I Colóquio Regional de Formação de professores


Nos dias 22 e 23 de maio apresentamos oficina com o seguinte tema: "Contar e escrever histórias: possibilidades de  emancipação (cura) individual e social".

I Colóquio Regional Formação de Profissionais em Educação
O Instituto Federal Farroupilha - Câmpus Santo Augusto realizou, de 21 a 23 de maio, em parceria com o Grupo de Pesquisa Formação Cultural, Hermenêutica e Educação da Universidade Federal de Santa Maria e a Secretaria Municipal de Educação e Cultura do Município de Santo Augusto, o I Colóquio Regional Formação de Profissionais em Educação: Catástrofes, Formas de Resistência e Possibilidades de Transformação.
A solenidade de abertura, realizada na noite de quarta-feira, no Clube 7 de Setembro de Santo Augusto, contou com a presença da Diretora Geral do Câmpus Santo Augusto, Verlaine Denize Brasil Gerlach; do Prefeito de Santo Augusto, José Luiz Andrighetto; da Diretora de Ensino do Câmpus Santo Augusto, Clarinês Hames; da Secretária Municipal de Educação de Santo Augusto, Zaira Dias Meirelles Rotilli; da Diretora de Pesquisa Extensão e Produção do Câmpus Santo Augusto, Leidi Daiana Preichardt; do Vice-presidente da Câmara de Vereadores, Ultramar Luiz de Souza; da Coordenadora Geral do Evento, Teoura Benetti; bem como os mais de 400 inscritos.
Na ocasião, os participantes assistiram a apresentação do Grupo de Violão Encanto, da Escola Municipal Antonio João e na sequência a conferência de abertura, intitulada "Resistência, cidadania e educação no contexto pós-traumático", mediada pelo professor do Câmpus Santo Augusto, Me. Mauricio Cristiano de Azevedo, e proferida pelos professores, Dr. Amarildo Luiz Trevisan (UFSM) e Dr. Geraldo Antônio da Rosa (UNC/UNIPLAC).
O evento, promovido através de um projeto de extensão, coordenado pela professora Téoura Benetti, direcionado aos professores e servidores técnicos administrativos das escolas das redes de ensino de Santo Augusto e região, assim como aos acadêmicos do Curso de Licenciatura em Computação do Câmpus Santo Augusto, teve como objetivo principal, promover a formação continuada e estimular o debate em educação.
A programação continuou na manhã de quinta-feira, dia 22, com as palestras: "A (in) sustentável dureza do ser: a questão do medo e da desconfiança como geradoras da busca do controle", ministrada pelo professor Dr. Valdo Barcelos (UFSM), e "O reconhecimento da figura docente diante dos traumas cotidianos", ministrada pela professora Drª. Maiane Hatschbach Ourique (UNIPAMPA). À tarde ocorreram os minicursos e à noite o cine debate como a exibição do filme "Utopia e Barbárie", dirigido por Silvio Tendler.
Na manhã de sexta-feira, dia 23, ocorreram as palestras: "Catástrofe: fazer e sofrer o mal", com o professor Dr. Noeli Dutra Rossatto (UFSM), "Resiliência ao trágico na vivência docente/discente, saber fazer ou saber expressar" com a psicóloga Fabiane Bortoluzzi Angelo (psicóloga do Instituto Condor e Coordenadora do GT Ações por Santa Maria) e "Histórias de fins...histórias sem fins: dor e sinais de recuperação nos espaços público e privado", com a psicóloga Rosana DOrio Boherer (Pós Doutoranda na UFSM, psicóloga do Instituto Condor e Coordenador do GT Ações por Santa Maria). À tarde foram concluídos os minicursos e à noite, encerrando a programação, ocorreu o cine debate com a exibição do filme "Edukators" dirigido por Hans Weingartner.
Carla Maron
Jornalista do Instituto Federal Farroupilha - Câmpus Santo Augusto
Outras fotos no site http://www.sa.iffarroupilha.edu.br/site/conteudo.php?cat=13&sub=2376

Coragem!


Contracene
agarre o
mistério!

É o mágico
momento
de sabor
cítrico

sentimento frágil
um desejo místico

momento ébrio
que se conta no dedo...

