Idiotas espancam morador de rua



O jornal Zero Hora de terça-feira, 29/11/2011, traz como uma de suas manchetes o seguinte: "Morador de rua agredido por jovens". Ao ler a notícia, me deparo com a seguinte argumentação desses jovens idiotas, para defenderem seu ato: "O homem não era ninguém, era apenas um morador de rua".
Vendo o outro, seu semelhante, como "ninguém", nossos jovens sentiram-se autorizados a agir com violência. Em seu depoimento, o pai de um desses heróis, afirmou que seu filho manifestou comportamento agressivo depois que começou a usar drogas. Os pais desse jovem deviam se perguntar sobre a gênese da coisa: por quais motivos seu filho caiu no mundo da droga?
O que falta a esses jovens? Parece que a sedução das bebidas e drogas se apossa de um vazio existencial vivido por eles. Há uma energia reprimida que se manifesta, infelizmente, através da violência. 
Uma explicação é de que essa garotada anda perdida, sem uma âncora de valores que sirva de ponto de apoio e equilíbrio. Daí surge o grupo, os estimulantes, e facilmente são persuadidos pelos argumentos da violência, que muitos deles dizem "não dar nada".
Para contrapor a essa explosão de violência por parte desses jovens, vou trazer para vocês um texto do escritor e poeta Affonso Romano Sant'Anna, "O incêndio de cada um".
O autor apresenta uma série de cenas, para mostrar pequenos acontecimentos (quase imperceptíveis) em que os personagens "desabrocham", detonam em si o que mais profundamente eles são. Viram outra pessoa.
Sant'Anna chama de "momento de sedução típico de cada um". Quando o indivíduo está assentado no que lhe é mais próprio e natural.
Obviamente, esses momentos são impulsionados pelo amor. "Estou falando de uma coisa simples e única, quando o que cada um tem de mais seu relampeja a olhos vistos. Quando isto se dá, quebra-se a monotonia e o indivíduo se transcendentaliza".
É isto o que importa. O incêndio de cada um. Cada um deve ter um jeito de deflagrar sua luz aprisionada.
No caso dos jovens agressores, em vez do incêndio criativo impulsionado pelo amor, eles foram impulsionados pela brutalidade, pelo instinto de morte, que é o que de mais assustador possui o ser humano.
 

