matinê


"Coisa mais triste quando, ao recordar um amor, a gente tenta lembrar: qual era a nossa música? E não havia". (Martha Medeiros)

Nas últimas músicas da matinê, aos domingos à tarde, é que eu procurava minha paixão adolescente para dançar.
mas quase sempre ela já tinha par.
Quando esperava por mim, minha timidez dava um jeito de estragar tudo.
Eu vacilava, ía e não ía, e logo  a música (perfeita) acabava.
As últimas músicas eram românticas, "lentas", imagino que para aproximar os corpos...
Sentir, em toda a sua extensão, o calor da paixão... E ficar a semana imaginando...
Nesse faz de conta, o amor era perfeito.
Alcançávamos o paraíso, e a duração era do tamanho da eternidade.
Mas na hora de colocar o amor em prática, conseguíamos estragar tudo!
cresci e fui me ajustando, e sendo ajustado, pelo lado prático da vida. 
Era uma necessidade.
 Tudo funcionava, mal ou bem: agendas, horários, cobranças.
Ajusta daqui, conserta (e concerta) dali, ganhamos alguma experiência, e até alguma sabedoria.
Mas as dores de amores continuam as mesmas.
E quando ouço aquelas músicas, cúmplices da minha paixão, volto a ser guri, um poeta sonhador.

Bendita - Fabrício Carpinejar



Palavra tem sentimento, muda o destino do casal. Um termo errado nos precipita ao desterro, o termo certo nos conduz ao paraíso. Falar não é um detalhe para as mulheres que nasceram para ouvir. É trocar um adjetivo, que renovamos o alvará do amor. Não podemos, homens, nos dar ao luxo da preguiça. A sedução é trabalho diário e incansável. Cultive o dicionário, colecione vocábulos, sente na gramática.
 
Não diga que ela é autoritária, diga que ela é uma liderança.
 
Não diga que ela é indiscreta, diga que ela é curiosa.
 
Não diga que ela mente, diga que ela possui uma imaginação poderosa.
 
Não diga que ela é estourada, diga que ela é corajosa.
 
Não diga que ela é atrapalhada, diga que ela é perfeccionista.
 
Não diga que ela é irritante, diga que ela é persistente.
 
Não diga que ela é consumista, diga que ela sabe escolher.
 
Não diga que ela é manipuladora, diga que ela é decidida.
 
Não diga que ela é dramática, diga que ela é emotiva.
 
Não diga que ela é vulgar, diga que ela ama a simplicidade.
 
Não diga que ela é imprudente, diga que ela é ousada.
 
Não diga que ela é ciumenta, diga que ela é interessada.
 
Não diga que ela é medrosa, diga que ela é sensível.
 
Não diga que ela cozinha mal, diga que sua comida é rústica.
 
Não diga que ela exagerou ao cortar o cabelo, diga que ela transpira independência.
 
Não diga que ela grita, diga que todos precisam ouvi-la.
 
Não diga que ela é agressiva, diga que ela é lutadora.
 
Não diga que ela é orgulhosa, diga que ela tem personalidade.
 
Não diga que ela é possessiva, diga que ela é cuidadosa.
 
Não diga que ela é mimada, diga que ela é uma princesa.
 
Não diga que ela não tem razão, diga que sua opinião é importante.
 
Não diga que ela sempre se atrasa, diga que admira sua calma.
 
Não diga que ela é confusa, diga que ela é misteriosa.
 
Não diga que ela é ambiciosa, diga que ela é sonhadora.
 
Não diga que ela entendeu errado, diga que você explicou muito rápido.
 
Não diga que ela é fofoqueira, diga que ela é bem informada.
 
Não diga que ela é obcecada, diga que ela não desiste.
 
Não diga que ela é maníaca, diga que ela é organizada.
 
Não diga que ela é gorda, nem tente encontrar um sinônimo, apenas não diga.

