AMADA LEITORA


Minha querida leitora, Senhorita (ou senhora) Rose. Toda vez que tento escrever poesia, me vem à memória um poema do Manuel Bandeira, cujo título é Nova poética. Diz o poema, na íntegra:

Vou lançar a teoria do poeta sórdido.
Poeta sórdido:
Aquele em cuja poesia há a marca suja da vida.
Vai um sujeito,
sai o sujeito de casa com a roupa de brim branco
muito bem engomada, e na primeira
esquina passa um caminhão, salpica-lhe
o paletó de uma nódoa de lama:
é a vida.
O poema deve ser como a nódoa no brim:
fazer o leitor satisfeito de si dar o desespero.

Sei que a poesia é também orvalho.
Mas este fica para as menininhas, as estrelas alfas, as
virgens cem por cento e as amadas que
envelheceram sem maldade.

Querida leitora. Se você for ler A metamorfose, do Kafka, vais ficar mais familiarizada com os insetos... No caso do Kafka, o personagem vive o drama de ter-se transformado numa barata! A essa literatura muito é comentado... Pode ser chamada de realismo fantástico, ou surrealismo. Está muito próxima da psicanálise, a “ciência do inconsciente”. Um grande escritor da atualidade, Gabriel Garcia Marques, vai nessa direção, por exemplo, nos Cem anos de solidão. Embora seja complicado enquadrar esses ícones da literatura em alguma escola, ou teoria...

Mas não pense que o TECO esteja se colocando à altura daqueles que citou. Ainda estou na fase de brincar com as palavras, como fazem as crianças... Aliás, enquanto pequenas as crianças não tem medo/nojo dos insetos, aprendem a ter medo com os marmanjos... De qualquer maneira, como fez o Kafka, em que seu personagem tinha uma vida “de inseto”, a literatura (ou toda a nossa vida?) lida muito com as metáforas e as alegorias, inclusive as imagens que usamos.

Aliás, O MUNDO DAS IMAGENS que perpassa nossas vidas necessita de uma reflexão mais aprofundada. Recomendo que você leia o Zero Hora de domingo, 30/11/2008, as reportagens do caderno Donna, que falam que fotografar e filmar viraram mania cotidiana.

O que isso significa, nos dias de hoje?
Vou dar um exemplo que vivi, dias atrás. Estava numa apresentação do colégio onde estuda meu filho, quando as crianças e professores fizeram lindas apresentações artísticas para os pais e comunidade em geral. Enquanto as crianças faziam suas apresentações, muitos pais (havia mais de cem máquinas em punho!) faziam malabarismos para obter a melhor imagem, melhor ângulo – o de seus filhos, é claro! Na hora fiquei me perguntando se eles estavam DESFRUTANDO algum prazer estético com o que assistiam, ou se desejavam apenas registrar para o futuro aqueles momentos. Fiquei pensando se eles não confiam na memória, têm medo de esquecer o que viram...

Leio o texto da Martha Medeiros, no caderno que citei acima, e ela fala mais ou menos isso. “Se você não documentar suas experiências e emoções, elas deixam de existir? Você deixa de existir? Não deveria, mas dá a impressão que sim.”

Aposto muito mais nas imagens que se tornam fortes lembranças, por causa da emoção e sentimento que vivi, quando dei de cara com elas. O que vemos, de maneira intensa, até brutal, é a BANALIZAÇÃO da vida, através da imagem. Exemplos: as tragédias, como a morte da menina que foi jogada do apartamento, em S.P. e, agora, das enchentes em Santa Catarina. Creio que o mais importante não é a imagem em si, mas o fato de vive-las com sensibilidade e, principalmente, podermos interpretá-las... Eis aí o grande desafio... A propósito, essa enxurrada de fotos das tragédias em Santa Catarina despertam nossa sensibilidade para a SOLIDARIEDADE, que é algo fundamental nos dias de hoje, onde há intenso narcisismo? Além das questões ambientais e de organização dos espaços geográficos/urbanos (tanta população ocupando as margens dos rios são um apelo à tragédia, mais cedo ou mais tarde)...

Como poeta sonhador, persigo a imagem poética, que são as metáforas e alegorias, e aí até as baratas podem posar pra foto!

Abraço do TECO.

Clipe