O ORKUT DO NICHOLAS



Deparei-me com a difícil tarefa de traçar o perfil do Nicholas, para fazer seu orkut. Não pensem que estou seguro quanto à necessidade de expor meu gato de estimação na rede virtual. É que, me parece, estamos todos carentes de interatividade. E como nem sempre a relação com visinhos e amigos, pelos meios tradicionais, tem nos deixado satisfeitos, não vejo como fugirmos de novas aventuras, fazendo uso das ferramentas virtuais. Até já vi ser parodiada, em algum lugar, a frase que Fernando Pessoa eternizou: “Navegar na web é preciso, viver não é preciso”.

Não me perguntem por que o Nicholas merece interagir virtualmente. Eu decidi, movido pelas mais profundas convicções, que ele deve ampliar suas formas de convívio, para além dos quintais e telhados dos fundos das casas onde ele se move. Obviamente, fui sensibilizado pela maneira insistente com que ele roça cabeça, tronco e rabo em minhas pernas. E se isso não é um pedido por mais interação, então eu já não sei mais nada.


Tomada a decisão, vamos traçar o seu perfil. Eis um dilema: como diminuir a distância entre o que pensamos que ele é, e a imagem que ele faz de si próprio? Numa rápida pesquisa na internet, constatei que as pessoas colocam em seu perfil traços de sua personalidade considerados os ideais –os melhores. Por exemplo, ninguém admite que é carente de afeto. Vai dizer, simplesmente, “que está à procura de novos amigos”.


Pelo que tenho observado, muitas vezes o Nicholas aparece pra dar uma espiadinha e, passados cinco minutos, ele desaparece. Deduzo que veio saber se está tudo bem aqui por esses lados. Ele se preocupa com o bem-estar dos outros, é um ser altruísta.


Ao dizer essas coisas, percebo que estou me referindo à alma – de bichos e de gente. No caso da alma dos gatos, ela pode ser descrita comparando-a com a alma dos cães. Todo mundo sabe: cachorro é leal, companheiro. Quanto ao gato, dizem que ele “é doméstico só o suficiente aos seus interesses”. A Martha Medeiros (Z. H. de 10/02/2010) disse o seguinte: “Se você quer uma criatura que te siga, idolatre, agrade, atenda imediatamente ao ser chamada, que te convide a passear todos os dias, então não adote um gato”.


Isso é bom ou ruim? Não vem ao caso. O gato é mais “na dele”, é independente.


Por outro lado, se ele vem até minha casa, roça minhas pernas com cabeça e rabo, é porque traz nele traços humanos, ou busca por humanização. Foi por isso que ganhou um nome, data de aniversário, horóscopo, adereços do time a que torço, etc. E é assim que ele embarca, aos poucos, no mesmo barco que o meu, que é interagir numa sociedade de consumo.

Não pensem que não me perguntei a respeito da minha dedicação a um gato, quando tantas crianças estão com fome e desassistidas no R. S. e no Brasil. Claro que poderia me engajar em algum trabalho voluntário. Aliás, todos nós, que a cada dia cultivamos o jardim de nosso orkut, não poderíamos dedicar um pouco de nosso tempo e usar essa ferramenta para ajudar os outros?

Pensando bem, decidi dar um tempo para meu gato, vou deixa-lo passear pelos bosques e subir nos telhados da vizinhança, enquanto uso a internet para pesquisar sobre esses felinos. Vou me dedicar à poesia, ou melhor, ver que poemas foram escritos tendo os gatos como personagens. Essa é ou não é mais uma utilidade da internet? Vejam só este poema do Ferreira Gular, que encontrei num blog:


A fala do gato

O gato siamês tem uns vinte miados:
alguns são suaves, outros exaltados;
há os miados graves e há os engasgados.
É quase um idioma que ainda não entendo
mas o gato bem sabe o que está dizendo.
E até falou comigo em linguagem de gente.
Disse: "meu amigo", assim de repente.
Então eu acordei feliz e contente!
Era sonho, claro.
Mas, como se sabe,
é no sonho que ocorre o que se deseja
e no mundo não cabe.

Clipe