Mais um sonho


Tentar despertar sonhos noturnos para libertar o imaginário se parece com a libertação de um passarinho da gaiola. O bicho tem medo de se libertar porque é nosso prisioneiro, e não o queremos ver partir porque nos tornamos seu refém.

Pode ser obra do imaginário, ou qualquer coisa absurda, mas sou ingênuo a ponto de acreditar que há no meu inconsciente um Outro Eu, que me manipula, como se eu fosse um fantoche. Mas confio Nele, a ponto de acreditar que Ele pode dar as respostas para as perguntas que não consigo responder.
Às vezes imploro a esse “Eu mais profundo” para que me ajude a me libertar, a fazer uma escolha num universo cheio de possibilidades, que me tire a sensação de me sentir preso numa gaiola.
Dia desses fiz um pedido aos meus sonhos. Vocês podem rir mas, ultimamente, meus pedidos se resumem a obter uma visão mágica de números que me façam acertar no jogo do bicho.
Como a pressão para tomar uma decisão era intensa, pedi ao meu Daimon para que me trouxesse uma luz, me ajudasse a escolher, entre: mudar de vez daqui e ir morar no norte do país, para materializar um grande amor que conheci pela internet e também para ter uma profissão mais digna, ou permanecer próximo de meu guri e de meus atuais amigos.
Relaxei, meditei, pedi com tamanha intensidade, que naquela madrugada recebi uma resposta através de um sonho. 
Estávamos, eu e meu filho, caminhando por entre as árvores de um bosque, quando nisso uma enorme sucuri atacou o menino. Desesperado, ele gritou para mim:
- Papai, me ajude!
Agi igualzinho ao Ulisses, da Odisséia. Peleei com toda a valentia, porque me sentia entre a vida e a morte, e tinha uma grande missão a cumprir.
Derrotei a cobra e libertei o menino.

Acordei assustado, e durante todo o dia permaneci atordoado com aquela mensagem do sonho.
Mesmo atordoado, não vacilei naquele dia em jogar na “cobra”. Só jogo no primeiro dia porque, com o passar do tempo, a rotina me conduz ao esquecimento, e eu deixo tudo como está.
Acreditem, o número da cobra saiu dois dias depois. Deu na cabeça e no milhar!

Não tenho sorte no jogo. No amor, pelo que eu me conheço, com o passar do tempo e com a rotina, tudo permanece como naquela música, do Benito de Paula: “Tudo está no seu lugar, graças a Deus, graças a Deus...”

Hoje, em vez de pedir respostas ao meu Daimon, eu rezo para que ele me ajude a segurar meu amor distante, como a Penélope da Odisséia. Que ela continue a tecer e desfazer o manto dos seus sentimentos, afugentando os pretendentes que querem roubá-la de mim.

Múltiplo sorriso - Heloisa Seixas




Pendurou a última bola na árvore de Natal e deu alguns passos atrás. Estava bonita. Era um pinheiro 
artificial, mas parecia de verdade. Só bolas vermelhas. Nunca deixava de armar sua árvore, embora as 
amigas dissessem que era bobagem fazer isso quando se mora sozinha. Olhou com mais vagar. Na luz 
do fim da tarde, notou que sua imagem se espelhava nas bolas. Em todas elas, lá estava seu rosto, um 
pouco distorcido, é verdade – mas sorrindo. “Estão vendo?”, diria às amigas, se estivessem por perto. 
“Eu não estou só.”

Contos mais que mínimos. Rio de Janeiro: Tinta Negra, 2010.

Quando alguém morria - Hélio Ricciardi


Marieta dizia, com ar
profético,
quando alguém morria:
- O Senhor o chamou para
seu Reino da Glória.
E eu logo me punha a rezar e
a rezar
para que ele não me
chamasse ao Reino
e me deixasse sem Glória
alguma,
perdido por essas ruas,
seus luares
e seus bares.

Jornal Zero Hora de 21/06/2012.

O incêndio no shopping - curto-circuito dos argumentos


Agosto de 2012 anda estranho. Não apenas essa primavera temporona. Mas também outros eventos, inclusive o incêndio do shopping de Ijuí. Não apenas o incêndio, mas também o texto de Allana Willers, "Não basta apagar o fogo" (no portal www.ijui.com), e da avalanche de comentários que ele suscitou.

Ao ver a foto no jornal Zero Hora do dia 20/08/2012, na sessão “Foto do leitor”, onde um pássaro “pesca” um peixe, não pude deixar de fazer uma relação com o texto e alguns comentários – um deles em especial.

