Aqui é meu lugar


Guri de uns cinco ou seis anos. Pés descalços, montado num cavalo enorme. Cruzou diante de minha casa. Ao me ver boquiaberto, disse:
- Vou dar a volta e subir correndo!
Parecia um bonequinho montado num dinossauro. Poderia cair. Preocupei-me.
Que nada. Deu de rédeas no cavalo e subiu a rua num trote medonho. 
Isso me alegrou, uma cena incomum num final de sexta-feira. Aplaudi, “bravo!!”, e o guri disse que ia trotar de novo... Eu falei:
- Não precisa, você é demais!
Estas cenas enchem meus olhos, e me fazem cravar raízes por aqui. Pouco tempo atrás desejei ir embora de Ijuí, apesar dos fortes laços com esta cidade. Não nasci aqui, vim para cá há uns vinte e poucos anos. Mas me considero ijuiense. Outra perspectiva de trabalho, outros amigos, tive a oportunidade de mudar para o norte do país.
Na ocasião, rabisquei um poema para enviar aos amigos, como justificativa e despedida. Um trecho dizia mais ou menos assim:
"Não quero ser camponês
apegado ao velho chão
quero ser é marinheiro 
e explorar outros mares, 
marejar triaventuras
e respirar novos ares...
Talvez as linhas da mão
e uma bela cartomante
mostrem a melhor trilha
pra fugir de minha ilha
e mudar meu horizonte...
Sentirei falta do mate
da companhia do meu filhote
compartilhar histórias e livros
com todos os meus amigos.
Meu consolo é assim:
Vou, querendo ficar
Fico, querendo ir...
Estudei o mapa do país
dos rincões até as praias.
Preciso encontrar meu norte
antes que a casa caia!"
Foram vários os motivos que me fizeram fincar pé por aqui. Alguns eu tinha consciência na véspera. Outros eu percebo agora. Um dos grandes motivos que amarram meu cavalo em Ijuí são estas cenas urbanas, como a do guri, no começo desta história, que certamente não verei em nenhum outro lugar. 
Minha vinda a Ijuí deu-se, principalmente, para fazer um curso superior. Na época a Unijuí há pouco iniciava seu percurso como universidade. Porém, a Fidene já tinha uma bela trajetória (desde a década de 1950) como Faculdade de filosofia. Nestas décadas todas a Unijuí formou professores do noroeste gaúcho, oeste catarinense e sudoeste do Paraná. Nestas regiões, hoje se situa a Universidade Federal da Fronteira Sul. Regiões que antes não haviam sido adotas pelo Estado. Temos que reconhecer o esforço que a comunidade fez, com a instalação do Ensino Superior em Ijuí e região. Sabemos, hoje, como na época Ijuí estava à frente de seu tempo. 
Falando nisso, hoje, em nossa região, ainda estamos à frente ou poderemos ser deixados para trás, por outros municípios?
A criação de um campos da UFFS significa colocar Ijuí como um polo cultural, acadêmico e científico, no mesmo nível como temos em saúde. Penso que uma Universidade Federal em Ijuí, em vez enfraquecer, vai fortalecer ainda mais as universidades particulares, como ocorre em Chapecó, Erechim, Passo Fundo e Santa Maria. Em vez de tantos e tantos jovens (do sul do Brasil e até de outras regiões) se deslocarem para outras cidades em busca de Universidade Pública, poderemos atraí-los para Ijuí. Isso efetiva ainda mais aquela ideia de universalidade, o que é a “essência” da universidade. E isso vai se somar a tantos outros investimentos em outras áreas, que colocam Ijuí com um privilegiado Índice de Desenvolvimento Humano.

Clipe