RETROSPECTIVA


Arte - Magritte

Queridos leitores. O blog completou seu primeiro ano e, nessa caminhada, nos ensinou algumas coisas: postar poemas a leitores imaginários e de gostos variados tornou-se um exercício inspirador. Porém, o que mais nos deixa compromissados são as palavras dos leitores. É um compromisso tentarmos uma aproximação com suas expectativas e preocupações.

Fazer com que o exercício da escrita se torne mais intenso, acredito, depende de ouvirmos as vozes e os ecos dos que nos acessam. E as vozes se multiplicam e soam mais alto quando o poema fala de nossas experiências amorosas. É chegado o momento do poeta multifacetar-se, desdobrar-se nos mais variados planos subjetivos, para capturar e traduzir seus ecos sentimentais.

Descobri, no decorrer deste ano, que o poeta é, às vezes, sonhador, outras vezes gozador e, outras mais, é poeta fingidor, no sentido pessoano: “O poeta é um fingidor/ finge tão completamente/ que chega a fingir que é dor/ a dor que deveras sente...”.

Nossas dores de amor, creio, não têm cura a não ser pelas palavras. Assim, a poesia é nosso divã.

Vários e-mails dos leitores sussurram ao poeta suas aventuras e dramas, sucessos e percalços nos descaminhos do amor. E o poeta sente que deve compartilhar o que sente em meio às dobraduras da vida. Por isso, de acordo com a necessidade, vamos escancarar as portas de nosso consultório poético, para resgatarmos o percurso de nossas aventuras amorosas, visando melhor compreende-las.

CANSADO DE FUGIR


Seu nome é John. Movido não sei se por respeito ou cumplicidade, ele me envia um breve e-mail resumindo o que fez e o que deixou de fazer como aprendiz do amor, ora enredando-se, ora escapulindo, nas teias de façanhas e culpas, no ano de 2008.

Em linhas gerais, diz que se esforçou para ser compreensivo, como ele acha que todo amante deve ser. Porém, assim que a janela de uma nova aventura se abria, era pressionado pelo medo e, covarde, apressava sua fuga. Todas as vezes a dona Razão convencia-o de que aquele amor seria breve e resultaria em fracasso.

Duas coisas John percebeu e relatou-me: está repetindo, para cada novo amor, os mesmos atos. Em segundo lugar, essa atitudes deixam-no infeliz. Completa, para finalizar: “como poderei, poeta, superar essa situação, se ‘estou cansado de fugir de quem me segue, e de correr atrás de quem foge de mim’”?

***


Ufa, John! Trezentos e sessenta e cinco dias em busca de aplausos, esbarrando nos diversos cenários e figurinos!

Nós dois sabemos, há tempos, o que insinuam os cínicos: “Capriche, faça de conta que estás vivendo o último dia de tua vida!”

Comediantes, dizem-se indiferentes à comédia. Preferem assistir, na primeira fila do cinema, filmes de suspense e de tragédia. Não creio que, no seu íntimo, torcem pra mocinha, em vez da vilã.

Para contrabalançar o stress e correr em busca de elogios, o melhor a fazer é sentar sóbrio no bar, num papo sério, sobre futebol e política, com os ébrios. Na mesa do bar não deves cometer o acinte de quintuplicar tuas desventuras amorosas. Quando fores ao banheiro, e a bebedeira assoprar no teu ouvido que deves jogar conversa mole pra cima da turma, erga a tampa, sente no vaso e dejete alguns fleches de tuas volúpias. Passe uma água gelada no rosto, tome uns goles d’água e volte, em silêncio, para o teu canto.

A ordem é não repetir. Não imitar o relato de façanhas, como o fazem aos borbotões por aí.

No quintal, a roseira fez pose e se ofereceu durante os doze meses que se passaram. Não reparaste se tinham cor, espinhos e perfume. Quantas rosas mulheres, enigmas, olhares e elogios, exibiram-se na mesinha do centro de tua sala, bem animadas no copo de cica com dois terços de água?

Não creio que a oportunidade vá passar apenas uma única vez...

A comédia sobre o palco, depois que o pano subiu, não nos vai convencer se somos tolos ou sábios, por ainda acreditarmos numa natureza humana. Sim. Acreditas no amor. Porém, teus lamentos mostram que há preocupação demais, e pouca ação. Deves conhecer o seguinte provérbio: “Quem ama muito, fala pouco”.

Muito falar e se queixar é supervalorizar os dilemas sentimentais.

O Amor sincero precisa de complemento e cuidado. Vamos carrega-lo nos braços como se fosse um filho amado!

