Quem era aquela gaja que queria saber se ela era de Lisboa mesmo, se ela ia sempre ao bingo, se ela já tinha ganhado alguma coisa?
Tinha razão a lusitana.
Mas a gente gosta de puxar um papo. E o mais doido é que o outro ou a outra (em sendo brasileiros) sempre entram nesse nosso assédio amigável. E o brasileiro já desenvolveu assuntos para todas as situações.
No táxi, por exemplo, é moleza: "Frio, hein?"
Basta isso para que o taxista fale duas horas. Sem parar. Ou: "Trânsito, hein?"
No spa, basta a sucinta pergunta: "Quantos quilos, já?", para que a gorda e risonha amizade seja logo consolidada.
Na fila do banco, não precisa nem falar. Basta fazer um ar de tédio, de saco cheio, balançar um pouco a cabeça que a conversa já foi puxada.
Se não der certo, pode tentar um "já notou que a fila da gente nunca anda?"
No campo de futebol, balance a cabeça e diga: "Esse cara é burro!" E pronto. Concordando ou discordando, o torcedor ao lado já é seu íntimo.
No bar, para a garota do lado: "Já notou que todo garçom é surdo?"
Na sala de espera da maternidade: "É o primeiro?"
No cartório, com aquele papelzinho numerado na mão: "Eu não acredito!"
Na Internet: "Tem alguém aí?"
No ponto de ônibus: "Demorar não é nada; o pior é que vem cheio."
Olhalá!
Você também pode começar uma conversa civilizada mostrando uma fita cassete e dizendo: "Se você abaixar o nível, eu mostro!"
Tem gente que ainda usa o "eu não te conheço de algum lugar?" E tem gente que cai nessa.
(...)
No elevador, o tempo é curto e o começo de papo não deve ir além do calor que está lá fora. Nunca pergunte, por exemplo, sobre política ou religião. Aliás, não existe nada pior do que a religião para puxar conversa. Geralmente, ouve-se, do outro lado, um muxoxo que é, segundo o Aurélio, aquele estalo com a língua e o céu da boca, por vezes acompanhado da interjeição ah, para indicar desprezo ou desdém. É, nada pior do que um muxoxo quando a gente quer puxar conversa.
No avião: "Mora lá ou aqui?"
(...)
Me lembra o jovem do romance Encontro Marcado, do Fernando Sabino, parando uma moçoila na rua:
- Sozinha?
- Não. Com Deus.
E ainda aquele bêbado que entrou num velório e perguntou para um desconhecido:
- Morreu do quê?
- Suicídio.
- Tiro?
- Veneno.
- É bom, também!

Clipe