CRESCI NA PAREDE


Há um retrato na parede
que aceitou ser a síntese
da minha geografia.

Gira no sentido anti-horário
para escancarar
toda a minha agonia.

Desenhado com cuidado
escolhido o melhor ângulo
maquiou a superfície
tragicômica do meu ego.

Dediquei muito tempo
em busca do meio termo
entre me mostrar e me esconder.

A ficha caiu quando me encarei de frente
e vacilei ao ver o retrato me observar 
num desafio indiferente 
do alto da parede.

Um dia, criança,
fazia bonecos reais e imaginários
com massa de modelar.
Era um tempo em que eu e meus amigos
desfilávamos poses cheios de história e sentimento.

Agora cresci
como a erva depois da chuva
no limiar da primavera.
Ombros, primeiro o esquerdo,
depois o direito, subiram até o alto,
para contemplar o mundo do outro lado.
Minhas pernas se alongaram tanto
correndo atrás de outros continentes
- aqueles lugares que sempre quis conhecer.

Cresci tanto e mesmo assim
vivo extraviado no meu canto
e já não consigo olhar indiferente 
a este meu rosto que sorri
com ironia e espanto.

Clipe