O INCÊNDIO DE CADA UM

Affonso Romano de Sant'Anna

A cena foi simples. Ia eu passando de carro pela Lagoa quando vi na calçada uma moça esperando o ônibus com seu jeans e bolsa a tiracolo. Nada demais numa moça esperando o ônibus. Mas eis que passou um caminhão de som tocando uma lambada. Aí aconteceu. Aconteceu uma coisa quase imperceptível, mas aconteceu: os quadris da moça começaram a se mexer num ritmo aliciante. Já não era a mesma criatura antes estática, solitária, esperando o ônibus na calçada. Ela havia se coberto de graça, algo nela se incendiara.
A fotógrafa veio fazer umas fotos. Estava com o pescoço envolto num pano, pois tinha torcicolo. E eu ali posando meio frio, fingindo naturalidade, e ela cautelosa com seu pescoço meio duro, tirando uma foto aqui, outra aIi, quase burocraticamente. De repente, ela descobriu um ângulo, e pronto: se incendiou profissionalmente, jogou-se no chão, clic daqui, clic dali, vira para cá, vira para lá, este ângulo, aquele, enfim, desabrochou, o pescoço já não doía. Ela havia detonado em si o que mais profundamente ela era.
Estamos numa festa. Aquele bate-papo no meio daquelas comidinhas e bebidinhas. Mas de repente alguém insiste para que outro toque violão. Aparentemente a contragosto ele pega o instrumento. E começa a dedilhar. Pronto, virou outra pessoa. Manifestou-se. Elevou-se acima dos demais, está além da banalidade de cada um. Achou o seu lugar em si mesmo. Assim também ocorre quando vemos no palco o cantor dar seus agudos invejáveis, o bailarino dar seus saltos ou o atleta no campo disparar seus músculos e fazer aquilo que só ele pode fazer melhor que todos nós. Isto é o que ocorre quando o instrumentista pega o sax e sexualiza todo o ambiente com seu som cavernoso e erótico. Isto é o que se dá até quando um conferencista ou um professor entreabre o seu discurso e põe-se como uma sereia a seduzir a platéia, como um maestro seduz todo o teatro. 
Há um momento de sedução típico de cada um. Quando o indivíduo está assentado no que lhe é mais próprio e natural. E isto encanta. 
Claro, esses são exemplos até esperados. Mas há outros modos de o corpo de uma pessoa embandeirar-se como se tivesse achado o seu jeito único e melhor de ser. Digo, o corpo e a alma. 
Mas nem todos podemos ser tão espetaculares. Nem por isso o pequeno acontecimento é menos comovente. 
De que estou falando? De algo simples e igualmente comovente. Por exemplo: o jardineiro que ao ser jardineiro é jardineiro como só o jardineiro sabe e pode ser. 
E que ao falar das flores, ao exibi-las cercadas de palavras, percebe-se, ele está em transe. Igualmente o especialista em vinhos, que ao explicar os diversos sabores nos quatro cantos da boca faz seus olhos verterem prazer e embalam a quem o ouve com sua dionisíaca sabedoria. 
Feita com amor, até uma coleção de selos se magnifica. Se torna mais imponente que uma pirâmide se a pirâmide for descrita ou feita por quem não a ama. É assim que pode entrar pela sala alguém e servir um cafezinho, mas sendo aquele o cafezinho onde ela põe sua alma, ela se torna de uma luminosidade invejável. 
Cada um tem um momento, um gesto, um ato em que se individualiza e brilha. Nisto nos parecemos com os animais e peixes ou quem sabe com as nuvens. Animais e peixes têm isto: têm trejeitos raros e sedutores, cada um segundo sua espécie. Até as nuvens, como eu dizia, tem seu momento de glória. 
Uma vez vi um pintor em plena ação, pintando. Meu Deus! O homem era um incêndio só, uma alucinação. Sua face vibrava, havia uma febre nos seus gestos. Era uma erupção cromática, um assomo de formas e volumes. 
Então é disso que estou falando. Dessa coisa simples e única, quando o que cada um tem de mais seu relampeja a olhos vistos. Quando isto se dá, quebra-se a monotonia e o indivíduo se transcendentaliza. 
Pode parecer absurdo, mas já vi uma secretária transcendentalizar-se ao disparar seus dedos no teclado da máquina de escrever. Era uma virtuose como só o melhor violinista ou pianista sabem ser. E as pessoas achavam isto mais sensacional que se ela estivesse engolindo fogo na esquina. 
lsto é o que importa: o incêndio de cada um. Cada qual deve ter um jeito de deflagrar sua luz aprisionada. As flores fazem isto sem esforço. Igualmente os pássaros. Todos têm seu momento de revelação. É aguardar, que o outro alguma hora vai se manifestar.

Uns pelos outros - Ruth Rocha





Nesta história, a autora aborda o espaço do individualismo, o espaço do EU e, por outro lado, o espaço coletivo, o nós, o nosso.
O texto foi publicado no ano de 1986, que está historicamente situado após a abertura política do país. Na história “Uns pelos outros”, Ruth Rocha narra a história no futuro do livro, ou seja, em 1996, quando São Paulo contava 20 milhões de habitantes.
Nesta história as pessoas buscam ajudar umas às outras e a si próprias, resolvendo seus problemas individualmente, sem pensar em uma solução coletiva. A solidariedade é colocada num plano individualista: eu te ajudo, desde que você me ajude também. Um fazia PELO outro, o amigo POR outro amigo, a tia PELO sobrinho. Pensavam em FACILITAR o cotidiano, mas ninguém pensava em como RESOLVER COLETIVAMENTE um dos maiores problemas vivido neste momento: o da locomoção.
O individualismo, sutilmente, entra no cotidiano das pessoas, como forma de melhorar a vida de cada um, mas não de todos. As relações são pautadas em trocas de favores, não em troca de experiências. E o espaço público torna-se lócus de resolução de coisas particulares. (Citado de Thaís Otani Cipolini, Ruth Rocha: tramas de histórias e histórias entrecruzadas).