Asseguro-te que dona Razão é péssima conselheira nos assuntos de amor. Em vez de dar-lhe ouvidos em demasia, abra as cortinas e janelas e se deixe inebriar pela brisa da paixão.

Faça parte da trupe, não esqueças de representar teu papel. Porque, nos assuntos de amor, é preferível se ator do que espectador!

PARIR É PRECISO



Mudança de ares, distanciamento. Afastar-se do espelho, beber imagens do mundo exterior, gestos de maestro conduzindo a orquestra de planos, tentativas, faltas, excessos. Ir em frente sem temer a noite, pois nem todos os gatos são bastardos.

Parir é preciso, como disse o amigo João. Antes disso há que ter solo e semente, e muita vontade aliada aos sonhos. Fazer nascer, e não repetir. Ser original, eis o desejo príncipe dos desejos, que seqüestra o sono. Eis a tarefa quixotesca, mas não vamos ligar se os outros recomendam escutar as censuras e medos.

Parir um filho que deposite seu olhar nas coisas simples, percepções que façam rir, chorar, sem ostentação. Livres de incertezas, receios e clichês. Filho que não vai ser o responsável pelo décimo terceiro e férias. Não é direito adquirido, nem averbado e guardado num cofre para ser usufruído amanhã.

Filho que não se acomoda com o pouco que já possui, e se prende às escassas expectativas que realiza mês após mês. Esse filho tecerá em seu coração, no silêncio da noite, planos audaciosos, afastando de seu caminho os medos do fracasso, e vai, sim, atrair imagens de sucesso e prosperidade.

O filho não perderá tempo com vaidades, inveja, arrogância, falsos elogios para não magoar os amigos. Descerá a ladeira no seu primeiro ensaio na bicicleta do irmão mais velho, pouco importa o quanto a aterrissagem vai ralar seus joelhos. Fará o gol mais bonito, mesmo que seu time não ganhe de goleada.

Parir sem pressa, menos dor e mais prazer, se possível. Obter a sensação mais “estranha” e arrancar, da obsessão de chegar ao novo, a visão incomparável, capaz de rasgar ao meio o lençol da noite sonolenta!

NATAL E ANO NOVO - Mensagem do Teco aos seus leitores e amigos!



Já é final do mês, e a esperança se renova OUTRA vez.
Chegou o momento de meus avós remarem contra o vento...
É que o remédio está caro, e eles ganham pouco...

Mas não entregam os pontos.
Fazem suas caminhadas
sempre, TOOODOS os dias,
para amenizar as jornadas
e duplicar a alegria!

Eles dizem que não podemos parar
e só ver o TEMPO passar.
Precisamos renovar
nosso estoque de sonhos.

E, agora, no final do ano
as pessoas se reencontram
depois de TAAANTO trabalhar.
Repensam seus papéis
e até se tornam papais noéis!

Na minha cidade, TODOS se enfeitam para o Natal.
Lojas cheias de gente, crianças, adultos,
lista de compras de PRESENTES...

Num piscar de olhos
Papai Noel nem chega e JÁ se vai!
O sol se põe, e no palco da noite
CONTOS DE FADA desfilam histórias e heróis!

- Neste sol quente, não esqueça
o chapéu de palha! - Dizia vovó.

Todo dia ela costurava memórias
sem tirar o olho do seu bordado...

Contava mais uma história
trançava as palhas do trigo.
Sua varinha mágica nos deu de presente
luvas, cachecóis, aventuras
e chapéus coloridos!

Já o vovô, antes de contar novas histórias, SEEEMPRE repetia:

Os sonhos e as lembranças
que brotaram dos verdes anos de meus pais
se ajeitavam na carroça,
e nos enchiam de esperança!

Naquele tempo as máquinas derrubavam o mato
e a fumaça do óleo diesel e o palheiro de meus tios
fumegavam o progresso...

Aí, seu olhar se perdia no horizonte, e ele SUSPIRAVA:

A terra que nos sustenta é a mesma dos velhos tempos...

O trator cava a terra anêmica
faz ela gemer e germinar
milho, arroz, trigo, feijão...

A terra se esforça e pede ajuda
pra chuva, pro sol e pro vento,
e muitas promessas são feitas
pra Santa Padroeira.

Décadas e décadas parindo alimento,
a terra, banguela, implora descanso,
mas esqueceram de avisar
esses HOMENS AVARENTOS!

Para não ver seus netos preocupados
com seu futuro e das crianças que virão,
vovô narrava as façanhas
de seus pais, tios e primos
e também de seus AVÓS...

