Grilado


Tua música
não é hip hop nem rock
regae foxtrot ou rap.
Tua música é estado de graça.

Se meu coração
parece um vulcão,
como posso querer
que se abram flores
em minhas mãos?

Minha aura 
Frankenstein
num vermelho incerto
acusa o golpe
quando passas
por perto.

De que modas preciso
de piercings e brincos
alegres e doloridos
para te encantar?

Minha vontade
é invadir teu território
e fazer  a loucura
de cantar o meu amor
pra todo mundo ouvir
do décimo primeiro andar.

Quem sabe eu mude
minha estratégia:
invista numa TV 
celular internet crediário
e carregue sempre comigo
códigos e senhas
gramática e dicionário.

Sei, no apagar das luzes,
somos pouca coisa
quase um “Eu, etiqueta”
como disse o poeta.
No final da festa
não sou grande coisa
e, tudo quanto é coisa,
me locupleta!

Anote e (a)guarde:
ainda não tenho idade
pra cair em desgraça.
Com tua presença
afundo na fossa
sem identidade reputação 
nem nome limpo na praça!

Clipe