(Zero Hora, 26/02/2013)

Se eu fosse um padre



Numa época repleta de tragédias, sabemos que as religiões e a espiritualidade são muito importantes para nos confortar. Como seria difícil os pais enterrarem seus filhos, sem a ajuda da fé...
Por outro lado, vemos a proliferação de igrejas, não apenas de concreto, nas vilas de nossas cidades, mas também nos canais de televisão. Sabemos que tudo isso, em boa medida, não passa de um grande "negócio".
Trago aqui o que pensa o poeta, Mario Quintana, a respeito de Deus. Sem deixar de lembrar que ele brinca com as palavras, inventa e, também, vê Deus como um inventor - certamente bem-humorado, em vez de autoritário e castigador.



Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
— muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,

não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições...
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,

Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!

Porque a poesia purifica a alma
...e um belo poema — ainda que de Deus se aparte —
um belo poema sempre leva a Deus!

O mundo anda muito sério, cheio de "verdades" e dogmáticos que se autoproclamam donos da verdade. É que usam o nome de Deus, e de Jesus", com  a pretensão (falaciosa) de serem o seu porta-voz.
Está em falta, cada vez mais,  a imaginação, a criatividade, o faz de conta - que é muito peculiar  na infância.
O que aconteceu com a gente, para renunciarmos às surpresas (e belezas) da arte, da poesia e da vida?
Acho tudo isso uma renúncia à própria vida!

Jogo de palavras - Tulio Milman

Um guri de 14 anos foi ao futebol e não voltou. Aconteceu na Bolívia.
Um guri de 14 anos foi atingido no olho por um sinalizador.
E morreu.
Sentido figurado: essa areia movediça que é, ao mesmo tempo, refúgio e inferno. Ninguém aguenta uma vida literal, onde a distância entre cada palavra e seu significado se resume a uma linha reta. Mas tem hora e lugar para tudo.
Bando de loucos.
Só um louco aponta um sinalizador para uma arquibancada cheia de gente. E loucos, em bando, podem tudo. Porque são loucos. Porque ser louco é bacana. Porque só os loucos fazem parte do bando.
Jogadores, cartolas, jornalistas. Todos reproduzimos e induzimos, olhos vidrados, aos gritos: "Bando de loucos".
Batalha, exército, guerra, inimigo, morte súbita, guerreiro, matador. Termos que deveriam ser banidos para sempre do futebol. Porque a fronteira entre o literal e o figurado se apaga em um ecossistema contaminado pela paixão. É lindo morrer de amor. Na poesia. É lindo matar a saudade. Com um abraço. Num estádio de futebol lotado, ninguém está autorizado a matar. Ou morrer.
Sobe a placa: sai inimigo, entra adversário. Sai matador, entra artilheiro.
O maior jogador de todos os tempos se chama Pelé. Só. Duas sílabas que inspiram sorrisos, magia, poesia. E tem o gol do raio de sol, a folha-seca, a bicicleta, o balãozinho.
Não sei em que momento o futebol se transformou em guerra. Mas sei exatamente em que momento deveríamos depor as armas.
E esse momento já passou faz tempo.

Zero Hora de 23/02/2013 - Informe Especial - Tulio Milman

Babysol


Como é bom ir dormir
agarradinho ao lençol
que esticou toda a tarde
espreguiçadinho ao sol
viu tudo o que passava
igualzinho a um farol
e de noite me acolheu
com seu cheirinho babysol!

De luto




Canção de um dia de vento - Mario Quintana





O vento vinha ventando
pelas cortinas de tule.

As mãos da menina morta
estão varadas de luz.
No colo, juntos, refulgem
coração, âncora e cruz.

Nunca a água foi tão pura...
Quem a teria abençoado?
Nunca o pão de cada dia
teve um gosto mais sagrado.

E o vento vinha ventando
pelas cortinas de tule...

Menos um lugar na mesa,
mais um nome na oração,
da que consigo levara
cruz, âncora e coração

(E o vento vinha ventando...)

Daquela de cujas penas
Só os anjos saberão!

Esses cães...

"A verdade é que os bichos, quando imitam as pessoas, perdem toda a dignidade"
(Mario Quintana).