Otimistas, eles faziam planos
enquanto as mãos ágeis
domavam as palhas do trigo
no sol mais BRAVO do céu
e assim ficávamos protegidos
com aqueles ENOORMES chapéus!
A palha zunia, se retorcia, corria pra TOODO lado,
mas logo logo se acalmava no trançado!

Agora eu percebo que o nascer do chapéu
é o nascimento de histórias,
de saudades e de amizades.
Nosso coração se abre
e acolhe com AMOR
TODOS os nossos irmãos,
sejam ricos ou pobres,
ganhem BRINQUEDOS OU NÃO!

O DIÁLOGO é a semente
que vai brotar, crescer e amadurecer
em TODOS os corações
fará respeitar nossos irmãos,
em qualquer estação,
sejam velhinhos ou não!

Nasce CHAPÉU e AMIZADE
e vai nos proteger de TODOS os males
nesse NATAL e ANO NOVO!

ASSIM NINGUÉM FICA SEM NADA


Basta abrirmos o jornal, e as notícias descem em cascata diante dos olhos. São de todo tipo. Trágicas, “normais” (porque se sucedem e se parecem muito a cada dia), e as cômicas, ou bizarras, ou ridículas... Pessoalmente, simpatizo mais com as últimas. É que elas são meio caminho andado para escrever histórias.



O que a literatura tem a ver com o desfile diário de fatos narrados pela imprensa? Bem, esta pergunta me persegue há algum tempo. Acredito que a literatura e a realidade não se afastam, ao contrário, se complementam. E, também, que o momento presente está repleto de acontecimentos que reivindicam outras (novas) interpretações, a fim de ser melhor compreendidos. Assim, faço abaixo uma tentativa de entender o que tramam nossos personagens, reais e/ou fictícios, nas colunas dos jornais.


ASSIM NINGUÉM FICA SEM NADA



Professor universitário, John dedicou boa parte dos últimos vinte anos de sua vida para compreender os malefícios da sociedade capitalista. De sua casa para a universidade, da universidade para a academia de ginástica, dessa até sua casa, muitos livros de Marx o acompanhavam.


Enquanto pedalava e caminhava na esteira, seus neurônios debatiam-se em busca do título que daria para uma palestra – tinha sido convidado por uma escola para falar aos jovens alunos sobre o seguinte tema: O egoísmo da sociedade capitalista – sua superação rumo à utopia da solidariedade.


Ao retornar do shopping, onde comprara um presente para sua companheira, professora, e outro para seu filho, no dia da criança, foi vítima do primeiro assalto de sua vida. O bandido se aproximou e anunciou o roubo. Assim que recebeu o dinheiro (uma nota de 50 reais), retirou de sua carteira o troco (uma nota de 20 reais).
- Assim ninguém fica sem nada - explicou o ladrão, alcançando o dinheiro.


Ao entrar no prédio, ainda meio tonto com o que presenciara, John prometeu, ao silêncio e à desordem de seus neurônios, que iria rever, com urgência, suas teorias. Apenas acenou com a cabeça ao cumprimento do porteiro. De sua boca som nenhum saía.

SEGUNDA-FEIRA


O melhor do futsal - desenho de Giovanni Pasquali Piovesan



Detesto
segunda-feira.

É a gota d’água
que não pára
de encher
na torneira...

Terça acabou o gás
quarta tem futebol
quinta é mal dormida
sexta nem vi passar
vem o sábado
e já começo
a me lembrar

que
detesto
segunda-feira!

UM AMOR DE TIA



Florisbela olha a paisagem e colhe cestas de lembranças – o que era pra ter sido e não foi!


– Devo fazer o que disse Tereza? E se não der certo?


Sempre foi calma e sonhadora. Tereza quer transformar minha tia numa guerreira feliz!


- Tudo na vida tem uma razão de ser – ela diz - basta acreditar!


Minha prima Tereza quer por que quer casar sua tia. - Pretendentes não faltam – ela diz.


- Mas acho que eles não estão nem aí para o amor “verdadeiro”, como nossa tia quer - Eu respondo.


- Você acha que eles só querem botar a mão na poupança dela?


- Tia Florisbela surtou. Passou a vida guardando dinheiro. Agora diz que não quer mais viver sozinha! – respondo, meio desconsolado.


- Quero ver tia Florisbela feliz! Vou ensinar ela a mexer no MSN e sites de relacionamentos!


- Você acha que ela consegue?


- Claro, ela é muito esforçada. Logo logo ela desencalha!


- Mas precisa também do orkut?



Conheceu um “cara”. Junto com a foto, a seguinte descrição: jovem carinhoso, compreensivo e inteligente.


