CARNAVAL



Faces rosadas sobem as escadas.
É carnaval, e ela pode ser gata siamesa,
ou cobra fantasiada de ursinho de pelúcia.
Descubro a cobra com assombro.
Recuo, baixo a guarda, como fez Adão.
Furo os olhos, e meu mundo
se ilumina dos escombros.
Meu filme, finalmente, perdeu a dimensão.
Ela se aproxima e esbofeteia meu rosto,
diz que não tenho vergonha na cara,
devo pagar penitência e me auto-flagelar.
Elegante, desfila na passarela de um novo paraíso,
cheio de ultrajes sem estatística nem qualquer rigor.
De mãos abanando, tateio outra tribo,
não volto pra casa sozinho, seja lá
o que o paraíso for.

Clipe