Anônimos, sejam menos explosivos


Graças a Deus estou vivo, tanto que ouço fogos alucinados dos anônimos da cidade nesta virada de ano. Não se perguntam " o que é o tempo?". Apenas seguem a troca do calendário. Vivem a rotina do despertador, que os escraviza  a cada manhã na corrida em busca do possível. Abrem mão de velhos desejos, fazem tamanho sacrifício para que sobre uns trocos, investidos na explosão do novo ano. 
Aonde estamos? Cada rojão deve custar um livro. Que bem podia ser dado de presente. Ou doado. 
Anônimos fazem tanto barulho, e ninguém sabe quem são. Endereçam pedidos a Deus, num céu estrelado de indiferença e silêncio. Fogos de artifício talvez sejam artifício,  talvez joguem umas tintas na insensibilidade cotidiana. 
Sobras e migalhas, cara cheia do barato espumante, e o porre que passa na mesma velocidade do entusiasmo e da promessa de que este ano será de fato um novo ano. 
Minutos depois que a convenção marcou a troca de ano, tudo se acalma, anônimos esquecem os fogos e se empanturram de lentilhas, porcos e frangos. Sorrisos, vivas, cumprimentos e arrotos entusiasmados. 
Ah, o dia da virada marca a superioridade do bicho-humano sobre o bicho-bicho. A guerra não se dá apenas entre sapiens e sapiens. Inventamos a pólvora também para bombardear um dos pontos fracos dos animais: seus ouvidos. 
Em vez de explodir a frustração e os desejos reprimidos com o espocar de fogos, anônimos bem que podiam investir em outras coisas, como coçar as bolas ou enfiar os artefatos bem no meio... (Aqui, fica por conta da tua imaginação...).

Não solte fogos, meu irmão. Bichos também sofrem pelos ouvidos, e as explosões não curam tuas angústias, ódios e medos.
Tanto barulho passageiro não vai te libertar do inevitável silêncio... E do compromisso de estar durante os próximos 365 dias frente a frente com o outro, seja vizinho, rival ou patrão, e de tantos outros bichos - domesticados como você, ou não.
No final de 2016 não solte mais fogos meu irmão!

(Teco, o poeta sonhador, em: De bichos & gentes)
* Fotografia de Ângela Tamara Nunes Doebber, incansável na luta pela proteção e amor aos animais.

Clipe