Quando retornou do primeiro encontro, aguardávamos ansiosos.


- Tia, não acredito! – esbravejou Tereza.


- Que cara de pau – Eu rosnei.


- O safado era muito mais velho! Suas mãos tremiam, era meio curvado e banguela!


-Não é que ele também usou uma foto de TRINTA anos atrás?!


-Cretino - Eu pensei... Deve “dar em cima” de todas as donzelas nos bailes de terceira idade!


- Carinhoso, compreensivo e inteligente uma ova!



Sentou. Notou as paredes coloridas, respirou profundamente todos os perfumes e incensos. As cartas estavam espalhadas sobre a mesa. Olhou-as e teve bons presságios.


A mulher que estava sentada na sua frente foi logo dizendo:


- Captei! Ele se aproxima de você!
- Alma gêmea?


- Jovem, carinhoso, compreensivo, inteligente...


Coração aos solavancos, Florisbela quis saber todos os detalhes do futuro esposo... Por ela, ouviria durante horas. Correu para casa, olhou-se de cima até embaixo, de todos os ângulos, no maior espelho que tinha, sacou algum dinheiro da poupança, foi dar uma geral no salão de beleza.

O AMOR



De braços abertos
o amor é um eterno
poeta sonhador.

Para lá e para cá
somos pêndulos
que maltratam o dia
tecendo acordos
com o prazer e a dor.

acordamos
e esquecemos
nossa reserva
de sonhos.

Nos ensinaram que amar
é dever não prazer
(não podemos
decepcionar
os outros!)

Ponteiros dos segundos,
não temos mais tempo
para amores tragicômicos
(perdemos a hora
e o ônibus...)

Buscamos
amores previsíveis
pra poder começar
a fugir outra vez.

A aventura maior
será um dia aceitar
a dose única do amor
e seu fluxo letal!

LUIZ CORONEL


Quadro de Vincent Van Gogh (1853-1890)

Início da manhã, na escola, bocejos, muito calor e a biblioteca, impassível. Ao remexer a pilha de livros que as crianças dexaram jogada sobre a mesa, dou de cara com um livro de poemas do Luiz Coronel - Um girassol na neblina. Então, acontece o milagre. Começo sua leitura e a manhã passa voando, até chegar ao final...


FUGAS & CULPAS


Se a felicidade

não veio

não se ponha a maldizer

o pão

e o vinho.


Sem agendas

ou mapas

a felicidade se perde

a dançar

pelos caminhos.


Se os sonhos

naufragaram

credite às ondas

e ao vento.


Se o amor

não deu certo

a culpa é das flores

que nunca chegam

a tempo.



CATARSE


Cantores existem

que cantam

com a voz.


Os braços

dos verdadeiros

são claves de sol.


Os cabelos

partituras

e os olhos

notas musicais.


Existem atores

que dizem: "sou peixe".

Lancem anzóis

tarrafas

para me pescar.


Os verdadeiros

são pães

que se repartem

de forma imediata

e milagrosa.


Certos poetas

vacilam, aromatizam,

impermeabilizam as palavras.


Os verdadeiros

criam metáforas

e dentro delas as palavras

viram cambotas

e comem bergamotas

num banco de praça.

LIGAÇÃO A COBRAR


Triiiiiiiiiiinnnnnnnnnnnnnn...
São três horas da manhã
a ligação é a cobrar.
O dragão
que veio e se foi
nos tempos de outrora
pede agora pra voltar!

DISFARCE

CRÉDITOS: Le Fabuleux destin d' Amélie Poulain - Jean-Pierre Jeunet


O sol seduz a vidraça
e desmascara teus olhos.
Viras de lado
num disfarce.
Prometes que,
pelo menos hoje,
serás a outra
decidida e meio louca!

O calmante do fim de noite
ajeita os cobertores
e tuas promessas
preferidas
- e não cumpridas!

MEUS SONHOS

Paul Klee - Na cidade do sonho



Não me aventuro
mais pelos cantos.
Os sonhos vêm
pé ante pé
tiram a roupa
põem pijama
contam histórias
fazem dormir.

Não domino meus sonhos.
Sou por eles escravizado.
Cochilo na rede
cochilo na sala de aula
cochilo no sofá
na hora da novela.

Na tenra espera
do sonho mais lindo
vem o pesadelo
e arrasa o meu cochilo...

Não confeccionei
troféus
para enganar
meus sonhos.
Riem de mim
quando, alucinado,
extravio as chaves
que fecharão suas portas!

