Preferências


Em vez dos carrões engarrafados na hora do rush, prefiro o lata-velha que desfila solitário na madrugada.
Em vez do chafariz luxuoso na entrada do shopping, prefiro crianças brincando com mangueira d’água na periferia.
Em vez de orelhões vandalizados avenida abaixo, prefiro o muro grafitado diante da escola.
Em vez da limpeza obsessiva com lava-jato das folhas da calçada, prefiro a vovozinha cultivando flores no jardim.
Em vez de me exercitar monitorado por médico e personal trainer, prefiro caminhar tomando sorvete.
Em vez de planejar passo a passo meu futuro, prefiro adoçar o presente com sonhos e devaneios.
Em vez do silêncio dos inocentes, prefiro tomates verdes fritos.
Em vez de estar a dois passos do paraíso, prefiro apanhar um táxi pra estação lunar.
Em vez de ser o Poderoso Chefão, prefiro ser Dom Quixote.
Pra quem diz que é feio andar fora dos trilhos, digo que é tão comum ser normal!


(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

O enforcado - Lendas e fábulas do Brasil


Era uma vez um homem que veio de longe, apoiado a um bordão, como um peregrino, e que, como um peregrino, trazia sandálias de couro e roupas em farrapos. Andou dias e dias, noites e noites, semanas e meses a fio, buscando sabe Deus o que.
Certa vez as sombras da noite o alcançaram em pleno descampado e ele não saberia dizer se estava longe ou perto de uma cidade, porque uma alta montanha em frente lhe fechava o horizonte. E então, cansado de andar, vendo uma árvore copada, no campo, resolveu nela passar a noite. Descalçou as sandálias, subiu agilmente pelo tronco, acomodou-se entre os galhos e adormeceu, como as aves.
Em torno era tudo silêncio. Pouco a pouco, os animais noturnos, silenciosos, saíram de suas tocas e iniciaram a caça pelos arredores.
Era tarde já, quando o homem acordou com um rumor de vozes humanas. Depois, ouviu um longo canto, e, erguendo a cabeça que tinha apoiado à forquilha formada por dois galhos, viu ao longe pequeninas luzes que ondulavam com o vento, endireitavam-se, iam de um para o outro lado, porém caminhavam, evidentemente, para o lado onde ele estava.
- Que será? – pensou, com um arrepio na espinha.
Ao aproximarem-se, reparou que eram homens vestidos com longas camisolas brancas e que levavam velas acesas. Na frente caminhava um padre, com uma cruz nas mãos.
O homem empoleirado esfriou.
- Será procissão das almas? – pensava, batendo os dentes de medo. Decidiu permanecer imóvel, para que não percebessem que ele estava ali.
Qual não foi, porém, o seu espanto e o seu susto, quando os homens pararam justamente sob a árvore, onde ele estava, e um deles falou:
- Qual de nós vai subir à árvore para trazer o homem?
Viu que eles se entreolhavam e que nenhum parecia disposto; no entanto, acabariam por se decidir. E mal pôde falar, de tanto que tremia:
- Ninguém precisa subir. Eu desço.
Nem podia acreditar no que viu em seguida, tão esquisito lhe pareceu tudo aquilo. Assim que lhe ouviram a voz os homens largaram as velas, o padre jogou a cruz para um lado, e saíram todos correndo, como se tivessem visto, naquele momento, Satanás em pessoa e, atrás dele, um milhão de demônios.
- Santo Deus! – gemeu o homem, benzendo-se.
Pulou da árvore e saiu correndo também, mas em direção oposta à dos outros.
Assim que o dia clareou, o peregrino voltou ressabiado, curioso para ver se descobria o que havia acontecido naquele malfadado lugar.
- Eu com medo deles e eles com medo de mim, essa é boa! – resmungava intrigado.
Foi direto à árvore e correu-lhe um frio pela espinha. Lá estava, balouçando no ar, um homem enforcado.
Então, compreendeu tudo. Os que iam retirar o criminoso enforcado, para enterrá-lo em algum cemitério, pensaram que fora o morto quem respondeu que ia descer.
Mais tarde, quando o peregrino chegou à cidade, havia lá uma grande agitação. Faziam-se grupinhos em todas as esquinas, nas praças, diante da casa do padre.
Ele parou ali, para ouvir as conversas. Diziam que um enforcado respondia ao que lhe perguntavam.
- Vai-se ver é alguém que morreu inocente – opinavam.
- É capaz.
- Que aconteceu? – perguntou o peregrino, acercando-se.
- Pois foi um criminoso enforcado, fora da cidade, num angico que há no meio do campo, e ontem à noite Seu Padre e os homens das irmandades religiosas foram buscá-lo, para fazerem o enterro dele, que é falta de caridade deixar um corpo pendurado para os urubus comerem. Pois não é que na hora de irem buscar o corpo, quando confabulavam para ver quem ia subir, o defunto falou lá em cima, que não precisava ninguém subir não, que ele descia!
O peregrino nada disse.
Em suas andanças pelo mundo havia aprendido que às vezes é de boa política ocultar a verdade.
Atravessou a cidade em silêncio, em silêncio se foi, e nunca souberam os habitantes do lugar o que havia realmente acontecido.


