O Brasil das placas







Imagine-se dirigindo por uma estrada poeirenta de algum cafundó do Brasil. A certa altura da viagem, você passa por uma placa anunciando a "Lanchonete 2 Irmões". Mais adiante, outra avisa: "Hotel para Chifrudos".
Mensagens como essas o fotógrafo José Eduardo Camargo, editor do Guia 4 Rodas, da Editora Abril, cansou de ver pelas estradas, em três anos de viagens pelo Brasil. Resolveu clicar as mais esdrúxulas e as mais criativas, reunindo tudo em um livro: Brasil das placas, viagem por um país ao pé da letra, lançamento da revista Superinteressante e da Editora Abril.
O livro reúne 300 imagens editadas em 60 fotos publicadas, captadas em 16 estados brasileiros. L. Soares, pseudônimo de André Fentenelle (editor da revista Veja) elaborou textos em formato de cordel e refinou o humor das fotos. Os textos dialogam com as placas de forma agradável e criativa. "Por ser bem brasileiro, o cordel tem a ver com o livro. O texto ajuda a explicar as fotos", diz Fontenelle. O resultado é impagável.
Brasil das placas pode ser comprado pela internet, no site www.brasildasplacas.com.br, que traz novidades, papéis de parede e placas inéditas. Viajantes, encantados com a idéia, colaboram com o sítio, mandando imagens colhidas na estrada e engrossam o acervo de pérolas da comunicação improvisada que divertem pelas estradas do país.


"Convidamos o leitor

A embarcar nessa viagem



no Brasil tem muita placa


cada qual com sua linguagem


não tem certo nem errado


o importante é a mensagem".



Humor


Se em algumas placas o engraçado vem do erro de português, na maioria das vezes o efeito cômico vem de tirarmos a mensagem da placa de seu contexto, ou da ambigüidade da mensagem em si. Para José Eduardo, muitas das placas estão relacionadas à informalidade do país, que faz comerciantes chamarem a atenção para vender seu peixe. "É um fenômeno brasileiro, que encontramos de Norte a Sul".



















O mudo passeio do Doutor Quejando - Mario Quintana


Ora pois,
o Doutor Quejando
vinha andando
andando
quando encontrou o carneirinho Mé
em companhia da vaquinha Bu
- Olé!
Como vais tu? - disseram-lhe os dois.
O Doutor Quejando continuou andando.
Mudo.
E o Doutor Quejando e o urubu trocaram um horrendo
                                                              olhar de simpatia.
E o pior de tudo
é que se acabou a história.
Se acabou a história...
E a vida continua.

Do livro A cor do invisível. Ed. Globo.

Quem ama perde a vergonha


Todos os torpedos de amor são
ridículos.
Não seriam torpedos de amor se não fossem
ridículos.

Hoje eu envio torpedos de amor
ridículos.

Os torpedos de amor
já que existe o amor são
ridículos.

Quem nunca mandou um torpedo de amor é
ridículo.

Eu perdi a vergonha por causa do amor
e por isso mando torpedos de amor
ridículos.



TODAS AS CARTAS DE AMOR SÃO

Todas as cartas de amor são
ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
ridículas.

Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
como as outras,
ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
têm de ser
ridículas.

Mas, afinal,
só as criaturas que nunca escreveram
cartas de amor
é que são
ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
sem dar por isso
cartas de amor
ridículas.

A verdade é que hoje
as minhas memórias
dessas cartas de amor
é que são
ridículas.


Do livro Fernando Pessoa - poesias de Álvaro de Campos. FTD.

Tudo nela é canção




Tudo nela é canção.
O olhar de luar
o sorriso com dentes e boca
a se abrir em cachoeira
o cabelo molhado depois do banho
o vento que acaricia seu rosto
o compasso dos quadris
pra lá e pra cá
ao caminhar...

Quando a vejo
uma força misteriosa
acelera o ritmo
do meu pulsar...

Ela gravou em mim
canções antigas
canções da moda
canções perdidas
na memória

seus acordes e letras
me inspiram e renovam...

Mas é tanto som
novidade movimento
que agora eu busco
- desesperado -
o silêncio.