Esses cães que passeiam
por festas e bares
são jovens amantes 
reencarnados
ou são Ets espiões 
fantasiados
que buscam ensinamentos
sobre nossas danças de 
acasalamento.

Saudade animal


Às vezes na minha rua
passa uma música
mais linda do que 
a do caminhão do gás.
É o tropt tropt
cadenciado
dos pisantes dos cavalos...
Nessas horas bate 
uma saudade animal
dos tempos de guri
quando ouvia 
a banda municipal!

Receita de espantar a tristeza - Roseana Muray



Faça uma careta
e mande a tristeza
pra longe pro outro lado
do mar ou da lua

vá para o meio da rua
e plante bananeira
faça alguma besteira

depois estique os braços
apanhe a primeira estrela
e procure o melhor amigo
para um longo e apertado abraço.

Bomba de gasolina

Na bomba de gasolina
abasteço e corro como louco
verdadeiro animal alado
pra logo voltar e fitar
seu olhar molhado.

Antes, 
minhas idas e vindas
                    diárias
se conformavam
com as chegadas e partidas
do ônibus da rodoviária.

Agora,
eu me perfumo
e abandono a sina de ermitão
só pra chamar sua atenção!

Como ela não tem nada com isso,
ensaio algumas danças
com as asas do pavão
e sonho meu destino
com a barby que se insinua
debaixo do macacão!

Quarta-feira de cinzas


O morto

Eu estava dormindo e me acordaram
e me encontrei, assim, num mundo estranho e
                                                            louco...
E quando eu começava a compreendê-lo
um pouco,
já eram horas de dormir de novo!
(Mário Quintana).

A gurizada
bebe e urina
à noite no salão
na esquina
jorrando seu rim
num rio Potiribu.
O rio vai matar a nossa sede
de água pura destilada,
pois é o nosso destino
viver de vida reciclada.

Carnaval


Não suporto a ideia de ser moralista
mas que nenhuma dessas gatas
que bebe todas no carnaval
me apareça grávida amanhã!

Pelo amor de Deus
saibam que do short apertado
cochas bronzeadas
seios estalados
e um rebolado insinuante
repleto de tchan, tchan, tchan
vai acabar em sexo
e algumas gatas barrigudas 
amanhã de manhã...

Hoje não há tristeza
posso rir sem faz de conta
mandar a realidade pro espaço
e seguir o bloco da paixão
mas não deixo que a realidade 
perca de vista 
suas mentiras e verdades
e os tesouros perdidos 
                 da liberade.

É que debaixo de minha cama
tem um bando de ex-amores
que perturbam quem me ama
"E debaixo dessa escrita
tem sangue em vez de tinta
e alguém calado que grita" 
(Affonso Romano de Sant'anna).

O carnaval do símbolo - Celso Gutfreind



Não entendia o gosto de meu filho pelo WWE. E meu filho reclamava de minha indiferença. Lembro que ele dizia que essas lutas são de faz-de-conta, e de que sempre os personagens contam uma história. A partir de então, passei a assistir com ele e, no começo, me sentia um pouco sem graça... Agora eu leio este texto do Celso Gutfreind, poeta e psiquiatra, e percebo que o guri tinha razão, e de que tudo faz sentido...

No ano passado, o Ted Boy Marino morreu. Acusei o golpe. Ele foi meu ídolo nos anos 60. Deu-me o direito de ir dormir mais tarde. Eu sonhava acordado com inimigos imaginários. Ele foi o meu primeiro Dom Quixote. Nas lutas do telecatch, eu sorria quando o Ted vencia. E chorava se ele perdia, mas felizmente era raro. Desabei quando “quebraram” o seu braço. Pedi para engessarem o meu também. Eu o imitava dia e noite. Eu e toda a torcida do Flamengo, do Grêmio, do Inter.

Hoje seria como o UFC, com Anderson Silva. Mas não era. Tinha uma diferença. As lutas livres faziam um faz de conta, um “como se”. Até o menino de cinco anos sabia que não eram de verdade. Adultos e crianças, fingíamos juntos. O UFC não põe aspas para quebrar braços, machucar pernas, arrancar pedaços da orelha.

