NÂGETTS OU NUGÉTES?


A primavera começa a dar o ar da graça e a cidade, mesmo entupida de carros e, talvez por isso, com os nervos à flor da pele, fica mais colorida.  Além das flores, temos as vitrines e a variedade de anúncios espalhados pela cidade. Há uma linguagem urbana bem sortida, com uma mistura de português e inglês que, tenho a impressão, quer me humilhar.
Dia desses vi numa loja esses anúncios e tive a sensação de que era convidado a estudar inglês. Me senti também um chinelão, afinal, quando poderei ter um “office de executivo” e uma “home Studio e home black”?
Respiro fundo e constato: como ando por fora! Imagina o mico se, numa roda de amigos, eu errar a pronúncia desses termos em inglês, que estão na boca de todo mundo. E o pior, não domino nem um terço da gramática de minha língua.
Sei, sou um casmurro ao achar estranha a babel de expressões gritantes nas fachadas das lojas. Não sei bem o que me pertence. Só sei que sou convidado (ou empurrado) a entrar nessa onda, ou moda, ou tendência...
Henfil, no livro “A volta do Fradim” (de 1992), conta a história do personagem  Baixim que recebe um índio, enviado pela FUNAI, para ser integrado à civilização. Para começar o processo educativo do índio, diz Baixim:
“Pra você se integrar, vai ter primeiro que aprender a falar português! Preste atenção...”.  Então Baixim descreve um jovem, que passa por perto:
“Aquilo ali é um playboy com um blue-jeans, T-shirts, óculos Ray-ban, Hollywood king-size filtro, ronsonchiclettes e tênis reebok!”
E, diante de uma TV:
“A TV mostra um tape, agora um replay, um slide, um slogan, um jingle...”
Depois:
“Ali naquele shopping Center tem uma drug-store onde a gang dark bem cool pede hot-dog com ketchup ou então um big Mac bebe coca-cola ou Pepsi, Milk-shake, ice cream soda, ou mesmo wiskion de the rocks...”
E Baixim dá o seguinte conselho ao índio “iniciante”:
“Quando você tiver mais know how e um big background, vai tirar Xerox, mandar telex e, se tiver cash, jogar no open market ou no over night. Um dia entras numa joint venture e faz um holding...”
E, dirigindo-se ao seu aluno:
“Compreende?”
Ao que esse, prontamente,  responde:
“Yes, i do!”
Com relação a essa “culinária lingüística”, sei que não preparo grandes pratos. Apenas um miojo ou um sopa pronta de supermercado. Quanto aos nuggets, aprendi sua pronúncia correta num barzinho de esquina. Um sujeito, meio alto por causa de algumas cevas, pediu à garçonete (que por acaso era a gerente do estabelecimento) para que trouxesse o cardápio. Percorreu com os olhos a lista de opções e acabou pedindo um “nugétes”. Prontamente foi corrigido pela dona: “É nâgetts, senhor.  NÂGTTES!”
Aí, o sujeito pergunta: “De que é feito esse nugétes?”
Ao que a moça respondeu: “Nâgetts é  um misto de chikens com...”
Aí o freguês se saiu com essa:
“Faz assim, como não tô com pressa, me traz uma porção de galeto com polenta!”.

Eu, pelo que me toca, decidi entregar os pontos. De agora em diante, em vez de contar histórias, vou fazer stand up.

Clipe