PAULO LEMINSKI


Acordei bemol

tudo estava sustenido



sol fazia

só não fazia sentido

AMADA LEITORA


Minha querida leitora, Senhorita (ou senhora) Rose. Toda vez que tento escrever poesia, me vem à memória um poema do Manuel Bandeira, cujo título é Nova poética. Diz o poema, na íntegra:

Vou lançar a teoria do poeta sórdido.
Poeta sórdido:
Aquele em cuja poesia há a marca suja da vida.
Vai um sujeito,
sai o sujeito de casa com a roupa de brim branco
muito bem engomada, e na primeira
esquina passa um caminhão, salpica-lhe
o paletó de uma nódoa de lama:
é a vida.
O poema deve ser como a nódoa no brim:
fazer o leitor satisfeito de si dar o desespero.

Sei que a poesia é também orvalho.
Mas este fica para as menininhas, as estrelas alfas, as
virgens cem por cento e as amadas que
envelheceram sem maldade.

Querida leitora. Se você for ler A metamorfose, do Kafka, vais ficar mais familiarizada com os insetos... No caso do Kafka, o personagem vive o drama de ter-se transformado numa barata! A essa literatura muito é comentado... Pode ser chamada de realismo fantástico, ou surrealismo. Está muito próxima da psicanálise, a “ciência do inconsciente”. Um grande escritor da atualidade, Gabriel Garcia Marques, vai nessa direção, por exemplo, nos Cem anos de solidão. Embora seja complicado enquadrar esses ícones da literatura em alguma escola, ou teoria...

Mas não pense que o TECO esteja se colocando à altura daqueles que citou. Ainda estou na fase de brincar com as palavras, como fazem as crianças... Aliás, enquanto pequenas as crianças não tem medo/nojo dos insetos, aprendem a ter medo com os marmanjos... De qualquer maneira, como fez o Kafka, em que seu personagem tinha uma vida “de inseto”, a literatura (ou toda a nossa vida?) lida muito com as metáforas e as alegorias, inclusive as imagens que usamos.

Aliás, O MUNDO DAS IMAGENS que perpassa nossas vidas necessita de uma reflexão mais aprofundada. Recomendo que você leia o Zero Hora de domingo, 30/11/2008, as reportagens do caderno Donna, que falam que fotografar e filmar viraram mania cotidiana.

O que isso significa, nos dias de hoje?
Vou dar um exemplo que vivi, dias atrás. Estava numa apresentação do colégio onde estuda meu filho, quando as crianças e professores fizeram lindas apresentações artísticas para os pais e comunidade em geral. Enquanto as crianças faziam suas apresentações, muitos pais (havia mais de cem máquinas em punho!) faziam malabarismos para obter a melhor imagem, melhor ângulo – o de seus filhos, é claro! Na hora fiquei me perguntando se eles estavam DESFRUTANDO algum prazer estético com o que assistiam, ou se desejavam apenas registrar para o futuro aqueles momentos. Fiquei pensando se eles não confiam na memória, têm medo de esquecer o que viram...

Leio o texto da Martha Medeiros, no caderno que citei acima, e ela fala mais ou menos isso. “Se você não documentar suas experiências e emoções, elas deixam de existir? Você deixa de existir? Não deveria, mas dá a impressão que sim.”

Aposto muito mais nas imagens que se tornam fortes lembranças, por causa da emoção e sentimento que vivi, quando dei de cara com elas. O que vemos, de maneira intensa, até brutal, é a BANALIZAÇÃO da vida, através da imagem. Exemplos: as tragédias, como a morte da menina que foi jogada do apartamento, em S.P. e, agora, das enchentes em Santa Catarina. Creio que o mais importante não é a imagem em si, mas o fato de vive-las com sensibilidade e, principalmente, podermos interpretá-las... Eis aí o grande desafio... A propósito, essa enxurrada de fotos das tragédias em Santa Catarina despertam nossa sensibilidade para a SOLIDARIEDADE, que é algo fundamental nos dias de hoje, onde há intenso narcisismo? Além das questões ambientais e de organização dos espaços geográficos/urbanos (tanta população ocupando as margens dos rios são um apelo à tragédia, mais cedo ou mais tarde)...

Como poeta sonhador, persigo a imagem poética, que são as metáforas e alegorias, e aí até as baratas podem posar pra foto!

Abraço do TECO.

MATA-MOSCAS



Minha tia comprou
um mata-moscas
no “Um e noventa e nove”.

Renova-se
a cada
inseto
decepado.

Chicoteia o ex-marido
a vizinha fofoqueira
o funcionário da prefeitura.