UNS PELOS OUTROS


Isso aconteceu há muitos anos, quando as cidades começaram a ficar tão cheias de gente que ir de um lugar para o outro se tornou um problema.
Eu morava em São Paulo, que nesta época já tinha 20 milhões de habitantes, e mesmo o metrô com suas 27 linhas principais não dava conta de transportar todo mundo.
Nas avenidas auxiliares, aquelas enormes avenidas que o prefeito eleito em 1996 construiu, e que têm 18 faixas de rodagem, o trânsito às vezes ficava parado 5, 6 horas, de maneira que as pessoas faziam de tudo dentro dos carros: liam, faziam a barba, estudavam, jogavam batalha naval, faziam tricô, jogavam xadrez, faziam de tudo!
Nas ruas secundárias as pessoas desciam dos carros, dançavam, faziam cooper, ginástica, balé, lutavam caratê...
A gente tinha que ficar o dia inteiro abrindo a porta, que toda hora tinha alguém pedindo pra usar o banheiro, beber água, ou pedindo um comprimido pra dor de cabeça.
Então, não sei bem quem foi que encontrou uma maneira de facilitar algumas tarefas, ou se foram várias pessoas ao mesmo tempo, que tiveram a mesma idéia.
O que eu sei é que todo mundo começou a trocar os encargos, uns com os outros, que era pra facilitar as coisas.
No começo facilitava, mesmo!
A gente telefonava pro amigo e pedia:
- Será que dá pra você pagar a mensalidade da minha escola que é aí pertinho?
E o outro respondia:
- Está bem, eu pago, mas será que dava pra você ir ao aniversário do Alaor, que é aí juntinho da sua casa?
Até que funcionava!
Às vezes vinham uns pedidos meio chatos:
- Você pode visitar minha sogra, por favor, que ela está doente, precisa de companhia? Ela mora mesmo no seu prédio. Como era um pedido meio chato lá vinha outro pedido chato de volta:
- Tudo bem, deste que você vá ao enterro do Dr. Genivaldo que é aí na sua esquina.
Mas tinha gente que pedia pra gente umas coisas absurdas:
- Será que dava pra você ir ao dentista por mim, enquanto eu vou comer uma pizza aqui na esquina pra você?
Aí não dava, é ou não é?
Ou então:
- Olha, vai fazer exame na escola pra mim que eu vou ao cinema pra você.
No começo, quando as pessoas pediam essas coisas, a gente recusava, naturalmente.
Mas com o tempo foi ficando tão difícil a gente se movimentar que as pessoas foram concordando em fazer a tarefa dos outros.
Tinha gente que substituía os amigos no trabalho, tinha gente que namorava a namorada dos amigos, diz que teve um que até fez operação de apendicite no lugar de um primo...
Mas aí a coisa começou a encrencar.
Porque tinha gente que era reprovada pelo outro, o outro ficava danado!
Tinha gente que namorava o namorado do outro e não devolvia. Tinha gente que pegava catapora, quando estava fazendo a tarefa dos outros e pedia indenização porque dizia que isso não estava na combinação.
E a coisa começou a ficar preta no dia que as pessoas começaram a se aproveitar da confusão.
Teve gente que tirou dinheiro do banco e não devolveu nunca mais, e teve até um espertinho que assumiu o comendo do 28° exército no lugar do General Durão e era pra ficar só um ou dois dias e ele não queria sair mais.
Mas o cúmulo, mesmo, foi no dia em que um tal de Generalino Caradura chegou cedo no palácio do Governo, e foi dizendo que o Presidente tinha telefonado pra ele, e tinha pedido que ele ficasse na presidência por uns tempos, que ele estava muito gripado, e que Brasília era muito longe, que o trânsito estava impossível e coisa e tal...
E depois que ele entrou no palácio, quem disse que ele saía?
Mas nunca mais!
Ele inventava que agora não podia, porque estava resolvendo umas coisas importantes, que agora não podia, porque ia receber uma visita de fora, que agora não podia por isso, por aquilo, por aquiloutro.
Esse cara ficou no palácio durante anos, e só saiu quando soube que tinha um cara na casa dele morando com a mulher dele, gastando o dinheiro dele e, o pior, usando o carro dele, que era feito sob encomenda nas oficinas especializadas de Cochabamba.
Essas coisas hoje em dia já são raras...
E agora vocês me desculpem. Tenho muito o que fazer.
Tenho que jogar uma partida de futebol para o meu sobrinho, enquanto ele experimenta meu vestido na costureira...