A natureza não nos surpreende com sua dinâmica (e suas cenas). Nada há de errado em uma ave caçar e devorar um peixe; lagartos comerem cobras; aranhas comerem insetos; nós comermos a carne da vaca e os vermes nos devorarem quando passarmos dessa para outra.

Isso faz parte de um processo (ciclo da vida?) que a biologia explica. Mas na vida social, podemos tratar o outro “feito bicho”?

Qual o limite, o sinal amarelo, que nos indica o que podemos dizer ou não publicamente, com relação aos argumentos dos outros, de cujas ideias não concordamos?

Diz um comentário ao texto, que cito aqui:  
"FELIZMENTE PARA TODOS, ELA ESTÁ NO "PRIMEIRO SEMESTRE" DE JORNALISMO, AINDA PODE REVER OS CONCEITOS E TROCAR DE CURSO. QUEM SABE ARTES PLÁSTICAS, OU PRENDAS DOMÉSTICAS, TRICÔ E CROCHÊ. ALGUMA COISA ENFIM, QUE NÃO TENHA A OPORTUNIDADE DE ESCREVER OU FALAR PARA O PÚBLICO".

Quem o escreve parece indicar algo do tipo: “Se eu pudesse, eu te jogava aos leões, ou te devoraria eu mesmo!”

Ora, isso mostra que pisoteamos o espaço da argumentação e partimos para a guerra, com o propósito de eliminar quem não pensa como a gente.

Esse fenômeno é comum no Brasil atual, em que a democracia é uma criança que está tentando aprender a engatinhar – o vemos quando percebemos que ainda não temos uma ETIQUETA de bons modos a respeito de como nos comportar e argumentar no espaço público (virtual ou não).

Muitas vezes não sabemos diferençar bom senso, gentileza, de grosseria, argumento razoável de falácia, etc.

Essa imaturidade (e ingenuidade) de nossa democracia transparece também nas redes sociais, por exemplo no facebook. Muitos citam frases, pensamentos de motivação e/ou auto-ajuda, “assinados” por grandes poetas, escritores ou pensadores. Eles nunca escreveram isso, mas nós, por não conhecermos sua obra, os fazemos circular publicamente, achando que estamos prestando um grande serviço à humanidade.

O fenômeno está ligado ao que eu venho experimentando atualmente, com o imenso espaço público de argumentação de que disponho na internet: blog, twitter, Orkut, facebook... Me preocupo, diante disso: o que falar (postar) para ser visto, comentado, lembrado?

Aqui vejo a necessidade de inventarmos uma etiqueta (ou regras) que nos indiquem quando o sinal está amarelo, nos alertando para que não o ultrapassemos. Invadir o sinal vermelho seria confundir a emoção e o desejo (individual) com argumentação (pública).

Luis Fernando Verissimo escreveu uma crônica (Microfone escondido) que chama a atenção para essa relação do público e do privado. Um casal, que morava num apartamento, teve um dia a idéia de colocar um aparelho de escuta dentro do elevador do prédio. Assim eles podiam ouvir as conversas dos casais seus amigos, que os visitavam, ouvindo-os na chegada e também depois que se despediam. Obviamente, as conversas no elevador, sobre esse casal, não eram as mais elogiosas...

Depois de algumas experiências na escuta de vários casais amigos seus, e da decepção decorrente da descoberta sobre o que comentavam deles, o casal decidiu desligar aquele aparelho bisbilhoteiro, porque, senão, todos os casais seus amigos se tornariam inimigos. 

 A linguagem é pública, cultural e social. Se não cuidarmos dela, se não prestamos atenção no que dizemos a respeito dos outros, corremos o risco de tornar o convívio social um inferno, jogando assim a democracia aos leões.

Areia e espuma - Gibran Khalil Gibran



A verdade da outra pessoa não está no que ela te revela, mas naquilo que não pode revelar-te.
Portanto, se quiseres compreendê-la, não escute o que ela diz, mas, antes, o que não diz.

***
São necessários dois para descobrir a verdade: um para enunciá-la, o outro para entendê-la.

***
Brinquemos agora de esconder. Se te escondesses no meu coração, não seria difícil encontrar-te. Mas se te escondesses atrás de tua própria casca, então seria inútil procurar por ti.

***
O paraíso está aí, atrás daquela porta, no quarto contíguo. Mas perdi a chave. Talvez a tenha apenas posto fora do lugar.