Não perde a paciência
se ficar horas a fio
na tocaia dos insetos
pelos cantos escuros.

No verão a cidade
Recebe os turistas.
As baratas saem dos esgotos
e são apresentadas à minha tia.

Ela diz para seus netos
que os insetos
são os maestros
da orquestra
da família!

AGENDA


Nesta sexta-feira, dia 28/11/2008, a Turma do TECO estará no município de Cerro Largo/RS, na escola E. E. F. Eugênio Frantz, com bate-papo com o Autor Américo Piovesan, oficina de música (com o Guerrinha) declamação de poemas e performance teatral do poersonagem TECO (com a atriz Eloisa Borkenhagen). Na proxima semana postaremos comentários e fotos.

NÃO TENHO TEMPO


Não tenho tempo
pra ler teus bilhetinhos
nem pra responder
a perguntas impossíveis.

Queres saber
se choro,
rio ou não ligo
pro Bob Esponja,
Branca de Neve
e os Três Porquinhos?

Se torço pro bandido
ou pro mocinho?

Quero saber, apenas,
se hoje tem futebol...

Não tenho tempo
pra tirar
tuas dúvidas teimosas,
nem pra curar
teus finiquitos...

Tenho tempo apenas
para abrir as cortinas
olhar pela janela
e me esconder nas esquinas!

MEU NOME


Meu nome
é uma sombra
que me persegue
por onde vou...

Teimoso,
faço de conta
que me escondi
e que não estou nem aí...

-
TECO!

Fico zonzo
quando me chamam...
É a surpresa
de um grito
no ouvido...

Culpada
é a sombra
que espreita
atrás da moita!

Com essa sombra a reboque
arrasto a vida e sonho
ator, jogador de futebol,
escritor, desenhista,
motorista de caminhão...

Comigo cresceu
comigo saiu do mato
gritou e silenciou
até se acostumar
com o chamado
dos outros.

-
TECO!

Às vezes estranho
ouvir o eco do meu nome.
Deve ser porque estranho
o mundo que me cerca.

Hoje até gosto
que meu nome
- igual cascata de rio -
salpique e regue
a vida ao seu redor...

Meu nome
minha sombra
meu carimbo
é sonâmbulo
e grita
e ecoa
e berra
e alerta
até que, finalmente,
meu anjo da guarda
- destrambelhado -
desperta!

TURMA DO TECO NO CSCJ


No dia 20/11/08 estivemos no Colégio Sagrado Coração de Jesus-IJuí/RS participando da sua mostra de ciências e artes. A Turma do Teco levou música, declamação de poemas e teatro para a escola. Foi uma tarde de alegria e de encontros, onde a literatura e outras manifestações artísticas estiveram "à flor da pele". Agradecemos aos alunos, à direção e professores pelos momentos marcantes que lá vivemos. Em 2009 a escola completará 75 anos de existência e será homenageada com diversas atividades, que se estenderão durante todo o ano.


O CSCJ foi a primeira escola a abrir suas portas para o escritor Américo Piovesan desenvolver oficinas de poesia com seus alunos, isso no ano de 2006. Dada essa "parceria", que envolve amor e amizade, fomos convidados para lançar o próximo livro Teco, o poeta sonhador, em: Canções pra não dormir, junto à programação de aniversário da escola. Já estamos planejando várias atividades, que culminarão na apresentação do espetáculo de música, teatro e poesia, no mês de março de 2009.









CIGANA



Ontem a vi na feira
dentro de um vestido azul
divina aos olhos meus
e a todos os raios de luz.

Seus olhos tinham o brilho
que arromba minhas portas
a boca meio torta
sorriu-me dizendo Oi!

Por instantes me vi
nu e independente
era o dono do mundo
comprando açúcar e azeite.

Ao lanchar à noite
fiz mil planos
com emoção
comovente...

Mas logo veio a razão
e deu um basta
ao meu deleite:
disse que ela é linda
porque é uma cigana
que passa conversa
na minha paixão
delirante!


DOMINGO NA VILA






Depois
da missa
o sino
relaxa
e bate
em retirada.

É meio dia
de domingo
hora do almoço
e do burburinho.

O padre
faz a sesta.

No salão
dezenas
de mãos
se agitam
sobre a mesa.

Tarde
noite
dia
do quatrilho
fazer
hora extra.

ALARME

projetopazeamor.blogspot.com
Jornal aberto
sobre a mesa
sorvo o mate
da coluna
policial.

Batidas
tímidas
acordam
a porta...

Uma criança
pede algo
para comer.

A geladeira
oferta
uma maçã.

- Só isso?!