Do mundo virtual ao espiritual - Frei Betto

Procurava no google a hostória do Hans Christian Andersen, A roupa nova do rei, e acabei acessando um blog com este título.  Suas autoras escrevem assim, na página de rosto do blog:
A roupa nova do Rei é invisível às pessoas destituídas de inteligência ou àquelas que não estão aptas para os cargos que ocupam. No conto, todos veem o Rei pelado mas fingem ver a roupa nova. Até que um menino diz em alto e bom som: "O Rei está nu!" Somos FOODBLOGGERS, mas também gritamos contra a falta de senso crítico, a preguiça de pensar e o medo de parecer ignorante.
Então, ao dar uma passeada pelo blog, deparei-me com um texto do Frei Betto, que as autoras postaram no dia 5 de abril de 2010.
Me identifiquei com sua opinião do mesmo instante, por isso trascrevo-o abaixo, na sua integra. "A roupa nova do rei" fica para a próxima postagem.


DO MUNDO VIRTUAL AO ESPIRITUAL

Ao viajar pelo Oriente, mantive contatos com monges do Tibete, da Mongólia, do Japão e da China. Eram homens serenos, comedidos, recolhidos e em paz nos seus mantos cor de açafrão.


Outro dia, eu observava o movimento do aeroporto de São Paulo: a sala de espera cheia de executivos com telefones celulares, preocupados, ansiosos, geralmente comendo mais do que deviam. Com certeza, já haviam tomada café da manhã em casa, mas como a companhia aérea oferecia um outro café, todos comiam vorazmente. Aquilo me fez refletir: 'Qual dos dois modelos produz felicidade?'


Encontrei Daniela, 10 anos, no elevador, às nove da manhã, e perguntei: 'Não foi à aula?' Ela respondeu: 'Não, tenho aula à tarde'. 'Não', retrucou ela, 'tenho tanta coisa de manhã...' 'Que tanta coisa?', perguntei. 'Aulas de Inglês, de balé, de pintura, piscina', e começou a elencar seu programa de garota robotizada. Fiquei pensando: 'Que pena, a Daniela não disse: 'Tenho aula de meditação!'


Estamos construindo super-homens e super-mulheres, totalmente equipados, mas emocionalmente infantilizados.


Uma progressista cidade do interior de São Paulo tinha, em 1960, seis livrarias e uma academia de ginástica; hoje, tem sessenta academias de ginástica e três livrarias! Não tenho nada contra malhar o corpo, mas me preocupo com a desproporção em relação à malhação do espírito. Acho ótimo, vamos morrer esbeltos: 'Como estava o defunto?'. 'Olha, uma maravilha, não tinha celulite!' Mas como fica a questão da subjetividade? Da espiritualidade? Da ociosidade amorosa?


Hoje, a palavra é virtualidade. Tudo é virtual. Trancado em seu quarto, em Brasília, um homem pode ter uma amiga íntima em Tóquio, sem nenhuma preocupação de conhecer o seu vizinho de prédio ou de quadra! Tudo é virtual. Somos místicos virtuais, religiosos virtuais, cidadãos virtuais. E somos também eticamente virtuais...


A palavra hoje é 'entretenimento'; domingo, então, é o dia nacional da imbecilização coletiva. Imbecil o apresentador, imbecil quem vai lá e se apresenta no palco, imbecil quem perde a tarde diante da tela. Como a publicidade não consegue vender felicidade, passa ilusão de que felicidade é o resultado da soma de prazeres: 'Se tomar este refrigerante, vestir este tênis, usar esta camisa, comprar este carro, você chega lá!' O problema é que, em geral, não se chega! Quem cede desenvolve de tal maneira o desejo, que acaba precisando de um analista. Ou de remédios. Quem resiste, aumenta a neurose.


O grande desafio é começar a ver o quanto é bom ser livre de todo esse condicionamento globalizante, neoliberal, consumista. Assim, pode-se viver melhor. Aliás, para uma boa saúde mental três requisitos são indispensáveis: amizades, auto-estima, ausência de estresse.


