CONJECTURAS


Desenho - Fernando Pessoa

Em frente de casa, desde a manhã, um senhor de meia idade, que não mora na casa, lança olhares morteiros em seus desafios.

O olho decola por cima da rua e do movimento dos carros. Olha desenvolto, para todos os lados, não acusa timidez.

Roupas simples, à primeira vista parece da roça. Usa bigode, fiel a modas passadas. Está rude e inquieto, como aqueles seres que chegaram há pouco num lugar estranho.
Noutro ambiente, nervos excitados. Está na casa dos outros.

À tarde, domesticou-se. Após o almoço lava a louça, espia o armário com familiaridade, coloca o detergente na esponja, abre a torneira e dirige a palavra aos da casa, critica o governo com seus impostos sem fazer rodeios. Declina décadas de experiências para decifrar a estação que ora vivemos.

Já é da família. Alisa o pêlo do gato, acaricia o cachorro, encara os vizinhos como reles mortais. Decerto a digestão foi fácil, após o almoço, sem chás e sais de frutas.

Desajeitado na área, em frente à casa, com a mão no queixo, sem saber que o observo do outro lado da rua, causa-me desconforto. Nem vejo que há um cão, sentado, no pátio. De nada serve perguntar-me de onde vem, o que faz, por que está ali, se pirou ou não.

Meu filho volta do colégio. Está feliz com a escola. Como faz duas vezes por dia, mostra-me seu álbum de figurinhas. Deseja compartilhar seu prazer de colecionar. Quando abre o álbum, seus olhos, alegres e curiosos, irradiam cores e formas.
O álbum é parte de um ritual, como o regresso de Ulisses a Ítaca, sem teorias, paradigmas, conjunturas. Apenas seu pai se enreda em hipóteses.

Seu corpo sorri. Minha consciência se inquieta. Se aliena?

algo estranho acontece. Nada sei, senão conjecturas, a respeito do meu visinho.

Clipe