A ARTE DE CONSERTAR BOLAS - E OUTROS BRINQUEDOS



Nas gavetas de um velho armário havia linha, agulha, cola e remendos. As bolas, de gomos com diversos formatos, não eram abandonadas pelos cantos, quando furavam. Ao contrário, eram tratadas com muito mais carinho. Tinham sete vidas... Mesmo que perdessem a cor e não as enxergássemos direito, quando o jogo estava empatado e a noite se aproximava.

Ao furarem, eram consertadas. Uma, duas, três vezes... Perdiam a cor, tornavam-se achatadas, mas permaneciam importantes. Cortar o barbante, localizar o furo, era arte para alguns. Quase sempre para o jogador mais “perna de pau”. Daí ele se destacar em meio à turma – como se fosse o dono da bola, sempre titular, fossem quais fossem as circunstâncias.

O momento do treino ou do jogo começar, no campo improvisado em meio à pastagem dos animais, era anunciado pelo ruído do quique da bola (pronunciávamos “pique”). Bastava alguns chutões para o alto e deixar a bola saltitar na grama, que a turma logo ia juntando.

A divisão dos times, a escolha dos jogadores, exigia uma assembléia demorada. Ninguém admitia perder. Porém, havia o consenso de se ajustar as peças no jogo, misturando os “feridas” com os “Pelés”.

Celito. Este era o seu nome. Intrigava-me sua amizade com as bolas: levava pouco jeito, maltratava-as quando jogava, porém era seu guardião na hora de consertá-las.

Nosso destino, valentes craques de futebol, estava nas suas mãos.

Naquela época falava-se muito de vocação e talento para escolher determinada profissão. Mas as escolhas não eram precoces, nem havia intensa pressão, desde a infância, para se decidir o que fazer quando adulto. A profissão de jogador de futebol profissional não estava em destaque. Todos jogavam e, na sua imaginação, eram Pelés, Zicos, Rivelinos...

O tempo tratava de remediar os delírios imaginários de craques de futebol que éramos. O que aconteceu pelo caminho, o vemos agora: a maioria casou, constituiu família, e toca os negócios, como seus pais...

O que Celito faz hoje em dia? Muitas coisas que ele fazia, quando éramos crianças, ele ainda faz: trata com afeto os objetos que convivem com ele. Aquilo que é do seu convívio cotidiano, ele abraça com cuidado.

Celito, aposentado, não senta na varanda “com a boca escancarada cheia de dentes esperando a morte chegar”. Ele conserta brinquedos estragados que foram abandonados pelas crianças.

Esses brinquedos são distribuídos, no final do ano, entre as crianças carentes dos bairros e vilas.

Lembro do verso da música do Raul Seixas que diz: “Eu devia estar contente porque eu tenho...” Não estou alegre nem triste. Estou me perguntando sobre o valor das coisas e das nossas escolhas e atos. Celito volta à memória e me faz perceber que, para além da vocação e especialização que buscamos em nossas vidas, o que mais vale é o amor e o entusiasmo que dedicamos às causas que abraçamos.

Clipe