Há uma lógica religiosa no consumismo pós-moderno. Na Idade Média, as cidades adquiriam status construindo uma catedral; hoje, no Brasil constrói-se um shopping center. É curioso: a maioria dos shopping centers tem linhas arquitetônicas de catedrais estilizadas; neles não se pode ir de qualquer maneira, é preciso vestir roupa de missa de domingo. E ali dentro sente-se uma sensação paradisíaca: Não há mendigos, crianças de rua, sujeira pelas calçadas...


Entra-se naqueles claustros ao som do gregoriano pós-moderno, aquela musiquinha de esperar dentista. Observam-se os vários nichos, todas aquelas capelas com os veneráveis objetos de consumo, acolitados por belas sacerdotisas. Quem pode comprar à vista, sente-se no reino dos céus. Se deve passar cheque pré-datado, pagar a crédito, entrar no cheque especial, sente-se no purgatório. Mas se não pode comprar, certamente vai se sentir no inferno... Felizmente, terminam todos na eucaristia pós-moderna, irmanados ma mesma mesa, com o mesmo suco e o mesmo hambúrger do Mc Donald's...


Costumo advertir balconistas que me cercam à porta das lojas: 'Estou apenas fazendo um passeio socrático.' Diante de seus olhares espantados, explico: 'Sócrates, filósofo grego, também gostava de descansar a cabeça, percorrendo o centro comercial de Atenas. Quando vendedores como vocês o assediavam, ele respondia:


"Estou apenas observando quanta coisa existe de que eu não preciso para ser feliz!"


Frei Betto é Frade Dominicano, Teólogo, Antropólogo, Filósofo, Jornalista e Escritor.

Amor pra mi(m) maior




Dell
dellira
dellibera
com dellirio
dellicioso

Dell namora
com dellicia
e delleite
dellicado

Dell devora
Dell mordida
sem mordaça
e amarra

Dell cobiça
Dell devassa
Dell é densa
Dell é deusa
Dell é maga

Dell dellicia
Dell morena
Dell morada
Dell amor
Dell seu nome
foi nomeado
de amor
pra mi(m) maior!

O tamanho do sonho - Cíntia Moscovich



Num famosérrimo salão de beleza da Capital, eu observava um cabeleireiro que arrematava seu trabalho arrepiando com gel o que restara na cabeça de um guri duns nove anos. As laterais tinham sido sumariamente raspadas, apenas uma faixa de cabelo preenchia o espaço da nuca à testa: o corte moicano.


Achei a cena graciosa. Primeiro porque me lembrei da época em que, sem o recurso de gel, spray, musse ou cera, aquele mesmo penteado era moldado na base do sabonete. Lembrei também que o tal moicano tinha representado a mais legítima expressão de marginalidade, coisa de punks, metaleiros e outros undergrounds da vida – nada que combinasse com o salão em que estávamos.


Minha manicure, vendo que eu me interessava pelo corte do menino, esclareceu:


– É o corte Neymar. Todas as crianças querem.


Neymar, todo mundo sabe, é aquele jogador do Santos, meio desbocado e que usa correntão de ouro no pescoço. Encarnação do futebol-arte, muito jovem e, desculpem, muito brega.


Sei, no entanto, que as crianças não estão nem aí e imitam seus ídolos de futebol – até me lembro de uns pobrezinhos usando a infâmia do topete em meia-lua do Ronaldo Fenômeno. Também sei que cada época gera seus próprios ídolos e que eu tenho mais é que respeitar a escolha do tempo em que vivo.


Só uma pergunta: por que aquela criança, por cujo corte a mãe desembolsou uns R$ 50, idolatra um jogador de futebol? Por que, para sermos um pouquinho originais, nossa infância não escolhe outro tipo de paixão? Por que nossos pequenos nivelam seus sonhos aos pés de um moleque?


E se nossa juventude cobiçasse ser grande não só no esporte? Como seria se os pequenos passassem a venerar bons engenheiros, a adorar bons pintores, a se espelhar em bons filósofos, bons atores, bons dançarinos?


