Grave

Começa janeiro e as cigarras estão graves. Sua voz, sua ânsia e som. Grávidos, como outros janeiros e a gestação do ano novo. Cigarras vêm e passam, são e deixam de ser, enquanto vivo por aqui com esse medo louco de morrer. 
Chegou janeiro e as cigarras estão grávidas. Elas devem morrer pra vida continuar...
Amigo, pensas que hoje o poeta anda melancólico. Mas não. Ele apenas observa a realidade. Com toda a gravidade que ela nos dá.

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Clipe