A miséria
violência
do mundo
me deixam triste
a expiar pela janela
pra ver o que se passa
lá fora.

O alarido
de um alarme
distante
me desperta
para a vida,
agora...

PÁSSAROS MIGRANTES


Queremos mil coisas
e essas caretices todas
tatuadas na alma
jogam suas asas
pela janela.

Somos iguais a Dante
semeando
no quebra-cabeças
do inferno
seu amor por Beatriz.

Amanhã seremos livres
como pássaros migrantes
que viajam pela noite
pra saciar a sua fome.

Seremos livres
livres
trôpegos
pelas estradas
nossa tão cara
alma
carente
tatuada!

LANÇAMENTO DE LIVROS NA FEIRA


O escritor Américo Piovesan falando do projeto A turma do TECO nas escolas. Em menos de quatro meses foram dez apresentações, em escolas - de teatro, música e contação de histórias.

TECO (interpretado pela professora e atriz Eloisa Borkenhagen) surgiu do meio do público para mostrar suas habilidades como escritor!


Sábado à tarde, dia 09/11/08, com a presença do público, autores e autoridades, houve o lançamento de livros na feira de Ijuí. Para quebrar o gelo, o calor e o protocolo, TECO tomou a palavra e declamou alguns poemas do livro (no prelo) Canções pra não dormir.

GEOGRAFIA


Borboleta
pensativa
na janela
é menina
que observa
o navio.

Na sua cidade
não tem mar
não tem rio...

A menina viu
a fotografia
na aula
de geografia.

FEIRA DO LIVRO DE IJUI

Guerrinha, o tio do TECO, interpretando Canções pra não dormir.


Na manhã de sexta feira, dia 07/11/2008, estreamos o espetáculo Canções pra não dormir. Houve declamação de poemas, contação de histórias e muita música. As crianças puderam interagir, declamar poemas e contar histórias. O projeto conta com a parceria do músico Guerrinha, que vem produzindo um CD inspirado nas travessuras do Teco.

AGENDA



Aqueles
números
de telefone
que alugaram
a memória
têm agora
valor banal.

Corrigimos nossa rota
- e que venha o ano novo -
pra começar tudo de novo...

Ocultamos
da agenda
números
de outrora
pra não magoar
nosso novo amor!

As velhas
agendas
têm valor
inestimável,
queiramos ou não:
nos distraem
nos intervalos
da solidão!

LIQUIDAÇÃO


O tempo
banguela
adentrou
na farmácia
de bengala
saiu logo depois
bufando
com sacolas
e sacolas
de remédio

(era dia
de liquidação).

É um caso sério
e engraçado
ver o tempo
ser manipulado!

MISTÉRIOS NO CÉU


ETs penetras
dividem
luzes piscantes
com as estrelas.

Faço xixi
nos fundos de casa
meu olhar escarafunchando
tudo o que há no céu.

Meu olho
(metralhadora giratória
de cento e oitenta graus)
promete desvendar
todos os mistérios
que se possa imaginar!

MUITO MAIS DOCE


Existe o doce
mais doce
do mundo?

Mais doce
do que qualquer
outro doce
que alguém
já comeu?

Procurei
na vitrine
da cozinha
pudins, tortas
negrinhos e quindins...

Cada novo doce
que meus olhos
degustavam
era uma obra de arte
e minhas lombrigas
queriam mais e mais!

Farei abaixo-assinados
contra a nóia
diabética
que quer proibir
overdoses
gastronômicas
com censura
dietética!

Sufocaram minha arte
com armários
entupidos
de adoçantes
e chás escolhidos
por nutricionistas
birutas
e esqueléticas...

Deixaram de ser
meigas e doces
agora são amargas
e cheias de arte
sintética!

A IGREJA E A PRAÇA



No alto, a Igreja.
logo abaixo,
a praça.

O menino deve
primeiro
cumprir o dever
e depois ir brincar.

Ciprestes
podados
cercam a praça.
Seu cheiro
mistura-se
aos brinquedos.

A praça
ensolarada
aguarda
as crianças...

O menino se esforça
mas sua imaginação
quer fugir do sermão.

O Padre fala de amor,
caridade e perdão,
e na recompensa
se ajudarmos os outros.

Ufa!
O menino
se esforçou
e cumpriu
o dever!

Agora ele pode brincar
brincar e brincar...

Até dormindo,
brincar e sonhar
com os brinquedos
daquela praça
abaixo da Igreja
que observa
toda séria!