Do livro Lendas e fábulas do Brasil. Selecionadas, prefaciadas e recontadas por Ruth Guimarães. Ed. Cultrix.

Morreu mesmo - Lindolfo Gomes

Um novato foi mandado podar umas árvores. Como não tinha prática nesse serviço e era muito tapado, apoiou a escada num dos galhos e pôs-se a serrá-lo. Passava por ali o vigário da freguesia (o padre da paróquia) e o advertiu:
- Olha, amigo, desse modo vens abaixo!
O moço era, além de estúpido, teimoso. Sem dar maior atenção ao padre, continuou o trabalho.
O padre prosseguiu o seu caminho. Vai por um pouco... Zás! Parte-se o galho e vem ao chão tanto a escada como o podador, que ficou com um dos braços em petição de miséria.
Quando se recuperou, ficou admirado com a adivinhação do padre, e pensou consigo mesmo que, se o padre tinha adivinhado seu tombo, poderia também adivinhar o dia de sua morte. Foi ao encontro do padre e falou-lhe:
- O senhor disse que eu ia cair da árvore e, dito e feito, caí mesmo. Bem que eu queria agora que o senhor adivinhasse o dia da minha morte.
O padre achou aquilo engraçado e resolveu zombar um pouco dele.
- Olha, bem sei quando você vai morrer. Será na hora em que, indo de viagem, montado na sua mula, você a vê soltar três puns seguidos.
O rapaz agradeceu muito e foi-se.
Todas as vezes que viajava, tranquilo na ruana, ia muito atento pra ver quando a mula soltava os tais puns.
Certa feita, ao chegar a uma volta do caminho, a mula preparou-se toda e soltou um, dois, três puns...
O novato, que os havia contado com o coração aos pulos e acreditando na previsão do padre, julgou chegada a sua hora extrema, atirou-se da sela pro chão e soltou um grito:
- Morri!
Não se moveu mais, seguro de que estava morto.
Vai depois, passaram por ali uns trabalhadores que deram com ele estendido no meio do caminho. Crendo-o morto, foram buscar uma rede no vizinho mais próximo, puseram-no dentro dela e o conduziram para sua casa, rezando todo o terço.
Lá muito adiante, obra de uma légua, havia duas encruzilhadas.
Os homens ficaram indecisos: qual delas seria o caminho mais curto para chegar ao cemitério?
Começaram a teimar entre si, até que o defunto ergueu a cabeça do fundo da rede e disse-lhes:
- Olhem, amigos, no tempo que eu era vivo, o caminho mais curto era à esquerda.
Assombrados, os homens atiraram a rede ao chão com o defunto e tudo e fugiram em disparada.
Com a queda o rapaz morreu de verdade.
E a adivinhação do padre foi acertada: o bicho morreu mesmo!

(do livro Contos populares brasileiros, edições Melhoramentos)


Vejo televisão, logo penso

- TRIMMMMMMMMMMMMMMMM...
- TRIMMMMMMMMMMMMMMMM...
- Alô?
- Teco, o que você está fazendo?
- Estou vendo televisão.
- Televisão? Pra quê?
- Pra saber o que pensar.
- Puta que pariu! "Temo mal, hem"?


(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Tão tão distante...