São anos de surra no símbolo. Na brincadeira. Na possibilidade de imaginar. A realidade vem sendo imposta direta demais. Há excesso de videogame e falta de convivência. Lutamos contra o desconhecido; ele pulsa com violência, dentro de nós. Seria mortal, caso não tivesse a festa de consertar. Mas o conserto depende de estar com o outro. Fingindo, brincando, fazendo de conta. Tocando. Da ilusão surge a criatividade. E fica, realmente, mais vivo.

O Mario Quintana falou disso, com poesia. Para ele, o ritmo é salvador. A pele entre o eu e o mundo, entre nós e as coisas. Feita com literatura, mas também com dança, música, cinema, esporte, trabalho. Com encontro. Somos, no fundo, salvos pelo teatro. Somos, no fundo, salvos pelo outro. Caso contrário, a solidão nocauteia com o soco da morte crua e verdadeira, que nos habita desde o nascimento.

O ritual das lutas sabia iludir até que nos sentíssemos prontos para lutar de fato, ou seja, metaforicamente. Crianças encontravam adultos capazes de organizar um espetáculo que representava a violência, mas não era a violência. O UFC cria pouca pele, não cava muito espaço.

Ainda não sei o que farei com a falta do Ted Boy Marino, mas aprendi a esperar. A descansar no símbolo e ficar triste à vontade sem que a realidade venha quebrar o braço, machucar a perna, danificar o cérebro. E, sobretudo, matar o coração.

Acho que vou contá-la, achar um ouvinte, estar junto até que a dor passe para eu poder ficar sozinho novamente. Atado à morte do Ted, há um fio comprido de mortos, do cão à irmã. Dos amigos de Porto Alegre a Santa Maria. Não posso deletá-los simplesmente. Sem ombro onde se apoiar, sem ter com quem falar, não haveria como sobreviver.

O faz de conta acompanhado ensinou a viver de verdade. A morrer, talvez. A prosseguir e, como se espantou o Quintana, vir à tona de todos os naufrágios. 


Zero Hora, 09/02/2013

O maluco do bairro

Para que a paranoia
de correr pra ser feliz
se tenho um enluarado
início de abril
e um amigo maluco
que namora a verdade
e vive por um triz?
Que preferiu 
divorciar-se
do prozac
enfermeira e psiquiatra
e casar-se com a cachaça
diária e sistemática?
E não é que o amalucado
é chefe de uma matilha 
de cães adotados
vigias do meu bairro?
Será que o maluco sou eu
que acha tudo isso engraçado??

Quem precisa de regras de etiqueta? - Cintia Moscovich


Nesse último domingo, 3 de fevereiro, em sua coluna na revista Donna, Celia Ribeiro conta que uma leitora enviou um e-mail discordando de um comentário feito em edição passada, segundo o qual seria invasivo tomar a iniciativa de beijar uma pessoa pública. Para a leitora, não é errado que fãs desconhecidas beijem e abracem atrizes, porque, segundo argumenta, tais pessoas dependem de seu público. Diz mais: que imagina que Celia viva “rigidamente” pautada pelas regras de etiqueta e que “seria bem mais feliz se não o fizesse”.

Ao ler o texto, me veio uma sensação de estranhamento muito grande. Primeiro, porque acho de última se pendurar no pescoço de um estranho, famoso ou não – ainda mais com aqueles gritinhos e fotos de celular. Segundo, porque até as pedras da rua sabem que Celia Ribeiro é nossa maior referência em se tratando do convívio em sociedade, sempre defendendo que as regras de etiqueta são meios de respeitar o próximo e de com ele viver em harmonia. Terceiro, porque achei de uma grosseria sem tamanho a observação de que Celia “seria bem mais feliz” se deixasse de, presumivelmente, “seguir rigidamente” a etiqueta – como se a leitora soubesse de que maneira vive ou deixa de viver a jornalista.