A IGREJA E A PRAÇA

PESCARIA












A foto está no porta-retratos, na sala de casa. Estou ao lado de meu pai, ambos de camiseta regata, bermudas e chinelos, os braços e as pernas melecados de protetor solar. Ajudo meu pai a segurar uma carpa de quase cinco quilos.

Meu pai diz pra todo mundo que fui eu que fisguei, no rio Ijuí, e que ficamos mais de meia hora lutando com ela, até cansá-la e tirá-la da água. Quando meu pai fala da fotografia, minha mãe arruma uma desculpa qualquer pra sair de perto.

Meu pai adora pescar. Desde criança ele se aventura em açudes, córregos, rios. Já minha mãe, quando falamos em pescaria, lembra de árvores, mato, grama, e fica com alergia só de pensar nos borrachudos. Eu gosto de pescar, e acho que tem a ver com meu pai: ele me deu de presente, quando eu era bebê, um aquário, que permaneceu no meu quarto observando eu crescer e fazer as minhas traquinagens.

Lá em casa tem uma maleta com farto material de pesca. Na tampa, um adesivo, que aparece em muitos carros que circulam pela cidade: “Tá nervoso? Vá pescar!”. Na hora dos preparativos, meu pai fica agitado e desfia uma ladainha de recomendações – como se fosse acampar durante vários dias. Mas eu descobri o motivo dessa mania: é que ele foi escoteiro.

Nossa última pescaria foi no pesque-pague. Tinha prometido, para mim mesmo, que aprenderia - com toda a calma do mundo - a colorar a isca no anzol. É que, quando peço ajuda, ele fica contrariado. Se coloca as minhas iscas, sobra pouco tempo para se concentrar no seu anzol. O pior é que os peixes só estão beliscando no anzol dele. Não passa um minuto e peço para trocarmos de caniço. Mas os peixes, nada... Bastou meu pai se distrair, ao colocar a minhoca no seu anzol, e estou pescando no lugar dele...
-Pescador tem que ter paciência – ele diz.

Chegam novos pescadores. Uma família completa - irmãos, primos, tios - carregando toda a parafernália de pesca que se possa imaginar. Me distraio com a menina, loira, cabelos de tranças, e seu cachorro peludinho (que é uma gracinha). Seu irmão mais velho trouxe uma bola, que parece ter as cores do Boca Juniors.

Foi só despregar o olho do anzol, e uma enorme tilápia veterana levou a minhoca.
- pescador tem que ter paciência, prestar atenção nos detalhes e persistir – recomenda meu pai...









Noto que os dois irmãos não estão nem aí pra pescaria... Digo pro meu pai:
- Sabe de uma coisa, pai, perdi a vontade de pescar.
- Mas como? O que vamos jantar hoje, se não pescarmos nada?

Enquanto me aproximo deles, olho para trás e digo: “ah, pai, isso é o de menos. É só fazer como da outra vez”.
Meu pai balança a cabeça e volta a se concentrar no seu anzol. Sei que, de um jeito ou de outro, vamos comer peixe frito no jantar.
Prometi a meu pai guardar segredo sobre aquela fotografia. “Histórias de pescador são sempre exageradas”, ele diz. Mas minha mãe, que não suporta histórias de pescador, diz: “A mentira tem pernas curtas”. Por isso, só vou dormir tranqüilo se contar a verdade para vocês. Aquele peixe de quase cinco quilos que exibimos no porta-retrato não fomos nós que pescamos no rio, não. Foram os tios do pesque-pague que passaram uma rede enorme num tanque, ali, ao lado dos açudes. Como não tínhamos pescado nenhum peixe, eles tiraram da água meia dúzia de peixes enormes e nós escolhemos o mais vistoso pra posar conosco. Só faltou eu pedir autógrafo pra ele.

LOTERIA


O jornal é uma lanterna
depois que a chuva
se despede da noite
e se embriaga
de neblina.

Notícias da morte
apontam pra outros
gestos e trazem lamentos
nos corredores de casa
e seus labirintos.

Becos sem saída
aglomeram-se
no semáforo da esquina:
são crianças pedindo esmola
são números da loteria.

Meu tio repassa o jornal
pra nunca mais
ser anônimo...
Seu alvo é
o acumulado
da quina
- ele quer virar
notícia!

Não vou perguntar
se a loteria é fundamental
para mudar os rumos
da história ou
se é um lance
da fortuna
de meu tio!

Na periferia de meus olhos
o jornal prevê as condições
climáticas e o mapa
astral desses
velhos mortais!

Amanhã provará sua serventia:
vai embalar pão e leite na padaria!

O jornal recicla a vida que,
dia após dia,
recicla a vida jornal!

Clipe