E se o ideal dessa gurizada fosse se tornar bom escritor, bom estilista, bom pesquisador, cineasta, músico, será que a gente não evitaria sermos a mixórdia que somos? E se, ao invés de show, déssemos à infância o silêncio da civilidade? E se, ao invés de berros, ensinássemos palavras?


Acompanhando aquele gurizinho do salão de beleza se transformar num punk de mentirinha, senti também uma espécie de desânimo e concluí que o mau gosto prevaleceu e que chegamos ao fim da picada.


Pior: me dei conta de que estamos nisso por nossa incompetência para sonhar, já que a gente é matéria e tamanho de nossos sonhos. Naquela hora, só me ocorreu pedir à manicure o esmalte mais roxo que fosse possível encontrar. Seria minha homenagem à contestação, à criatividade, à invenção e à arte.


Viva o sonho. E viva tudo o que não for ídolos com pés de absoluto e medíocre barro.

Zero Hora, 18 de janeiro de 2011.

AS RÃS


A primavera
foi úmida
e das rãs.

elas partiram
e o verão secou...

Secaram
as cigarras
e a alegria
dos meus vizinhos.

Estão de férias
a inspiração
e os sorrisos...

Pra não ficarmos
duros graves e tantãs,
que voltem as rãs!

O ciclo de Pedro Malazarte



De como Malazarte fingiu que se matava


Vendo que a vitima vinha em sua perseguição, deu tudo quanto tinha e, ao aproximar-se de um riacho, encontrou uma mulher a lavar roupa. Estava perdido, porque a lavadeira daria ao perseguidor a sua direção.


Mais que depressa tocou a carneirada a atravessar o riacho, e tomando um dos carneiros, tirou-lhe as tripas e meteu-as debaixo da camisa. Quando a manada passou, ele arrancou da faca, fingiu que abriu o ventre e deixou cair na água as tripas do carneiro, que ali levou ocultas.


A lavadeira deu um grito, caiu desmaiada ao presenciar tal cena e Malazarte desapareceu.


Quando o perseguidor chegou à toda, e perguntou à lavadeira se tinha visto passar um homem tocando uma carneirada, ela respondeu, quase sem poder falar, que Pedro Malazarte havia feito o que ficou dito.


E, porque Pedro já estava longe com o rebanho, o homem voltou soltando um milhão de pragas.


De como Malazarte passa adiante a carneirada


Já muito longe, encontrou um porqueiro que vinha tocando também. Pedro Malazarte que já previa que o fazendeiro havia de vir no seu rasto, propôs troca dos carneiros, (que valiam menos, pelos porcos, que valiam mais).


Fecharam o negócio, tendo o porqueiro feito uma volta em dinheiro.


Malazarte seguiu com a porcada e o outro com os carneiros, em direção oposta.


O porqueiro foi pousar em casa do dono dos carneiros. Ao ver o seu rebanho, o homem avançou para o porqueiro, e exigiu entrega do que era seu. O porqueiro quis resistir, mas vendo que o homem estava armado até os dentes e tinha muitos capangas, não teve outro remédio senão fazer a restituição, ficando no prejuízo, e tocou pra trás a ver se encontrava o Malazarte que já estava longe, tendo tomado por um atalho que foi dar numa fazenda. E, vai então, vendeu a porcada por um precinho barato, mas com a condição de o comprador deixar que ele cortasse a ponta do rabo de cada porco.


Fecharam o negócio e Pedro Malazarte meteu no embornal os rabinhos dos porcos e bateu o pé na estrada.


De como Malazarte rouba as jóias de uma família.


E foi dar no castelo de um ricaço que era casado e tinha uma filha, e ofereceu-se para empregado. E foi aceito. Como era tempo de chuva, o chiqueiro estava que era mesmo um lameiro. E Malazarte teve logo uma idéia. De noite tocou para longe a porcada do ricaço e, voltando, espetou no lameiro as caudas dos porcos. E, quando de manhã o dono da casa veio ver a porcada, Malazarte lhe apontou o lameiro e disse-lhe que os porcos estavam atolados, apenas com os rabos de fora.