Com o devido respeito, mas essa mensagem da leitora é um legítimo exemplar do sem-noção total, triste produto da inversão de valores que temos vivido. Partindo de um anonimato absoluto, na tentativa de conseguir um mínimo de atenção, as pessoas se veem no direito de emitir juízos de valor e de prescrever receitas de felicidade que mais são desaforo do que legítima preocupação com o outro.

Nesta época em que todos se expõem todo o tempo e no qual as pessoas se julgam felizes porque podem sair beijando atrizes, o complicador das relações é todo mundo ter opiniões formadíssimas sobre todas as coisas, superficiais e raivosas o suficiente para se afinar com a cartilha do politicamente correto. É um tal de falar sem conhecimento de causa, de ser contra sem saber o contrário, de não gostar sem ter sequer provado, situações que são tão legítimas e boas quanto um maestro de orquestra só saber música de ouvido. 


Para agravar a situação, nas redes sociais os disparates são compartilhados milhares de vezes e em meio segundo já se tem consenso universal. Não bastasse seguir o fluxo sem nem olhar para o lado (ah, a vocação de manada!) e dizer amém para palpites os mais abobados possíveis, parece que há também um desprezo pela forma máxima de autoridade, que é aquela conquistada pela via do estudo, da experiência e da sensibilidade, como o caso exposto acima. O tempo me demonstrou que boas maneiras não são futilidade, que a alma se sente bem com um pouquinho de civilização e que beijos e abraços devem ser guardados para os íntimos.

Zero Hora, quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Preciso me apaixonar


Preciso me apaixonar
para começar outros
noventa minutos
de pulsão rolando,
sem minuto de silêncio
e homenagens ao amor
que evaporou.

Sei, no primeiro 
                   tempo
noventa por cento
será por conta
da imaginação...

Sei, não devo prever a morte
desse amor agora, antes de
entrar em campo, sem ter
acabado a fase 
do deslumbramento.

Sei, será difícil conter-me
da vontade fugitiva
toda vez que eu pensar
no castigo que terei
da dor e do rancor
de toda falta de amor
de alguma Diva.

KISS - Carlos Silveira


Às vezes, o simples viver é um ato de coragem (Sêneca).

As asas de cinza
abrem o ventre do
beijo aterrador.

A plenos pulmões
as línguas escaldantes
expõem seus artifícios.

O absurdo leva o silêncio
de galho em galho e a 
saída de emergência
cai no abismo.

A balada é segura: as
rotas de fuga iluminam
os necrotérios e quem
mente mais chora menos.

Os sonhos cremados
beijam o imponderável norte
e a razão invertebrada semeia o 
nada, a dor e a morte.

Ano passado eu morri...


Nesta semana, com tanta gente morrendo - parece-me de uma lógica absurda, se podemos falar de lógica - ando cantarolando, no silêncio de minhas emoções dilaceradas, uns versos do Belchior:
"Ano passado eu morri, mas nesse ano eu não morro!...".
Nem presto atenção ao sentido disso tudo. Me esforço para escrever algo, para tentar organizar um pouco os pensamentos, atordoados por essas "quase férias" estranhas.

***

Olho esses rostos jovens nos outdoors, repletos de beleza e promessas de vida, e não consigo deixar de associar com as espiadas dos pais às fotos dos filhos que se foram, na tragédia de Santa Maria.
Olhares serenos, abertos às tantas possibilidades do que poderiam ser no futuro... 
Nessa hora é impossível fugir da crença de que a vida é cheia de mistérios... E também de que seria bom demais a certeza de que as almas transmigram, retornam, como disse o grande filósofo Platão. Nada melhor do que ter outras oportunidades de recomeçar (re-viver), e se tornar melhor e melhor...
Os contrapontos se repetem: há o imprevisível, ou há o destino? Tudo é novidade, ou tudo é repetição?

***

A vida continua... e um elogio vale demais. 
Ela falou, na fila de espera do banco: 
- Parabéns pelo seu trabalho. 
Iluminou-se meu dia, ainda mais que a senhora foi secretária de educação do município durante muitos anos.

Clipe