MANIA DE TROCAR - Joel Rufino dos Santos




Era uma vez um roceiro que tinha um rádio. Que foi presente de seu pai. Era para o roceiro ouvir os jogos do Brasil na Copa do Mundo.
No primeiro jogo o Brasil empatou.
O roceiro ficou muito aborrecido. Ele só queria que o Brasil ganhasse.
Aí, disse para a mulher:
- Sinhá, o nosso rádio não presta. O Brasil só empatou. Vou trocar por coisa melhor.
E saiu.
Ia passando um tropeiro com sua tropa de burros. O roceiro perguntou:
- Troca um burro por um rádio?
O tropeiro trocou. Levou o rádio e deixou um burro chamado Roucão.
Mas Roucão era demais de burro. Aí o roceiro levou Roucão para a feira. Para ver se conseguia trocar por coisa melhor.
Na feira, tinha um menino com um pato no colo. O menino apertou a barriga do pato. Saiu um montão de moedas. Todas de ouro.
Como se chama esse pato? – perguntou o roceiro.
- Se chama Uma-vez-só.
- Troca pelo meu burro Roucão?
- O que faz o seu burro? – perguntou o menino.
- Fala 432 línguas.
O menino trocou.
O roceiro saiu todo feliz.
- Agora eu fico rico! – disse o roceiro.
E apertou a barriga do pato. Apertou que apertou. Saiu foi ouro nenhum.
Foi reclamar para o menino. Mas o menino explicou:
- Ele só faz as coisas uma vez. Por isso se chama Uma-vez-só.
O roceiro quis destrocar, mas o menino encerrou a conversa:
- Trocou, ta trocado!
Ia passando um violeiro.
- O senhor não pode me dar comida? – gritou ele para o roceiro.
O roceiro respondeu:
- Só tenho esse pato... mas troco por sua viola.
- Minha viola é encantada – disse o violeiro.
- E o que faz uma viola encantada?
- Ela toca sozinha, mas como estou com fome, troco pelo pato.
E o sorriso do roceiro saiu com a viola. Ela tocou que tocou. Tanto que o roceiro não agüentou.
Tapou os ouvidos, guardou a viola no baú. Adiantou? Qual nada!
- CHEGA!
Ficou esperando na estrada até que passou um mágico.
- Quer vender a viola?
- Troco por sua cartola.
- Sem minha cartola estou perdido, mas troco pelo meu cavalo invisível.
O roceiro não enxergava cavalo nenhum. Mas trocou.
E se arrependeu loguinho. Não sabia onde o cavalo estava. Ficou com a testa cheia de calos, dos tombos que levou tentando montar no cavalo.
Vai daí que passou um matuto. Escatapum! Deu uma trombada no cavalo invisível.
- O que é isso? – perguntou o matuto.
- É um cavalo que não se vê. Mas garanto que é bom. Quer trocar?
O matuto matutou que matutou.
Estava doido pelo cavalo invisível.
Nunca tinha visto um, na sua vida de matuto. Remexeu que remexeu na sacola.
- Só tenho um rádio...
E o roceiro deu o cavalo. E o matuto deu o rádio.
Era o rádio que o seu pai lhe tinha dado.
O roceiro ligou o rádio. E ouviu que o jogo ia começar de novo.

Do livro Mania de trocar.

Clipe