Invenção

Quando ela está por perto
me pergunto, espantado:
será que as cores que eu vejo
não são do contrário?

Quem sabe o branco, o preto,
o azul,
o vermelho, o verde, o amarelo, 
na sala de parto da criação
foram trocados...

A musa não me leva a sério.
Ela diz que minhas paqueras
são invenções e brincadeiras
de um menino apaixonado.

Sim. Ela diz que sou
invenção inventada...
Diz que minha sanidade
fraudou o controle
de qualidade!

Mundo louco
do avesso
o que ouço
o que vejo...
Acho que fui
- por um gênio
desvairado -
hipnotizado!

Alguém quem? - Martha Medeiros


Faz muitos anos. Eu estava assistindo a um show do Living Colour, som pesado que fazia tremer as paredes de um pequeno ginásio da cidade. Guitarras, sonzeira, mal dava para se falar com a pessoa ao lado.


Foi quando resolvi dar uma espiada na tal pessoa ao lado: era uma mulher com um bebê de colo que não deveria ter mais do que quatro meses. Fiquei maluca. O que aquela criança fazia em meio a uma poluição sonora que era atordoante até para adultos?


Sem falar que na época se fumava à vontade em ambientes fechados. Não resisti e, entre uma música e outra, perguntei: você acha que esse é um local adequado para um bebê? Ela poderia ter me mandado longe, já que eu estava me metendo onde não devia, mas foi educada e respondeu que sabia que não, porém ela era muito fã do Living Colour e não tinha quem pudesse ficar em casa cuidando da sua filhinha. Respondi: que tal você mesma?


Ela me deu as costas e trocou de lugar.


Essa história me veio à lembrança depois que li no blog de uma leitora um caso semelhante. Ela e a mãe estavam passando de carro por uma rua, quando viram um senhor de cabelos brancos ajoelhado junto à sua bicicleta, tentando consertá-la. As duas viram a cena e ficaram com pena do homem. Comentaram: “Coitado, alguém tem que ajudá-lo”. Rodaram mais uns metros e então frearam bruscamente. “Ora, por que não nós?”


Deram meia-volta e descobriram que o senhor de cabelos brancos não era tão senhor, e sim um rapaz precocemente grisalho, e que ele estava com quase tudo já resolvido. Recusou a ajuda, agradeceu a gentileza e ofertou às duas seu melhor sorriso. O sorriso de quem sabe que pode contar com alguém, seja esse alguém quem for.


Alguém. Uma entidade a quem confiamos a solução de todos os nossos problemas. Alguém tem que dar um jeito no país. Alguém tem que mandar arrumar a máquina da lavar. Alguém tem que pensar no futuro das crianças. Alguém tem que se mexer, alguém tem que providenciar, alguém tem que ver o que está acontecendo. Mas como ele fará isso por você, sendo alguém tão ocupado?


Na hora de falar, nos anunciamos como muito capazes, mas quando a teoria necessita ser posta em prática, somos os primeiros a transferir responsabilidades. Talvez porque preservamos uma certa arrogância de senhor do engenho, que acredita que o servilismo de seus criados é que faz a roda do mundo girar.


Talvez por egoísmo: para que sujar minhas mãos se outro pode fazer o mesmo? Talvez tenha a ver com pouca autoestima: canto de galo, mas no fundo não presto para nada. Seja o motivo que for, estamos sempre esperando que Alguém se apresente para a tarefa que julgamos não ser nossa. Abrimos mão do protagonismo em prol de uma coadjuvância acomodada e maléfica para a sociedade. Pois é, e agora? Alguém tem que fazer alguma coisa.

Zero Hora, 20 de novembro de 2011.