O dono da casa mandou-o logo que fosse em casa buscar duas enxadas a ver se podiam desenterrar os animais. Pedro Malazarte foi numa corrida e, lá chegando, viu a dona e a filha passeando no jardim e lhes disse:


- O patrão mandou que as senhoras me acompanhem. Elas duvidaram, mas Malazarte gritou, perguntando ao patrão que estava lá embaixo:


- As duas, patrão?


- Sim, as duas, e sem demora! As duas, pateta!


E, então, as senhoras não puseram mais diferença e acompanharam Pedro que tomou com elas outra direção. Já longe o velhaco amarrou-as numa árvore, tirou-lhes todas as jóias que eram de grande preço, fugiu e foi tocar a porcada que tinha ocultado no dito retiro.


E, quando o ricaço, cansado de esperar, foi a casa e não encontrou a mulher e a filha, bateu a procurá-las até que as achou amarradas onde Malasartes as havia deixado.


Quando voltou é que viu que dos porcos só havia os rabinhos, que ele é que era um pateta de marca.


A muitas léguas dali, o Malazarte negociou a porcada, recebeu o cobre, comprou um bom terno de roupa e foi parar em certa cidade, onde, logo na entrada, havia uma bonita chácara que era do dr. Juiz de Direito.


De como Malazarte faz mais uma que parecia duas


Eram já por umas dez da noite. O Malazarte bateu à porta e pediu pousada, dando o nome de doutor Fulano, que vinha visitar aquela terra. O Juiz costumava entrar tarde, pois ficava até à meia-noite fora de casa, jogando marimbo com um seu compadre. E vai então o filho do Juiz na sua simplicidade, mandou entrar o hóspede e, depois de um bom chá, deu-lhe pousada, no quarto da sala, onde o Juiz costumava se vestir. E quando o Juiz chegou, o filho lhe contou o que se tinha passado e o tolo ficou muito satisfeito daquela hospedagem.


E vai então lá pela madrugada o Malazarte começou a sentir umas coisas na barriga…Procurou o vaso e, não o encontrando, abriu a janela… mas lá fora havia uma cachorrada, que foi um barulho de latidos que nunca se viu.


O Malazarte estava suando frio. Mas nisto avistou na prateleira uma caixa. Abriu, havia dentro uma cartola de pelo. Estava salvo! Tirou a cartola, fez nela o que quis, pôs outra vez na caixa e esta no lugar onde antes estava.


De manhã, quando ouviu tropel dos criados saiu e… este mundo é meu!…


Quando vieram chamar o Malazarte para o café, não o acharam mais.


À hora do almoço, o Juiz saiu do quarto e foi para o cômodo em que se costumava vestir.


Era dia de júri. Vestiu a sobrecasaca, e, distraído, tirou a cartola que enterrou, de um golpe, na cabeça.


Para que tal fizeste! Ficou com a cara enlameada e sentiu um cheiro que quase o afogou. Começou então a gritar. A família veio toda, pensando que tinha acontecido alguma desgraça.


Ao vê-lo naquele estado, correram todos a buscar socorro. O filho trouxe-lhe um banho, a filha água florida, a mulher sabonete de cheiro.


E depois houve risada que não foi brinquedo, enquanto o Juiz bufava de raiva. E os jurados já estavam cansados de esperar por ele…


Mas o Malazarte já estava longe. Até parecia que tinha parte com Belzebum.

Do livro Os grandes contos populares do mundo. Organizado por Flavio Moreira da Costa.

CHAPÉU






Era o "Chapéu".
Sem hora
boêmio
e estresse.

