No 13 de um hospital qualquer

Ao revirar caixas com textos, apostilas, anotações, me espantei com o que vi.
Creio que fazer isso ajuda a desvendar quem somos - às vezes desconhecidos de nós mesmos, às vezes imprevisíveis e inconstantes, ou o contrário...
O poema abaixo foi escrito a mais de duas décadas, e foi inspirado (provavelmente) por uma daquelas paixões adolescentes.

Amigo,
se encontrares meu amor por aí
diga-lhe que estou no 13 de um hospital
qualquer.
Tenho as veias perfuradas
batidas do coração descompassadas
não tomo banho a dois dias
e as visitas estão escassas.

Diga a ela pra me procurar
é certo que vai me encontrar
com os olhos amarelados
enterrado numa cama antiga
cheio de coceira na cabeça
alérgico às enfermeiras
coitadas, me querem tão bem!
Dão uma força tremenda
dizem que não morrerei dessa vez...

Amigo,
se ela estiver dengosa
diga-lhe que a vida não tem replay
vivo por um fio
e já não carrego o mesmo orgulho.
Nosso amor vai florescer
prometo não ser mais eu
quando voltar a viver.

Amigo,
se a encontrares pela manhã
diga para que venha de tarde
- tomo soro de manhã.
E que traga flores
gosto de rosas vermelhas.
Se a encontrares, amigo,
diga-lhe que traga consigo
seu belo sorriso
para espantar meus pensamentos loucos.

Imploro, amigo:
traga logo meu amor
traga ela e uma flor
nosso amor não morrerá
seja como for
agora será
infecto-contagioso!

Clipe