Oficina de contação de histórias e declamação de poemas


Hoje à tarde estivemos na Escola Municipal de Ensino Fundamental Soares de Barros, de Ijuí-R.S, interagindo com alunos de Educação Infantil e Séries Iniciais. Foram momentos intensos, com risos, surpresas e questionamentos, feitos pelos alunos ao autor de Teco, o poeta sonhador. No dia 23/11 voltaremos a essa escola, dessa vez para contar histórias e declamar poemas aos alunos de quinta a oitava séries. Agradecemos à escola pela acolhida, e aos professores e alunos pela oportunidade em corpartilharmos o gosto pelos livros e a leitura.

(arte de Guilherme Barroso)

Odabeb - Rubem Braga


Contam de Murilo Mendes que um dia ele ia passando com um amigo por uma rua de Botafogo quando viu uma mulher na janela de um sobrado. Deu uma coisa no poeta, ele se deteve na calçada fronteira, ergueu o braço e gritou:
- Meus parabéns, minha senhora. Está uma coisa belíssima! Mulher na janela! Há muito tempo não se via! Está belíssimo!
A senhora, assustada, fechou a janela bruscamente, achando que estava diante de um louco. Mas o poeta prosseguiu seu caminho com o sentimento do dever cumprido.
Também contam que um bêbado ia pela rua e um enorme jacaré ia atrás dele. Cada vez que o homem entrava em um bar o jacaré gritava: bêbado! Quando o homem saía de um bar para entrar em outro, o jacaré gritava outra vez: bêbado! Até que uma hora o homem perdeu a paciência, agarrou o jacaré pelos queixos e o virou pelo avesso, jogando-o a um canto da calçada. Quando saiu do bar o jacaré lhe disse - odabeb! - que é bêbado de trás para diante. Há outras histórias, mas penso nessa. Não matamos o nosso jacaré, nem nenhum outro bicho; apenas o que fazemos é vira-lo pelo avesso, o que é lamentável, mas ineficiente.
E a última mulher na janela foi lá dentro atender ao telefone. Os prédios são altos e se espreitam traiçoeiramente com binóculos na sombra. E como todo mundo tem mais o que fazer, os poetas se tornam incômodos. Virá-los pelo avesso não é solução. Eles não silenciam - e você, que não entende os versos, pensa que ele não está querendo dizer nada. Mas "se meu verso não deu certo foi teu ouvido que entortou", disse um mestre. Os pintores também foram virados pelo avesso, mas continuam a pintar tudo tão insistentemente que, vendo suas telas, uma pessoa mal informada pode pensar que o mundo é que foi virado ao contrário.

No rebote



Quando vejo a tua foto
a vontade me escapa
e traça um mapa detalhado
dos encontros que teremos
nos lugares mais secretos.



A imaginação fugiu pela janela
arrombou todas as portas
agora bate e rebate
nas paredes da aorta!


Tua foto bate bate
na retina dos meus olhos
e no rebote me entorta!

