E o Oscar vai para...


Basta olhar com algum cuidado para perceber que estamos rodeados por alguns TIPOS de pessoas.
Um dos tipos é aquele que não resiste ao impulso de chamar a atenção dos outros, a todo momento. Enche nossa caixa de mensagens com e-mails de auto-ajuda, motivação... “Deus isso Deus aquilo...”. Seu recado vem com a observação de que é importante lê-lo, é algo sensacional e que vai mudar nossa vida.
Nesse tipo temos os bem-intencionados, os mal-intencionados, e (ambos) os ingênuos.
Há uma derivação do tipo acima. Se um bando adere a algum movimento reivindicatório, lá encontraremos nosso herói. Ele sempre é voluntário para qualquer moda que surgir. Basta um tsunami se formar através das redes sociais, e lá está ele discursando, dono da verdade. Ele se junta ao rebanho, e aumenta os decibéis de sua voz. Notamos isso, por exemplo, na insatisfação (emocional e não-racional) com o técnico do time de futebol, quando seu time é derrotado.
Um segundo TIPO, recomenda: “Passe a mensagem adiante, senão um grande mal vai se abater sobre você...” Esses reclamam por qualquer coisa, em qualquer área, e para isso acampam nas redes sociais virtuais. O monstrinho vai devorando boa parte do tempo desses bucéfalos, que ficam horas e horas hipnotizados por ele.
Um outro TIPO está sempre atento a tudo e a todos, sejam amigos, colegas de trabalho, vizinhos. Considera sua MISSÃO, nessa “grande” vida, se intrometer. Ele precisa colocar o dedo na água fervente das relações humanas. Se, por um lado, esse tipo tem muito de intrometido, por outro sua inteligência é atrofiada, pois não percebe que seu “toque genial” pode causar sofrimento nas pessoas envolvidas.
Há um tipo hiper-moderno, afeito a VIDEAR tudo o que vê pela frente. Sempre carrega uma câmera, seja do celular ou fotográfica. Para ele qualquer coisa que vê é um registro importante, e que “merece entrar” para a história.

Bem, esses são apenas alguns tipos que daremos uma estatueta.
É diante dessa visão plana, nebulosa, que temos ao encarar a realidade, que afirmo, com o filósofo Merleau-Ponty: “A verdadeira filosofia é reaprender a ver o mundo”.
Em vez de nos encaixarmos em algum tipo que, com sua ação, está atrofiando sua inteligência, vamos aprender a olhar a realidade de outros ângulos, de preferência mais criativos e menos nocivos.
Mas vamos enxergar com a originalidade de quem é livre, e não embuçalado pelos outros.
O mundo é cheio de detalhes que o olhar viciado não consegue captar. Vamos usar a inteligência (e não o LSD, por favor!) para abrir as portas de nossas percepções.

Farei aqui uma simples analogia entre nossos tipos e alguns animais: os bois, os leões e as águias.
Muitos bois são barrigudos, queixam-se a toda hora dos outros. Desconfiam tanto, tanto, que só têm tempo para satisfazer seus instintos. Muitos vezes ficam cegos, tristes e aflitos, e não encontram saída para os seus labirintos.
Muitos leões estufam o peito e gostam de mandar. Outros andam com os ombros caídos, são tímidos e se curvam, aos poucos, aos olhares dos outros. Porém, há leões que dobram de altura, quando vivem novas aventuras.
As águias possuem o centro de gravidade no meio da testa. Carregam a bondade no coração e seus olhos funcionam como espelho da mente.
Gostaria que deixássemos de ser (mansos) como os bois, tivéssemos a bravura (bem-intencionada) do leão, e o olhar afiado e inteligente da águia.

A história a abaixo, cito-a para dar ênfase àquilo que escrevi aqui.


Maria vai com as outras (Sylvia Orthof)


ERA UMA VEZ UMA OVELHA CHAMADA MARIA.
ONDE AS OUTRAS OVELHAS IAM, MARIA IA TAMBÉM.
AS OVELHAS IAM PRA BAIXO.
MARIA IA PRA BAIXO.
AS OVELHAS IAM PRA CIMA.
MARIA IA PRA CIMA.
MARIA IA SEMPRE COM AS OUTRAS.


UM DIA, TODAS AS OVELHAS FORAM PARA O POLO SUL.
MARIA FOI TAMBÉM.
AI, QUE LUGAR FRIO!
AS OVELHAS PEGARAM UMA GRIPE!!!
MARIA PEGOU GRIPE TAMBÉM.
ATCHIM!


MARIA IA SEMPRE COM AS OUTRAS.


DEPOIS TODAS AS OVELHAS FORAM PARA O DESERTO.
MARIA FOI TAMBÉM.
AI, QUE LUGAR QUENTE!
AS OVELHAS TIVERAM INSOLAÇÃO.
MARIA TEVE INSOLAÇÃO TAMBÉM. UF! PUF!


UM DIA, TODAS AS OVELHAS RESOLVERAM COMER SALADA DE JILÓ.
MARIA DETESTAVA JILÓ.
MAS, COMO TODAS AS OVELHAS COMIAM JILÓ, MARIA COMIA TAMBÉM.
QUE HORROR!


MARIA PENSOU, SUSPIROU, MAS CONTINUOU FAZENDO O QUE AS OUTRAS FAZIAM.


ATÉ QUE AS OVELHAS RESOLVERAM PULAR DO ALTO DO CORCOVADO
PRA DENTRO DA LAGOA.
TODAS AS OVELHAS PULARAM.
PULAVA UMA OVELHA,
NÃO CAIA NA LAGOA, CAIA NA PEDRA,
QUEBRAVA O PÉ E CHORAVA: MÉ!
PULAVA OUTRA OVELHA,
NÃO CAIA NA LAGOA, CAIA NA PEDRA,
QUEBRAVA O PÉ E GRITAVA: MÉ!


E ASSIM QUARENTA E DUAS OVELHAS PULARAM,
QUEBRARAM O PÉ, CHORANDO: MÉ ! MÉ! MÉ!


CHEGOU A VEZ DE MARIA PULAR.
ELA DEU UMA REQUEBRADA,
ENTROU NUM RESTAURANTE E COMEU UMA FEIJOADA.


AGORA, MÉ , MARIA VAI PARA ONDE CAMINHA O SEU PÉ!

Clipe