Encontrei um oásis

Estava no ônibus, numa viagem de dia e meio. Cansado de ler, ouvir música, dormir, pensei anotar algo que me chamasse a atenção. Podia ser um gesto, uma paisagem, uma frase pronunciada por alguém.
Eis que uma jovem garota com seu filho de 2, 3 anos, sentados próximo ao meu banco, inventaram brinquedo novo para enganar o tempo. Assopravam bolhas de sabão, que subiam, umas pequenas, outras maiores, e beijavam, suavemente, o teto do ônibus.
Quando o menino assoprava, ele via, fascinado, nascerem novos palnetas. Lembrei de um fato dias atrás, após ler uma história para alunos de oitava série. Uma aluna afirmou que não sabia o que era uma metáfora. Disse-lhe que significava dizer uma coisa com outra coisa. Não busquei a resposta no dicionário, mas de uma fala de Pablo Neruda ao Carteiro, no filme O carteiro e o poeta.
As vivências e a consequente amizade entre o poeta e o carteiro são fascinantes. Ainda mais quando o segundo descobre que a poesia pode ajudá-lo a conquistar a mulher por quem se apaixonara.
As cenas desse filme italiando, bem como a brincadeira da mãe com o menino, no ônibus, mostraram-me o que pode ser a poesia e o poeta. Algo simples, e que ao mesmo tempo não pode ser explicada.Ocorre naquele justo instante em que captamos (capturamos?) a beleza, de um fato, imagem, etc.
Em meio a uma viagem que parecia interminável, ganhei o meu dia, pois descobri um oásis: vi com meus olhos o nascimento da poesia.

Clipe