Rebelde sem causa - Ultraje a rigor



Meus dois pais me tratam muito bem
(O que é que você tem que não fala com ninguém?)
Meus dois pais me dão muito carinho
(Então porque você se sente sempre tão sozinho?)
Meus dois pais me compreendem totalmente
(Como é que cê se sente, desabafa aqui com a gente!)
Meus dois pais me dão apoio moral
(Não dá pra ser legal, só pode ficar mal!)
MAMA MAMA MAMA MAMA
(PAPA PAPA PAPA PAPA)
Minha mãe até me deu essa guitarra
Ela acha bom que o filho caia na farra
E o meu carro foi meu pai que me deu
Filho homem tem que ter um carro seu
Fazem questão que eu só ande produzido
Se orgulham de ver o filhinho tão bonito
Me dão dinheiro prá eu gastar com a mulherada
Eu realmente não preciso mais de nada
Meus pais não querem
Que eu fique legal
Meus pais não querem
Que eu seja um cara normal
Não vai dar, assim não vai dar
Como é que eu vou crescer sem ter com quem me revoltar
Não vai dar, assim não vai dar
Pra eu amadurecer sem ter com quem me rebelar

Entrevista com o patrono da feira do livro


Entrevista com patrono da 23ª Feira do Livro Infantil do Sesc e 20ª Feira do Livro de Ijuí - Américo Piovesan

Com grande repercussão e participação de excelente público até o momento, a 23ª Feira do Livro Infantil do Sesc e 20ª Feira do Livro de Ijuí tem atraído escritores de várias partes do estado e também "prata da casa". Hoje foi o lançamento de livros de autores iniciantes e também já consagrados no meio cultural: Américo Piovesan, Geraldo C. Coelho, Dieison Groff e Luceno Arno Schultz.
Com 04 publicações direcionadas ao público infanto-juvenil, o patrono da feira do livro deste ano Américo Piovesan destaca a importância do incentivo à leitura nas escolas e a participação ativa de professores no processo de alfabetização através da leitura e contação de histórias.
Em entrevista à Bah! Produção Cultural, Américo Piovesan relata sua trajetória cultural dentro do município:

1 - Como você conseguiu atingir o público infanto-juvenil, nesta realidade em que vivemos, tendo a internet e também outras formas de distração, onde a leitura seria considerada a última opção na lista das crianças e pré-adolescentes?

Esta pergunta é bem ampla. Eu tento me aproximar das crianças e dos adolescentes não só escrevendo os livros mas também contando histórias, porque tem um projeto na escola IMEAB, onde conto histórias para as crianças, para o ensino fundamental e médio, e contando histórias a gente consegue aproxima-las um pouco mais dos livros e da leitura. O fato de contar histórias aproxima eles dos autores, falamos dos novos, falamos de outros autores. É uma atividade que faz parte, toda a semana a gente faz isso. A gente indo nas escolas, formamos um hábito, as preferências, os gostos... enfim, formando os hábitos  vinculados nas pessoas, dando exemplos para os pais lerem em casa, incentivando seus filhos, fazendo com que seus filhos não deixem os livros em segundo plano, não dando espaço a internet e facebook.


2 - Quais as dificuldades encontradas para um escritor "de cidade pequena", onde há pouca base cultural? E de que forma conseguiu chegar ao 4º livro publicado?

Com muito esforço. Eu tenho o privilégio de contar com um grupo de amigos que tem uma formação cultural acessível, eles percebem a importância de incentivar o que a gente faz: formar leitores. Escrever, não só para dizer:"Publiquei um livro"... mas fazer com que este livro chegue nas escolas, digo no sentido que, o livro vai chegar e vai ser mais lido e vai haver mais interesse pra ler ele e ter fã lá também. Ai que eu entro como contador de histórias e de poemas, tentando me aproximar de uma linguagem mais lúdica para ser mais acessível, no sentido que a gente quer aproximar mais da música e da poesia.

3 - Quando surgiu este desejo de escrever histórias? E se há interesse de atingir ao público adulto com futuras publicações?

Pois é, já escrevo há cerca de 5 anos, tive uma experiência por mais de 15 anos como professor universitário, onde minhas aventuras quase todas eram voltadas à questão da filosofia, mais acadêmicas, mas eu tenho assim como hábito ler muito, tive incentivo na escola, escrevia poemas... sempre escrevi poemas na adolescência, depois, também, eu publicava, de vez em quando, em jornais.
Então, o desejo estava meio que latente já. E quando chegamos na cidade, tive tempo de parar pra pensar no que fazer no futuro. Também me tornei pai, e tendo uma criança em casa, de certa forma, e não apenas isso, mas me ajudou muito a me interessar em escrever para crianças. Meus livros não são apenas para as crianças, são para todos os públicos. A maior dificuldade é pensar que o personagem Teco é uma criança, porque o autor tenta se colocar na posição de uma criança, tenta imaginar, enfim. No fundo, não existe essa separação de público infantil, infanto-juvenil, juvenil e do adulto, é difícil fazer esta separação. A literatura é para todos. E é claro dentro da faixa etária das crianças devemos fazer uma separação. Porque teve hoje a tarde aqui na feira, uma peça de teatro baseada na obra de Simões Lopes Neto, onde não deu muito certo, não é que não deu certo, mas onde que o público era infantil e não compreendia a linguagem, onde era uma linguagem mais gauchesca, de 100 anos quase. Então, tem que tomar cuidado com isso, é claro. Mas de modo geral, a gente não fica pensando: "Bom, vou escrever agora para crianças de 5 e 6 anos, 7, 8 e 9"...


4 - Com sua visão e conhecimento cultural adquirido como escritor, como você vê o apoio cultural dentro de Ijuí?

A gente percebe alguns avanços, por outro lado, muito tarde para comemorar. Mas sou um cara otimista, tenho esperança que alguns projetos sejam colocados em prática, como um centro cultural, estas coisas... Acho que falta é uma democracia aqui, um espaço como este aqui da praça, por exemplo, um espaço mais permanente para que todo mundo possa assistir um teatro, possa ver shows, que não seja muito elitizado. Enfim, infelizmente não temos cinema, mas tem melhorado muito espero que possa melhorar cada vez mais. É o que todos nós queremos. 

5 - Como foi para você receber o convite, ou se foi uma surpresa, de ser patrono desta edição da feira do livro?

Foi uma surpresa sim, e foi uma boa surpresa. Fiquei bastante surpreso e aos poucos fui tentando assimilar o que é ser um patrono, pois eu nunca havia sido. Sempre tem a primeira vez... daqui há alguns dias fui pensar nesta experiência. Está sendo muito gratificante,  estou bastante cansado, mas é um cansaço muito bom. Depois de um dia assim, você está entre as pessoas, dos livros, de eventos culturais. É uma ótima surpresa e espero estar a altura, e me sinto cada vez mais responsável em cumprir o meu papel de incentivador da cultura e da escrita com as crianças.


Entrevista  realizada por Egmar Ribeiro
no dia 09 de Novembro de 2012 
durante lançamento do 4º livro do autor: 
Teco, o poeta sonhador - "Canções do Despertar"



Clipe