Ela dormiu e não vai mais acordar


Não sei quem está numa melhor. Eu aqui, me entorpecendo de cerveja, ou ela dormindo a algumas horas no caixão, pra nunca mais acordar. Eu, com medos e incertezas, ela despedindo-se do contato com as manhãs, as noites de insônia e de lua cheia.
Os comerciais de TV mostram jovens brancos, alegres, sarados e saudáveis. A felicidade, na tela, se expande com sorriso fácil.
Pouco sei de suas vidas, se visitam farmácias, se perdem o sono de madrugada. Não levo a sério o mundo que me vendem, até porque as coisas que me pedem pra comprar, como entorpecentes, não garantem mais do que meia hora de euforia.
A garota morreu. 
Tantas vezes fui na lotérica com a esperança de ser atendido por ela, na torcida de que seu olhar me encontrasse.
nunca saquei (como poderia adivinhar?) que seu sorriso e atenção não resumem a essência de uma pessoa, nem tudo que se agita no seu mundo interior. 
Agora eu sei que existe muito mais vida nos silêncios de uma princesa.
Sei que abrir mão da vida é um ato de coragem. Mas estou apegado às verdades do senso comum. É mais fácil rastejar na trilha segura do cotidiano, do que pensar nos fios tênues que nos sustentam sobre o abismo. 
E acreditamos que a angústia, a tristeza e os gestos desesperados só acontecem com os outros.
Muitos me convidam pra viajar, conhecer outros povos, estudar outras línguas. Estou convencido de que não devo estacionar neste lugar.
Mas o susto de hoje, ao saber de sua partida, acendeu uma luz: o mais importante, antes de tudo, é tentar conhecer meu mundo interior.

Clipe