Neuras

Noite de tempestade. Possuído, já de madrugada, liguei pra ela. No outro dia ela rugiu: “Por que me ligou naquela hora?”. Sem ideia do ocorrido, limitei-me a responder: “Não me lembro. Bebi todas. Desculpe”. Consciente dos desmandos do meu eu mais profundo, de tudo o que ele apronta quando estou fragilizado, horas depois enviei-lhe esta mensagem: “Te liguei sem querer... querendo”.
Tinha esperança de que isto faria algum efeito em seu coração. Rolou silêncio. Indiferença. Então percebi que sou o único que precisa de um ombro pra chorar. Inocente, me amarrei em quem não tem ombro pra dar.
Passaram-se dois, três dias, e tudo foi silêncio. Já acostumado com tantas cusparadas afetivas, narrei o episódio pra alguns amigos, e eles riram. “Pobre poeta”. “Agora você está no ponto de literatura. Em quantidade e coisa que presta”. Estaremos aguardando”.
Assim que a noite cai, respiro fundo. Finalmente meu eu poético emparedou o outro eu, pai de tantas neuras. Por alguns dias tudo estará sob controle. Escreverei um best seller, se depender da sua aura. Óbvio.  Sempre haverá o risco da velha tempestade.

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)


Clipe