Cadê a coragem
pra se livrar
desse medo?!

O Bandido sabia...




Me parece que boa parte do que rola no facebook começa a fazer sentido ao ler este poema do Paulo Leminski:

“Merda é Ouro

MERDA É OURO

Merda é veneno.
No entanto, não há nada
que seja mais bonito
que uma bela cagada.
Cagam ricos, cagam pobres,
cagam reis e cagam fadas.
Não há merda que se compare

à bosta da pessoa amada.”

Bartolomeu Júnior, o porco de Porto Alegre




Porto Alegre amanheceu interiorana nesta quarta-feira. Enquanto os moradores da suposta metrópole dormiam, um porco de 250 quilos flanava pelas ruas da zona leste da Capital.
Branco, pelos cor creme, focinho rosado, ainda não castrado e com rabo não enroscado, o animal circulou pela Avenida Ipiranga até ser amarrado a uma árvore, pouco antes das 6h, na esquina da Avenida Cristiano Fischer com Avenida Ceres, nas adjacências de um posto BR.
A piada que corria nas ruas era de que o porco havia aproveitado para passear por causa das sinaleiras lentas — referência aos testes feitos pela Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) na terça-feira pela manhã. A saga suína só seria desvendada uma hora mais tarde, quando o animal foi levado pelo motorista Benhur Barcelos Lopes para uma zona mais tranquila na Avenida Ceres, passando o motel P90. Lopes amarrou o porco e tentou fazê-lo se deitar.
— Faz cócega na paleta que ele deita — sugeriu o também motorista Flávio dos Santos da Cunha, que contou que o pai criava animais no Interior.

O animal, contudo, ignorou o carinho recebido. Quem passava pelo local é que não o ignorava: as pessoas o filmavam e o fotografavam compulsivamente. Se despertava simpatia em alguns, para a maioria, o porco identificado mais tarde como Bartolomeu Júnior, representava fogo, espeto e carne. A maior parte das piadas tinha alguma referência a churrasco.
Parte do mistério foi solucionado às 6h50min com a chegada de Teli Moreira Domingues, que disse ser sócio do dono do porco. Domingues não soube dizer o nome do animal, mas esclareceu a origem: um chiqueiro na vila Bom Jesus, onde morava com outros seis animais. Ele havia descoberto o paradeiro do porco na rádio Farroupilha e correu para lá para cuidar do seu patrimônio enquanto esperava o sócio chegar com com o transporte.
Outras pessoas, como a dona de casa Madalena Schmitz Cruz, também estavam preocupadas com a integridade física do bicho:
— Coitado, tadinho. Achei o pessoal da obra que ia carnear ele — disse .
Às 7h15min, o dono do animal chegou com uma caminhonete Fiorino bordô já com uns bons anos de uso. Gilson (não quis dizer o nome completo), 54 anos, deu os detalhes que faltavam: o nome do bicho (Bartolomeu Júnior), o preço (R$ 2 mil) e causa pouco nobre da fuga:
— Quebrou o chiqueiro para ir atrás de uma porca!
Junto, Domingues, a quem o sócio chamava de Bigode, e Gilson tentaram colocar o porco dentro da caminhonete. Não conseguiram. Gilson ainda convocou alguns transeuntes, mas ninguém prontificou. Com suor escorrendo pelo rosto, ele condenou o egoísmo humano.
Bartolomeu começou então a soltar os primeiros guinchos de desconforto e, quem sabe, revolta. Amarrado a uma árvore por duas cordas, ele começou se debater e conseguiu se soltar de uma delas. A corda teve de ser recolocada no pescoço duas vezes. Os dentes de Bartolomeu apareceram pela primeira vez.
No meio tempo, Gilson buscou reforços, dobrou o egoísmo humano e voltou com mais duas pessoas às 7h45min. Em cinco, eles ergueram os 250 quilos de guinchos e revolta e prenderam Bartolomeu na traseira da Fiorino. Trancafiado, amarrado dentro do camburão informal, o animal aceitou a nova condição, acalmou-se e voltou para a "estância" da qual veio na Vila Bom Jesus. A aventura suína havia acabado.
Claudio Goldberg Rabin - Zero Hora

Clipe