Inri Cristo


“Eu te perdoo por não me levares a sério”, fala docemente o homem que se autoproclama Jesus Cristo.
Tudo o que ele diz é em obediência a Deus, que chama de “Meu paizinho”.
Essa devoção a um Deus onipresente e onipotente, em vez de me comover, me faz rir.
Mas não o rejeito. Com tanta igreja e representantes de Deus no mercado, é ele quem mais me atrai. É que, como eu, ele também está ******* pra essa sociedade de *****.
Carrega uma cruz: ser impedido de falar. Não ter mídia. E tem razão. Com tantos canais falando ***** por aí, por que não deixar ele viajar no verbo?
Somos parecidos. Embora ele seja profeta do caos, das revelações e previsões catastróficas, me pareço com ele, no aspecto poético, pois a tudo observamos e escutamos, não abrimos igrejas nem cobramos dos fiéis.
Mas não deixo de rir quando ouço dizer que Deus fala com ele. Sua obediência e fidelidade me dão inveja. Por que não consigo ser assim? Nessas horas quase me autoflagelo.
A culpa se esvai quando percebo que também sou contador de histórias, como ele, o padre, o pastor, o pai, a mãe, a professora, o avô, a avó... Creio que, quanto mais imaginação e invenção, mais agrada a Deus.
Mas que entidade é esse Deus?
Se foi ele que criou tamanha máquina (fantástica) que é o universo, por que dedicaria tempo a se importar com nossas *********?
E se Jesus, na verdade, for representado não por uma figura humana, e sim, por exemplo, por uma vaca, gato ou jumento?

Diante de tantos discursos, decidi dar mais crédito aos mais cômicos e imaginativos. Eles tornam a vida mais leve. É por isso que já sou quase fã de Inri Cristo. 

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Clipe