POR QUE FUJO






Não me pergunte por que fujo. Não suplique respostas. Faço-o, simplesmente. Tornou-se acontecimento oficial, que resguardo de qualquer autocrítica.

Afastar-se dos laços costumeiros e inquestionáveis, como tomar banhos frios por alguns dias. Fugir para dizer que não quero depender de amarras e de currais.

Não me pergunte Desde quando você age assim?

Só sei que sofro e me sinto bem. Nem adianta você dizer Você é doido, sabia?

Fugir é um estilo de vida. rejuvenesce alegria e tristeza.

Estou viciado em fugir. Vício que se apossou de mim. Tem seus ápices, delírios, e depois a melancolia baixa e cobre tudo.

Como passou a fazer parte de minha vida, não sei.

Devo estar exausto de tua voz. Das curvas de teu corpo. Perderam-se os labirintos, foi-se o mistério. Restou Deve-me obrigação e respeito!

Entendo as convenções sociais, mas fugir dá um prazer bucólico, que não quero compartilhar. É meu segredo. Minha caixa preta.Tua simplicidade cotidiana não preenche as lacunas da solidão.

Aí você diz Eu me esforço, sabia? Entendo, embora seja um engodo perseguir a paixão, deixada por teu vácuo, nas noites acesas de encontros embriagados, lá onde teu lamento estonteou-se na contramão.

Investiga-se a caixa preta e descobre-se que não me vês da maneira como te vejo.

Traduzo-te numa linguagem sensual. A língua e a cama, com símbolos infinitos, numa linha pontilhada de sinais extraviados pela asneira do dia-a-dia. Frases decoradas, gramática inútil, no fundo de tua boca.

Você me vê O homem da minha vida, O único que amei... Mas essas etiquetas usuais não me convencem. Não são alavancas suficientes para me fazer rastejar montanha acima.

Sabes que não te vejo assim. E é por que te vejo diferente que necessito fugir. Sei entortar as grades, pular o muro. Sou expert nos detalhes, que planejo no horário de visita, quando a truculenta insônia vem dar Oi.

Clipe