De como Malazarte vendeu o urubu

O dono da casa, vendo que o urubu de Pedro Malazarte era encantado e sabia descobrir todos os segredos, propôs-lhe comprá-lo.
Malazarte, pescando que estava em véspera de fazer um bom negócio, encareceu ainda mais as virtudes do urubu e pediu este mundo e o outro.
O homem vacilou em fechar o negócio, e Pedro, justamente quando uma preta velha veio trazer café à sala, disse ao dono da casa, de modo que a mucamba ouvisse:
- Este bicho é deveras encantado, patrão. Ele é capaz de descobrir outras coisas que se passam em sua casa sem o senhor saber.
- Não me diga isto!
- É o que lhe digo. Mas, para que ele não emudeça e possa contar tudo que tenha visto, é preciso que haja o maior cuidado para que nenhuma mulher lhe verta água na cabeça. E se quiser experimentar deixe-o esta noite ficar no corredor, que amanhã teremos que saber muitas novidades.
O homem aplaudiu a proposta e prometeu comprar o urubu, se saísse certo o que lhe dizia o Malazarte.
Mas a preta que tinha ouvido a combinação mal saiu da sala foi contar tudo à senhora, que ficou muito assustada, pois que, naquela noite, havia de receber a visita do sacristão da vila, e não sabia como arranjar para que o urubu candongueiro não pusesse tudo a perder.
A preta teve uma luz, e disse que não havia perigo, pois ela se encarregaria de verter água na cabeça do urubu para que ele perdesse o encanto.
Às tantas da noite todos se foram acomodar, tendo Malazarte cuidado de deixar o bicho no corredor, fazendo de sentinela.
Vai senão quando, lá para a virada da noite, a dona da casa, pé que pé, veio abrir a janela, por onde saltou para dentro o sacristão, enquanto a preta estava fazendo o que prometera na cabeça do urubu.
Quando o bicho se viu com a cabeça toda molhada, não teve mais conversa – tico! e deu uma bicada na preta lá onde quis e ela ficou segura, e vai então a negra soltou um grito.
A senhora, temendo que o marido despertasse, correu para arrancar sua mucamba do bico do bicho. Agarrou-a pelo braço, mas não houve meio. A rapariga, então no auge do aperto, apregou-se no braço da senhora, que se pôs também a gritar. O sacristão acudiu para ver se podia ajudar as duas a desvencilharem-se. Mas já a este tempo, Pedro Malazarte havia despertado o dono da casa. E os dois correram a ver o que era e encontraram aqueles três assim como estavam.
E vai então o dono da casa descobriu tudo, desancou o sacristão a pau, moeu os ossos tanto da senhora como da escrava e resolveu comprar o urubu.
Mas aí é que foi a história. Pedro Malazarte pediu pelo bicho cinco contos de réis. Abate que não abate, o homem teve mesmo de encorropichar o cobre, vintenzinho por vintenzinho, e Pedro Malazarte, deixando ficar o urubu, de quem se despediu chorando, pôs-se a caminho, mas vendo no pátio da fazenda uma carneirada, resolveu levá-la também e foi tocando como se fosse dono dela.

Do livro Os grandes contos populares do mundo. Organizado por Flávio Moreira da Costa.