Lançamento de livros



Na programação da XXII Feira do Livro Infantil do Sesc e XIX Feira do Livro de Ijuí, neste sábado à tarde, dia 12, na Praça da República, aconteceu o lançamento de quatro novos livros. Os quatro autores que lançaram suas obras foram Albina Bandeira Marchioro, Américo Piovesan, Marli Meiger Siekierski e Vilmar Bagetti.
Fioravante Ballin, Coordenadora Maria Ivone Juswiak, Secretário Eleandro Lizot, professor Teobaldo Branco (D), promotores da Feira e autores em pose oficial após os lançamentos das obras na tarde do sábado, na Praça da República, na Feira do Livro de 2011.
A escritora Albina Bandeira Marchioro lançou o livro “Amor e Renúncia”, no qual ela aborda a problemática da sociedade atual e das nossas famílias, a falta dos valores e princípios e a ética familiar que se refletem negativamente em nosso meio, nas escolas e na sociedade.
A autora é integrante do Círculo dos Escritores de Ijuí “Letra Fora da Gaveta” e anteriormente escreveu outros quatro livros: As Girafas Gêmeas e as Águias do Terror, Poemas e Lições, Baby Girafinha e Catherina, a Imigrante.
O professor Américo Piovesan, que atua no ensino médio no Instituto Municipal de Ensino Assis Brasil – Imeab e de contação de histórias no ensino fundamental, fez o lançamento do seu terceiro livro da Coleção Teco, o Poeta Sonhador, que tem o título “Canções Pra Não Dormir”, voltado ao público infantil e adulto.
Américo Piovesan, que é um dos blogueiros do Ijuhy.com, havia lançado da mesma coleção, em 2007, “Os Mistérios do Porão” e em 2008, “Segredos do Coração”.
Em nome do Círculo dos Escritores de Ijuí “Letra Fora da Gaveta”, a professora e escritora Marli Meiger Siekierski, fez o lançamento do livro “Portas Abertas”, que reúne uma coletânea de textos, crônicas, contos e poemas produzidos pelos associados do CEILFG.
Este é o sexto livro dos associados do “Letra Fora da Gaveta” e participam desta edição os seguintes: Albina Bandeira Marchioro, Mário Anacleto Ruchel, Lilian Marion Smidt, Juarez Foletto, Ademar Campos Bindé, Claudio Rogério Trindade, Marli Meiger Siekierski, Teobaldo Branco, Zefira Joana Gheller de Souza, Waldir Dobler e Thomaz de Aquino Moraes.
O professor Vilmar Bagetti, nascido em Ijuí e que viveu boa parte de sua vida na região de Campo Novo e Bom Progresso lançou o livro “Você já pensou em morar numa pequena comunidade?”. Esse trabalho é fruto de suas investigações sobre as lutas e a vida nessas duas cidades.
Na introdução de sua obra, o autor afirma: “Bom Progresso e Campo Novo, embora pequenas cidades, guardam a memória de seu povo, que é muito acolhedor. O seu bioma é mata atlântica, fazem parte do noroeste colonial do Estado do Rio Grande do Sul. Sua população vive muito as relações de amizade e os seus personagens históricos são muito caros, bem como todos os fatos existenciais".

Veja a galeria de fotos e entrevista, no portal http://www.ijui.com/

Eu não o conheci - Oswaldo França Junior




Meu filho foi embora e eu não o conheci. Acostumei-me com ele em casa e me esqueci de conhecê-lo. Agora que sua ausência me pesa é que vejo, como era necessário tê-lo conhecido.

 
Lembro-me dele. Lembro-me bem em poucas ocasiões.




Um dia, na sala ele me pegou na barra do paletó e me fez examinar o seu pequeno dedo machucado. Foi um exame rápido.




Uma outra vez me pediu que consertasse um brinquedo velho. Eu estava com pressa e não consertei. Mas lhe comprei um brinquedo novo. Na noite seguinte, quando entrei em casa, ele estava deitado no tapete dormindo e abraçado ao brinquedo velho. O novo estava num canto.




Eu tinha um filho e agora não tenho porque ele foi embora. Este meu filho, uma noite me chamou e disse:
- Fica comigo. Só um pouquinho, pai.
Eu não podia, mas a babá ficou com ele.
Sou um homem muito ocupado. Mas meu filho foi embora.




Foi embora e eu não o conheci.

do livro As laranjas iguais. 2. ed. Rio, Nova Fronteira, 1985.

Canções pra não dormir!

Teco, o poeta sonhador, em: Canções pra não dormir!







Em Canções pra não dormir!, Teco, o poeta sonhador, deita e rola. De rir – e sonhar. Faz valer o seu nome e a tarefa atribuída por Deus aos poetas: ajudá-lo a criar o mundo, todas as horas de todos os dias. Imodesto, Teco dá corda ao sonho e acorda a imaginação. Acelera as batidas do coração e as canções acordam Gabrielo, Laura, Ricardo, Florisbela... Circuito fechado, o sono perde o sono, abre o apetite e devora sonhos; quanto mais fantasia, mais tem vontade de fantasiar. A noite vira um hotel “5” estrelas e os pombos surfam em fios de alta tensão! Tentação. Peraltas Ets em ação. A poesia respira fundo e suas pernas compridas desfilam pelos palcos da invenção: o tempo é um boneco biruta e a criatividade um mosquito elétrico. E são cavalos, dinossauros, tubarões... Um mundo de poesias e canções para que todos caiam em sonho profundo! Ah, quase que me esqueço: um mundo que você está também convidado a criar e colorir, antes que o sol acorde. Então, vamos lá, lápis na mão, mãos à obra e boa viaaagem!