Sonda chega ao ponto mais próximo de Plutão após nove anos de viagem

Planeta-anão fica na borda do sistema solar, na órbita mais distante do sol.
New Horizons viajou quase cinco bilhões de quilômetros no espaço.



TECO - Cara, você mora muito longe daqui?
ET - Bah, é tão longe que se começo a pensar não paro mais!!

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Vocês que fazem parte dessa massa


- Teco, não consigo entender como vocês humanos conseguem, ao mesmo tempo, conceber figuras históricas geniais, como Galileu, Da Vinci, Mandela, Drummond, etc. e tal, e massas tão decadentes, como racistas, fascistas, homofóbicos, intolerantes, etc.... Consegues me explicar?
- Hum... Como você anda ácido hoje. Estou me sentindo naquela confusão intelectual que me pede pra colocar de molho todos os meus julgamentos...
- Entendi. Você já não sabe o que é certo ou errado, bom ou ruim... Só não me venha com o papo de que cada um tem a sua opinião.
- O que você quis dizer com isso?
- Massa. Boa parte de vocês é massa de manobra, manada que segue o rumo que a maioria toma!
- Putz! Hoje você tá pegando pesado com os humanos, hem?


(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Ausência

Durante minha ausência bolinei com a saudade. Retirei-me da tomada, precaução pra respirar um mundo novo. Salvo, não quis ser confundido com um pen drive carregado de dramas e conflitos. Quis abrir as portas das percepções e mergulhar num para-universo, me afastar desses humanos quase-máquinas barulhentas e ansiosas. A vida é jogo rápido e monótono. Um jardim da infância habitado por monstros. Sobreviva. Acomode-se. Sorria, você está sendo devorado.

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)


O que é que tem?

Se você é banguela, míope ou careca, narigudo, surdo ou furta-cor, o que é que tem? Você pode ser espinhento, gordo e tímido, chegar por último e dançar sozinho, ter pais ridículos ou ser adotado... Mas você pode ter amigos e amores invisíveis, e provar pra todo mundo – de Ijuí a Boa Vista do Cadeado – que todos, todos menos você, são estranhos e retardados!

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Doce sonho


Sonhei que competia com crianças, numa disparada frenética. Quem se aproximava da linha de chegada tinha água na boca. É que os troféus eram doces, lindas tortas, sorvetes, sucos e quindins. Quanto mais corria, mais distante do pódio ficava – e minhas pernas flutuavam sem sair do lugar, tamanha era a sede e a fome. Foi tanta aflição, tanta dor, que pra minha sorte fui salvo com o berro do despertador!