De como Malazarte fez o urubu falar







Quando o pai de Pedro Malazarte entregou a alma a Deus, fez-se a partilha dos bens – uma casinha velha – entre os filhos e tocou a Pedro uma das bandeiras da porta da casa, com o que ele ficou muito contente. Pôs a porta no ombro e saiu pelo mundo. Em caminho viu um bando de urubus sobre um burro morto. Atirou a porta sobre eles e caçou um urubu que ficou com a perna quebrada.
Apanhou-o, pôs a porta às costas e continuou viagem.
Obra de uma légua ou mais, avistou uma casa de onde saía fumaça, o que queria dizer que se estava preparando o jantar.
Pedro Malazarte, que sentia fome, bateu à porta e pediu de comer.
Veio atendê-lo uma preta lambisgóia que foi logo dizer à patroa que ali estava um vagabundo, com um urubu e uma porta, a pedir de jantar.
A mulher mandou que o despachasse – que sua casa não era coito de malandros.
O marido estava de viagem e a mulher no seu bem-bom a preparar um banquete para quem ela muito bem o destinava. Neste mundo há coisas!
Pedro Malazarte, tão mal recebido que foi, resolveu subir para o telhado, valendo-se da porta que trazia e lhe serviria de escada. Subiu e ficou espreitando o que se passava naquela casa, tanto mais que sentia o cheiro dos bons petiscos.
Espiando pelos vãos das telhas viu os preparativos e tomou nota das iguarias, e ouviu as conversas e confidências da patroa e da negra.
Justamente na hora do jantar chegou o dono da casa, que resolvera voltar inesperado da viagem que fazia.
Quando a mulher percebeu que ele se aproximava mandou esconder os pratos do banquete e veio recebê-lo e abraçá-lo, muito fingida, muito risonha, mas por dentro queimando de raiva.
Vai daí mandou pôr na mesa a janta, que constava de feijão aguado, paçoca de carne-seca e cobu, dizendo:
- Por que não me avisou, marido? Sempre se havia de aprontar mais alguma coisa...
Sentaram-se à mesa.
Pedro Malazarte desceu de seu posto e bateu na porta, trazendo o urubu.
O dono da casa levantou-se e foi ver quem era.
O rapaz pediu-lhe um prato de comida e ele chamou-o para a mesa a servir-se do pouco que havia.
A mulher estava despreparada, desconfiando da volta do Malazarte.
Pedro tomou assento, puxou o urubu para debaixo da mesa, preso pelo pé num pedaço de corda de pita. Estavam os dois homens conversando, quando de repente o Malazarte pisou no pé quebrado do bicho e este se pôs a gritar: uh! uh! uh!
O dono da casa levou um susto e perguntou que diabo teria o bicho.
Pedro respondeu muito sério:
- Nada! São coisas. Está falando comigo.
- Falando! Pois o seu bicho fala?!
- Sim senhor, nós nos entendemos. Não vê como o trago sempre comigo? É um bicho mágico, mas muito intrometido.
- Como assim?
- Agora, por exemplo, está dizendo que a patroa teve aviso oculto da volta do senhor e por isso lhe preparou uma boa surpresa.
- Uma surpresa! Conte lá isso como é.
- É deveras! Uma excelente leitoa assada que está ali naquele armário...
- Pois é possível! Ó mulher, é verdade o que diz o urubu deste moço?
Ela, com receio de ser apanhada com todo o banquete, e certa já de que Pedro sabia da marosca, apressou-se em responder:
- Pois então? Pura verdade. O bicho adivinhou. Queria fazer-te a surpresa no fim do jantar.
E gritou pela preta:
- Maria, traze a leitoa.
A negra veio logo correndo, mas de má cara, com a leitoa assada, na travessa.
Daí a pouco Pedro Malazarte pisou outra vez no pé do urubu, que soltou novo grito.
O dono da casa perguntou:
- O que é que ele está dizendo?
- Bicho intrometido! Está candongando outra vez. Cala a boca, bicho!
- O que é?
- Outras surpresas...
- Outras!
- Sim senhor: um peru recheado...
- É verdade, mulher?
- Uma surpresa, maridinho do coração. Maria, traze o peru recheado que preparei para teu amo.
Veio o peru. E pelo mesmo expediente conseguiu Pedro Malazarte que viessem para a mesa todas as iguarias, doces e bebidas que havia em casa.
Ao fim do jantar, o dono da casa, encantado com as proezas do urubu, propôs compra-lo a Pedro Malazarte, que o vendeu muito bem vendido, enquanto a mulher e a preta bufavam de raiva, crentes também no poder mágico do bicho, que assim seria um constante espião de tudo quanto fizessem.



Do livro: Os grandes contos populares do mundo. Organização de Flávio Moreira da Costa.

Quando vejo tua foto

Quando vejo tua foto
o desejo se entusiasma
e me escapa
e traça um mapa
detalhado
dos encontros que teremos
nos lugares
mais secretos...
Pouco importa
se o desejo
vai se esconder
debaixo da cama
ou atrás da porta
ou se vou contar
pra todo mundo...
já que essa paixão
não é comum
(arroz com feijão)
vou soltar rojões
e espalhar pra todos
que encontrar pela frente
- menos aos amigos e parentes!

Terapia alternativa - Martha Medeiros






Conheci Zeca Baleiro no final de 2010 e, além de confirmar seu talento musical, descobri que ele escreve bem e que inclusive publicou um ótimo livro, Bala na Agulha, em que reúne crônicas postadas em seu blog, e também versos e frases soltas.