Passeando na história de Ijuí - Feira do livro municipal





Uma das diversas programações da Feira do Livro, deixou a manhã dos alunos do 1º,2º e 4º ano da Escola Municipal Fundamental Dona Leopoldina mais divertida e animada.

O "Passeando na história" levou os alunos até a Usina Velha com o objetivo de resgatar a história do município e proporcionar uma atividade de estudo diferente.


O professor Américo Piovesan, do Imeab, acompanhou as crianças e foi o “guia turístico” do passeio.

O modo de geração de energia e o potencial energético foram apresentados aos alunos, o museu de fotografia e as máquinas de geração de energia também foram visitados.

O passeio acontecerá em dois horários, 9h e 14h, até sexta-feira,11 mediante agendamento no estande da Secretaria Municipal de Educação (Smed) na Praça da República.









Ensaio



A vida é um ensaio.
Ensaiamos, como faz
       a orquestra
o tenor, o ator...

Ensaiamos até dormindo
e, acordados, deliramos os sonhos.

Mas de tanto ensaiar
pra não fazer feio
nos acostumamos a repetir
repetir sem improvisar...

Se quando crianças
os ensaios eram como passeios
          na roda gigante,
hoje os ensaios são como
concurso de vestibular.

Os diferentes estilos - Paulo Mendes Campos


Parodiando Raymond Queneau, que toma um livro inteiro para descrever de todos os modos possiveis um episódio corriqueiro, acontecido em um ônibus de Paris, narra-se aqui, em diversas modalidades de estilo, um fato comum da vida carioca, a saber: o corpo de um homem de quarenta anos presumíveis é encontrado de madrugada pelo vigia de uma construção, às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, não existindo sinais de morte violenta.


Estilo interjetivo
Um cadáver! Encontrado em plena madrugada! Em pleno bairro de Ipanema! Um homem desconhecido! Coitado! Menos de quarenta anos! Um que morreu quando a cidade acordava! Que pena!




Estilo colorido
Na hora cor-de-rosa da aurora, à margem da cinzenta Lagoa Rodrigo de Freitas, um vigia de cor preta encontrou o cadáver de um homem branco, cabelos louros, olhos azuis, trajando calça amarela, casaco pardo, sapato marrom, gravata branca com bolinhas azuis. Para este o destino foi negro.




Estilo antimunicipalista (ou estilo Rigoniano)
Quando mais um dia de sofrimentos e desmandos nasceu para esta cidade tão mal governada, nas margens imundas, esburacadas e fétidas da Lagoa Rodrigo de Freitas, e em cujos arredores falta água há vários meses, sem falar nas freqüentes mortandades de peixes já famosas, o vigia de uma construção (já permitiram, por baixo do pano, a ignominosa elevação de gabarito em Ipanema) encontrou o cadáver de um desgraçado morador desta cidade sem policiamento. Como não podia deixar de ser, o corpo ficou ali entregue às moscas que pululam naquele foco de epidemias. Até quando?




Estilo reacionário (ou estilo Edsonlimesco)
Os moradores da Lagoa Rodrigo de Freitas tiveram nesta manhã de hoje o profundo desagrado de deparar com o cadáver de um vagabundo que foi logo escolher para morrer (de bêbado) um dos bairros mais elegantes desta cidade, como se já sabe não bastasse para enfeiar aquele local uma sórdida favela que nos envergonha aos olhos dos americanos que nos visitam ou que nos dão a honra de residir no Rio.




Estilo então
Então o vigia de uma construção em Ipanema, não tendo sono, saiu então para passeio de madrugada. Encontrou então o cadáver de um homem. Resolveu então procurar um guarda. Então o guarda veio e tomou então as providencias necessárias. Aí então eu resolvi te contar isso.