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

The day after - Antonio Prata



ET - E acabou por quê?
Último Remanescente da Humanidade (URH) – Resumindo bem, a Terra esquentou muito e a gente, tipo, cozinhou.
ET – Ah… Foi meteoro? Vulcão? Gigante Vermelha?
ÚRH – Não, no caso, foi vacilo, mesmo. A gente queimou petróleo, muito petróleo, até o mundo virar uma sauna seca.
ET - E queimaram petróleo pra quê?
ÚRH – Pra se locomover, basicamente. A gente criou umas caixas de metal que queimavam petróleo e te levavam de lá pra cá, sem você ter que cansar as pernas.
ET - E vocês iam de lá pra cá, pra quê? Pra fugir de predadores?
ÚRH – Não, não. Os predadores viraram bolsa e tapete bem antes. A gente queimava petróleo pra ir e voltar do trabalho, da padaria, do posto, onde a galera ia encher a caixa de metal com mais petróleo e fazer uma social na lojinha, tomando Skol latão.
ET - E por que vocês não iam a pé pro trabalho, pra padaria, pro posto, fazer social na lojinha, tomando Skol latão?
ÚRH – Porque todo mundo se aglomerava numas cidades enormes e acabava ficando meio longe do trabalho, da padaria, do posto.
ET – E por que vocês não se dividiam em cidades menores, onde dava pra fazer tudo a pé?
ÚRH – Porque nas cidades enormes tinha mais possibilidade de trabalhar e de ganhar dinheiro pra poder comprar uma caixa de metal maior e mais cara, que gastasse mais petróleo.
ET - E por que alguém quereria isso?
ÚRH - Porque dava status e status era tudo. No trabalho, na padaria, no posto, neguinho via tua caixona de metal, capaz de ir a 240 km/h e dizia: “Pô, ó o cara!”.
ET - Nossa, olhando esses escombros, agora, nem dá pra imaginar que por aqui passavam caixas de metal a 240 km/h.
ÚRH – Não, na verdade, não era assim, não: como eram muitas caixas de metal e todos queriam se locomover ao mesmo tempo, ficava tudo engarrafado. Nos horários de pico a média era de 8 km/h.
ET – Ué, até onde eu sei, com as pernas vocês podiam ir mais rápido que isso, não?
ÚRH – Poder, podia. Mas a gente preferia ir devagarinho na caixa de metal, com os vidros fechados, ar condicionado e insulfilme, de boa, ouvindo notícias sobre o trânsito e tirando meleca do nariz.
ET – Tirando meleca do nariz? Dava algum prazer físico, isso?
ÚRH – Dava um prazer medíocre. E uma culpinha, também. Prazer mesmo dava era o sexo, mas no fim ninguém mais tinha tempo pro sexo, porque tava ou trabalhando que nem louco pra comprar uma caixa de metal, ou parado dentro da caixa de metal, por horas, tentando chegar ao trabalho, onde trabalharia que nem louco pra comprar outra caixa de metal.
ET – Então vocês todos morreram porque gostavam de ficar parados em caixas de metal que queimavam petróleo pra levar vocês de lá pra cá a uma velocidade inferior à das próprias pernas?
ÚRH – É. Por causa disso, das bandejinhas de isopor e de umas pessoas que insistiram até o fim em empurrar folha na calçada com o esguicho.
ET – Oi?
ÚRH – Esquece. Podemos falar de outro assunto? E lá de onde cê vem, é bonito? Fresquinho? Tem praia?
(Antônio Prata é escritor. Publicou livros de contos, entre eles “Meio Intelectual, Meio de Esquerda”. Filho do escritor Mário Prata, escreve aos domingos na Folha de São Paulo).

Carreira solo



Dizem que devo planejar, pra encontrar o caminho certo. No momento, apenas quero inventar minha carreira solo. As bugigangas que carrego, em vez de celular, serão alegres histórias pra inspirar. Príncipe ou mocinho, lúcido ou louco como Quixote, montado no Rocinante. Parceiro de Alice, Emília e Maluquinho, darei rédeas pra aventuras, charadas e adivinhas. Nos porões, torres, escadas, contracenarei com princesas encantadas, duendes e fadas. Farei acordos políticos com lobos e três porquinhos, bruxas e chapeuzinhos, maças envenenadas e anõezinhos. Um mágico, o mago mais belo, vou namorar nas torres dos castelos. Deus me traga sonhos à vontade, me livre da insanidade de competir com todo mundo, pra exibir medalhas e diplomas na parede. Meus planos A e B não passam de maestro da orquestra. Basta alguma afinação pra vida virar festa! 

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Quero-me-encontrar



Sou do planeta Quero-brilhar e, quando os sonhos são pretensiosos, sonho que sou jogador de futebol. Quando são humildes, sou frentista ou padeiro. Motorista, de janeiro a janeiro. Médico e advogado, de fevereiro a março. Depois que meus sonhos foram roubados, persigo o sonho dos outros. Já não me reconheço diante do espelho. Meu planeta saiu dos trilhos. Hoje sonho que sou astrônomo e vasculho os céus para ver se localizo o planeta Quero-me-encontrar, porque é lá que eu quero morar!

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Metafísica


(São João Batista, de Leonardo da Vinci)

TECO – Parece bobeira perguntar, mas por que você olha tanto pro céu?
ET – Bobeira maior é responder àquilo que você já sabe!
TECO – Por que me ensinaram que, se é possível encontrar respostas pras grandes perguntas, elas virão quando olho pra cima?
ET – Quais perguntas?
TECO – “De onde viemos?”, “Para onde vamos?”
ET- Eu desci do céu, kkkkkk. Mas não sei pra onde vou... Procurar respostas para a morte e a vida após a morte é como procurar agulha num palheiro... É como dormir e não saber se vai acordar... E, se por acaso acordar, viver a surpresa de não saber o que virá pela frente!


(Tiradas do Teco, o Poeta Sonhador)

Clipe