COPA DO MUNDO



Está chegando a Copa do Mundo e não resisto aos convites do meu vício. Adquiro o álbum da Copa para me acompanhar por onde eu for. São figuras repetidas e trocadas com meus amigos, e me envolvo de tal forma no negócio que até pareço “figura”.

Mas não deixei de notar o ridículo dos jogadores quando pousam pra foto. Os franceses, ah os franceses, parecem os mais exibidos. Basta observar como ajeitaram o que lhes serve de pano de fundo do cenário.

Como aeroporto interditado, a Copa retém a minha vida, não importa se a TV mostra os jogos às três da madrugada.

Montei meu altar na sala pra saudar cada Nação que entrar em campo.

Meu coração vai sobrevoar o mapa-múndi, e vai demarcar Capital por Capital com pontos coloridos. Meus sentidos vão tocar cada invenção de meus irmãos que dividem comigo este mundo.

Para não perder a hora terei à mão despertadores e celulares.

Vai ser uma força-tarefa como os trabalhos voluntários em períodos de tragédia.

A memória vai estar afiada para que os craques e heróis jamais sejam esquecidos. Vou lembrar tintim por tintim no bar e corrigir o primeiro mentiroso, não importa se for meu amigo.

Vai começar o jogo, quero todo mundo por perto. Vou ser igual a Jesus, vou dividir e brindar emoções como na Santa Ceia.

INTERVALO

Sou o intervalo



entre um plano


e outro.


Marcador de página


abandonado


no meio


do livro.



Frase sublinhada


num livro qualquer


há muitos anos.



Sou o intervalo


entre um amor que quase veio


e outro que poderia


ter sido.


Intervalo


que não foi combinado


antes de começar o jogo.

Clipe