Bartolomeu Júnior, o porco de Porto Alegre




Porto Alegre amanheceu interiorana nesta quarta-feira. Enquanto os moradores da suposta metrópole dormiam, um porco de 250 quilos flanava pelas ruas da zona leste da Capital.
Branco, pelos cor creme, focinho rosado, ainda não castrado e com rabo não enroscado, o animal circulou pela Avenida Ipiranga até ser amarrado a uma árvore, pouco antes das 6h, na esquina da Avenida Cristiano Fischer com Avenida Ceres, nas adjacências de um posto BR.
A piada que corria nas ruas era de que o porco havia aproveitado para passear por causa das sinaleiras lentas — referência aos testes feitos pela Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) na terça-feira pela manhã. A saga suína só seria desvendada uma hora mais tarde, quando o animal foi levado pelo motorista Benhur Barcelos Lopes para uma zona mais tranquila na Avenida Ceres, passando o motel P90. Lopes amarrou o porco e tentou fazê-lo se deitar.
— Faz cócega na paleta que ele deita — sugeriu o também motorista Flávio dos Santos da Cunha, que contou que o pai criava animais no Interior.

O animal, contudo, ignorou o carinho recebido. Quem passava pelo local é que não o ignorava: as pessoas o filmavam e o fotografavam compulsivamente. Se despertava simpatia em alguns, para a maioria, o porco identificado mais tarde como Bartolomeu Júnior, representava fogo, espeto e carne. A maior parte das piadas tinha alguma referência a churrasco.
Parte do mistério foi solucionado às 6h50min com a chegada de Teli Moreira Domingues, que disse ser sócio do dono do porco. Domingues não soube dizer o nome do animal, mas esclareceu a origem: um chiqueiro na vila Bom Jesus, onde morava com outros seis animais. Ele havia descoberto o paradeiro do porco na rádio Farroupilha e correu para lá para cuidar do seu patrimônio enquanto esperava o sócio chegar com com o transporte.
Outras pessoas, como a dona de casa Madalena Schmitz Cruz, também estavam preocupadas com a integridade física do bicho:
— Coitado, tadinho. Achei o pessoal da obra que ia carnear ele — disse .
Às 7h15min, o dono do animal chegou com uma caminhonete Fiorino bordô já com uns bons anos de uso. Gilson (não quis dizer o nome completo), 54 anos, deu os detalhes que faltavam: o nome do bicho (Bartolomeu Júnior), o preço (R$ 2 mil) e causa pouco nobre da fuga:
— Quebrou o chiqueiro para ir atrás de uma porca!
Junto, Domingues, a quem o sócio chamava de Bigode, e Gilson tentaram colocar o porco dentro da caminhonete. Não conseguiram. Gilson ainda convocou alguns transeuntes, mas ninguém prontificou. Com suor escorrendo pelo rosto, ele condenou o egoísmo humano.
Bartolomeu começou então a soltar os primeiros guinchos de desconforto e, quem sabe, revolta. Amarrado a uma árvore por duas cordas, ele começou se debater e conseguiu se soltar de uma delas. A corda teve de ser recolocada no pescoço duas vezes. Os dentes de Bartolomeu apareceram pela primeira vez.
No meio tempo, Gilson buscou reforços, dobrou o egoísmo humano e voltou com mais duas pessoas às 7h45min. Em cinco, eles ergueram os 250 quilos de guinchos e revolta e prenderam Bartolomeu na traseira da Fiorino. Trancafiado, amarrado dentro do camburão informal, o animal aceitou a nova condição, acalmou-se e voltou para a "estância" da qual veio na Vila Bom Jesus. A aventura suína havia acabado.
Claudio Goldberg Rabin - Zero Hora

Clipe