Entre suas reflexões sortidas, encontrei um poeminha que diz: "Terapia/faço em casa/ao pé da pia". Alguns anos atrás escrevi um texto em que defendia essa mesma ideia, a de que lavar louça é uma terapia alternativa das mais eficazes: quando estou com a cabeça encardida de pensamentos inúteis, pego esponja e detergente e começo a lavar todos os copos e pratos empilhados na bancada da cozinha.


É como se eu desaguasse ralo abaixo todas as minhas dúvidas e inquietações.


Dou fim à gordura que se acumula na minha massa cinzenta, as ideias vão ficando mais límpidas e, ao término do serviço, a cabecinha fica pronta pra ser usada de novo, tinindo como um cristal.


Caio Fernando Abreu, a quem ando relendo, também escreveu: “Ninguém enlouquece quando tem um tanque de roupa suja pra lavar”. Ou seja, a vida prática pode nos salvar da loucura.


O fato é que ninguém discorda: a ociosidade é mesmo um passaporte para o universo das caraminholas. A falta de um trabalho e de tarefas a cumprir nos transforma em experts em deduções estapafúrdias e em criadores de problemas inexistentes. Uma pia lotada de louça e um tanque transbordando de roupa suja é a metáfora perfeita para a salvação. Foque no que deve fazer e pare de buscar o sentido da vida.


A loucura tem sempre a ver com excesso, inclusive excesso de tempo livre. É muita angústia, muita cobrança, muita indagação, muita procura de cabelo em ovo.


À medida que usamos nosso tempo para atividades que exigem concentração específica no que se está fazendo, como, por exemplo, um projeto para concorrer ao Nobel de pesquisa científica ou lavar louça, o tempo excedente servirá para descansar e deixar que aflorem apenas os pensamentos mais prioritários. Adeus às elocubrações desnecessárias.


Se mesmo quem possui uma rotina atribulada vive em constante hemorragia mental, imagina quem pode ficar a manhã inteira se espreguiçando na cama, não tem supermercado pra fazer, não precisa ficar atento aos horários dos ônibus e com patrão nenhum exigindo eficiência: acaba mesmo pirando na batatinha. É muita inapetência a serviço do Coisa Ruim.


Portanto, ocupe-se. O trabalho não só dignifica, mas economiza nossos neurônios – não os desperdice matutando, matutando, matutando. Quando estiver pensando muita besteira, amarre um avental na cintura e mantenha sua sanidade.

Zero Hora, 9 de janeiro de 2011

Três epifanias triviais (I) - Paulo Henriques Britto




Seria trágico se não fosse bobagem.

Seria uma solução se houvesse um problema

possível de resolver. Seria uma imagem

poética se houvesse espaço pra um poema.

Estando as coisas como estão, não é mesmo nada.

O que é uma pena. Pois o gesto em si é belo

como uma ruína, ou uma xícara quebrada.

(Mas não é bem gesto, e sim a intenção de fazê-lo.

É mais a idéia de uma coisa que uma coisa,

apenas um projeto, e a plena convicção

de que mais nada vai acontecer depois,

a consciência de que a pseudo-solução

há de doer a vida inteira na lembrança,

como um castigo injusto imposto a uma criança.)


FILOSOFIA




Vida curta
curta a vida

visão
       dis
            tor
                     cida...

TEU AMOR PERDEU O LUME


Escultura de Clara Fernandes




Teu amor
perdeu
o lume

e foi derrotado
pelo caos
do ciume...

Teu amor
é torto
e esquisito

já não me fascina
entrar
nesse labirinto.

Você se perdeu
na hora de montar
o quebra-cabeças
dos pensamentos

já vai tarde demais
pra se libertar
dos meus sentimentos. 

2011





O tempo para deixar
a roupa suja de molho
e fazer o acerto de contas
pode ser a conta-gotas
ou pode ser num segundo...

Vamos ser
como a roupa
que seca no varal
suave ao vento
logo logo fica leve
e se livra dos ressentimentos...


Deixemos evaporar
nossos medos
que sejam nuvens
a povoar oceanos
e que levem consigo
toda a ganância...

Vamos inventar o dia
de um jeito alegre
e sempre que possível
com esperança!

Clipe