Estilo áulico
À sobremesa, alguém falou ao Presidente que na manhã de hoje o cadáver de um homem havia sido encontrado na Lagoa Rodrigo de Freitas. O Presidente exigiu imediatamente que um de seus auxiliares telegrafasse em seu nome à familia enlutada. Como lhe informassem que a vitima ainda não fora identificada, S. Ex., com o seu estimulante bom humor, alegrou os presentes com uma das suas apreciadas blagues.




Estilo schmidtiano
Coisa terrivel é o encontro com um cadáver desconhecido à margem de um lago triste à luz fria da aurora! Trajava-se com alguma humildade mas seus olhos eram azuis, olhos para a festa alegre colorida deste mundo. Era trágico vê-lo morto. Mas ele não estava ali, ingressara para sempre no reino inviolável e escuro da morte, este rio um pouco profundo caluniado de morte.




Estilo Complexo de Édipo
Onde estará a mãezinha do homem encontrado morto na Lagoa Rodrigo de Freitas? Ela que o amamentou, ela que o embalou em seus braços carinhosos?




Estilo preciosista
No crepúsculo matutino de hoje, quando fulgia solitária e longínqua da Estrela-d´Alva, o atalaia de uma construção civil, que perambulava insone pela orla sinuosa e murmurante de uma lagoa serena, deparou com a atra e lúrida visão de um ignoto e gélido ser humano, já eternamente sem o hausto que vivifica.




Estilo Nelson Rodrigues
Usava gravata cor de bolinhas azuis e morreu!




Estilo sem jeito
Eu queria ter o dom da palavra, o gênio de Rui e o estro de um Castro Alves, para descrever o que se passou na manhã de hoje. Mas não sei escrever, porque nem todas as pessoas que têm sentimentos são capazes de expressar esse sentimento. Mas eu gostaria de deixar, ainda que sem brilho literário, tudo aquilo que senti. Não sei se cabe aqui a palavra sensibilidade. Talvez não caiba. Talvez seja uma tragédia. Não sei escrever, mas o leitor poderá perfeitamente imaginar o que foi isso. Triste, muito triste. Ah, se eu soubesse escrever.




Estilo fofoca
Imagina você, Tutsi, que onte eu fui ao Sacha´s, legalíssimo, e dormi de tarde. Com o tony. Pois logo hoje, minha filha, que eu estava exausta e tinha hora marcada no cabeleireiro, e estava também querendo dar uma passada na costureira, acho mesmo que vou fazer aquele plissadinho, como a Teresa, o Roberto resolveu me telefonar quando eu estava no melhor do sono. Mas o que era mesmo que eu queria te contar? Ah, menina, quando eu olhei da janela, vi uma coisa horrível, um homem morto lá na beira da Lagoa. Estou tão nervosa! Logo eu que tenho horror a gente morta!




Estilo lúdico ou infantil
Na madrugada de hoje por cima, o corpo de um homem por baixo foi encontrado por cima pelo vigia de uma construção por baixo. A vitima por baixo nao trazia identificação por cima. Tinha aparentemente por cima a idade de quarenta anos por baixo.




Estilo concretista
Dead dead man man mexe mexe mexe Mensch Mensch MENSCHEIT




Estilo didático
Podemos encarar a morte do desconhecido encontrado morto à margem da Lagoa em três aspectos: a) policial; b) humano; c) teologico. Policial:o homem em sociedade; humano: o homem em si mesmo; teologico: o homem em Deus. Policia e homem: fenômeno; alma e Deus: epifenômeno. Muito simples, como os senhores vêem.

Doidos

Doidos e apaixonados, passamos o dia um na cabeça do outro. Vivemos assim, um na soleira do outro. Para alcançarmos as horas, um no calcanhar do outro. E sonhamos bocados, um par perfeito pro outro. E olhamos vitrines, um presente pro outro...

Janela sobre o mundo II



Na parede, ao lado dos carrinhos do supermercado, está escrito:
é proibido brincar!

Na parede de um boteco de Ijuí, pode-se ler:
é proibido cantar!

Nem tudo está perdido:
ainda tem gente que canta,
ainda tem gente que brinca!

Clipe