Espinho de cacto





Estou longe de ser um Cristo, mas também me cravaram na alma, dia desses, espinhos verbais. Então, para desestressar, resolvo fazer uma faxina no pátio de casa, e acabo sendo ferido por um espinho de verdade! E de cacto!
Isso aconteceu porque eu não ando com os pés no chão. E minha cabeça gosta de se embalar na rede das nuvens. 
Nem percebi que, mesmo espinhoso, o cacto também se deixa levar pela (mu)dança das estações, seus galhos (ou folhas?) caem no inverno. 
Embora minha vizinha tenha me alertado para o perigo de ser ferido por um espinho de cacto, e de que essa planta não serve para nada além de nos ferir num momento de distração, eu sempre deixo pra lá, pensando nos propósitos elevados que levaram a abrir um buraco e (trans)plantar o cacto ali. 
Juntava as folhas do chão, colocava num saco para jogar nos fundos do pátio, e então senti a agulhada: o espinho atravessou a pele de meu dedo indicador da mão esquerda, penetrou pela diagonal, até cutucar o osso. 
Maldita distração! Maldita dor! 
Agora eu precisava arranjar uma agulha. Desde o curso de artes domésticas, há muito tempo, eu não sei onde foram parar agulhas e botões. Peço agulha emprestada à minha vizinha. Dói muito, porque o espinho chegou até o osso. Toda vez que dobro o dedo, uivo de dor. 
Mas a dor maior é a das palavras. Como sou canhoto, e o dedo ferido foi o esquerdo, imploro para que ela me ajude. Ao mesmo tempo que cutucava o espinho de cacto, ela dizia: “Espinho de cacto é perigoso! Ele caminha. Se não arrancar pode virar câncer!”. 
Comecei a suar frio. Senti aquela dorzinha na nuca, prenúncio de desmaio. Me esforcei para não passar vergonha, porque “homem não chora”, “homem não desmaia por qualquer coisinha”. 
Eu precisava fugir das habilidades manuais e verbais da vizinha. Pensava agora em buscar ajuda no pronto-socorro! Mas tinha receio de ser ridicularizado na sala de espera. Imaginem, um homem desse tamanho buscando ajuda médica para arrancar um espinhozinho! 
Então, deito no sofá durante alguns minutos, para pensar no que fazer. Claro! Irei ao posto de saúde do bairro, que fica a algumas quadras de casa... 
Pensei: pra que me martirizar, lá as enfermeiras terão os instrumentos adequados para extrair o espinho, vai ser questão de minuto... Com a vantagem de receber alguma atenção e um curativo carinhoso no final. 
Quem me atende é um enfermeira bonitinha, que logo vai desinfetando o ferimento, enquanto dispõe sobre uma mesa várias pinças de diversos tamanhos. E pede a uma colega para que traga uma lanterninha para ver melhor o espinho. 
Eu duvidei, para mim mesmo, de que aquelas mãos macias fossem conseguir arrancar meu espinho. Mas bastou ela colocar as luvas com seriedade cirúrgica para que minhas dúvidas se dissipassem. 
Eu repetia para mim mesmo: “Respire fundo, não demonstre dor, não desmaie, não faça fiasco!”. 
A operação foi demorada. 
Numa seqüência, a enfermeira usava agulha, limpava, usava pinça, desinfetava... Às vezes eu não conseguia conter meus gemidos. Mas, muito macho, não pedia para que usassem um anestésico. 
A enfermeira pedia para que eu respirasse fundo e devagar. 
Depois de alguns minutos e do insucesso, ela partiu para o plano B: tentar tirar o espinho usando uma seringa (sem agulha, claro). Tentou com uma pequena, mas não deu certo. Agora era assim: agulha, limpeza, pinça, limpeza, seringa, limpeza... 
E então, heureca: a enfermeira busca uma seringa enorme. 
Começo a verter suor frio. Perco a noção do tempo. Aquilo parece uma eternidade... 
Baixo a guarda e peço um copo d ‘água. Pressinto que as duas riem da minha cara... 
Na próxima seqüência, tudo se resolveu. Numa investida impaciente e agressiva com agulha, a moça deu um grito: “Ele saiu, eu vi!”, “Ele saiu, juro que vi!”. E a outra: “Sim, o espinho bateu no meu braço e depois cravou no teto!”. 
Radiante de alegria, a enfermeira comenta: “Ganhei o meu dia! Fiz alguém sofrer!”. 
E eu - fiasquento como sempre - retruco: “Toda essa operação me pareceu um parto!”. 

De novo na tranqüilidade do meu lar, eu penso sobre o que dói mais: os espinhos das palavras mal ditas, ou os espinhos de verdade mal vistos.

Clipe