Indiferença

Lábios e maxilares
amam a indiferença.

Os degraus da segunda-feira
culpam a terça-feira,
e atalham
o fim-de-semana.

Sou adolescente
refugiado no diário.

Papel de embrulhar presente
peixe enfeitando
o aquário.

A ilusão maquiou
rosto e olhos:
o beijo, o toque,
a presença
incandescente
quando chamar
e enfeitar os cílios.

Desisti de sonhar.
A utopia coça
o meu nariz
e me diz
que todos estão
muitiguais.

A INVENÇÃO MÁGICA



Certa vez, um sábio chinês e um gambá ficaram amigos. De tão amigos, um começou a imitar o outro.

Para eles, o que um amigo fazia, o outro também devia fazer.

O gambá queria quebrar seus próprios recordes. E adivinhem só: o recorde mais importante do gambá era ficar muitos, muuuuitos dias sem tomar banho.

Ele era muito preguiçoso. Só não era preguiçoso na hora de jogar bola. E ele usava uma boa desculpa para não tomar banho: economizar água e energia elétrica.


O Sábio Chinês começou a admirar a preguiça do Gambá. Ele pensou:
- também vou economizar água e energia elétrica. Não vou perder meu tempo debaixo do chuveiro. Mamãe Sábia vai elogiar a economia que o seu filho vai fazer!
Assim, decidiu também enforcar o banho. Mas, então, por onde eles passavam, todos reclamavam:


Uma coisa foi pro ar
não é pipa nem avião.
Alguém responda, por favor,
de onde vem este fedor?


O Gambá e o Sábio Chinês precisavam achar uma saída para não ficarem catinguentos e ouvirem piadinhas. Tiveram uma idéia: inventar um perfume que os deixasse beeeem cheirosos!
Aí, o gambá perguntou:
- Mas quem vai inventar o perfume para nós?

A tartaruga, que era amiga deles, deu a seguinte idéia:
- Existe um príncipe, que virou sapo, que conhece a fórmula de uma poção mágica de um perfume... Quem passa o perfume fica cheiroso! Dizem que o príncipe mora numa lagoa perto daqui.

O gambá e o sábio chinês ficaram entusiasmados...
- Vamos aprender com o sapo a fórmula do perfume!
- O perfume vai atrair muitas gamboas e sábias...
- Huuuummmm!... Nunca mais tomaremos banho!... Nunca mais soltaremos fedor!...
- Nunca mais ouviremos piadas!

Eles precisavam encontrar o tal sapo que um dia foi um príncipe.
Bem... sapos gostam de lagoas. E ao norte da cidade havia uma grande lagoa.

O gambá e o sábio embarcaram no táxi do camelo e foram para lá. Para sua surpresa, ao chegarem na lagoa não encontraram apenas um sapo. Havia dezenas de sapos. Centenas. Milhares. Havia três mil sapos!
Era uma lagoa enorme, super-habitada e, ali no meio, apenas um sapo que um dia foi um príncipe...
O gambá perguntou:
- Como saber qual destes sapos é o príncipe, que conhece a poção mágica do perfume?
E o sábio chinês respondeu:
- Ora! Vamos descobrir a frase mágica, dizê-la para o sapo certo, que vai então se transformar num príncipe, e que vai nos ensinar a fazer o perfume.


Os dois amigos foram conversar com os sapos. Todos estavam espreguiçados, tomando banho de sol. Olhavam pra água, olhavam pro sol, e coaxavam:
- Aaaaiiiiii, que sono!... Rooonnnkkkk... Raaaakkkk!... Aiaaaiiii, que sono!... rooonnnkkk, raaaakkkk...

Aí o gambá disse:
- Faremos um teste. Vamos inventar uma frase mágica, e dizer para este sapão, que parece ser o chefe da sapaiada!
- Eu concordo - disse o sábio Chinês - Que tal esta frase:


Fale logo sem demora,
que eu não sou de muito papo...
O que você era, antes de virar sapo?


O sapo - que estava de rooonnnkkk, raaakkk, rooonnnkkk, raaak - continuou do mesmo jeito. Foi uma decepção para os dois amigos, ver aquele bicho preguiçoso não fazer outra coisa senão roncar!

Se aquele sapo não era um príncipe, eles precisavam dizer a frase mágica para cada um dos outros sapos. Faltava perguntar para 2.999 sapos!

Ficaram dois dias dizendo a frase mágica, e nada de sapo virar príncipe! -Rooonnnnkkk, raaaakkk... rooonnnkkk, raaakkk - era só o que ouviam.

Decepcionados, perceberam que, naquela lagoa, não havia príncipe coisa nenhuma!

Cansados, e com aquela roncadeira martelando na cabeça, decidiram voltar para casa.

Ao se distanciarem da lagoa, no meio do bosque, eis que surge, detrás do tronco de uma árvore, alguém fazendo um barulho estranho. Não coaxava como um sapo. Mas ERA um sapo!


Descobriram, então, que aquele bicho fora expulso da lagoa porque cantava de um jeito diferente dos outros sapos!

O sábio chinês e o gambá resolveram, então, testar a frase mágica:


Fale logo, sem demora,
que eu não sou de muito papo...
O que você foi antes de virar sapo?


Houve um clarão e um estouro! Depois que baixou a poeira, surgiu diante de seus olhos um JOVEM CIENTISTA! Que não sabia a fórmula do perfume!... Mas tinha uma coisa muito melhor para oferecer ao gambá e ao sábio chinês: o modelo de um aquecedor solar que servia para esquentar a água e que, em vez de usar a energia elétrica, usava os raios do sol.


E eles podiam fazer o aquecedor em casa, usando materiais recicláveis, como tubos de plástico, garrafas pet e caixas de leite tetra pak.
Depois que fizeram o aquecedor, e a água ficou bem gostosa, o sábio chinês e o gambá não enforcaram mais o banho, nem nos dias de geada!

Não ouviram mais as piadinhas...
E para onde iam as gamboas e as sábias iam atrás, apaixonadas pela sombra deles...

POESIA REUNIDA - Orides Fontela

ADIVINHA

O que é impalpável
mas
pesa

o que é sem rosto
mas
fere

o que é invisível
mas
dói.

Areia e espuma - de Gibran Khalil Gibran

Um pensamento deste autor traz luz para encontrarmos alguns possíveis motivos que levam alguém a se submeter a um processo de "bombardeio" ao seu corpo, visando entrar no livro dos recordes. Diz o pensamento:

Não há luta entre o corpo e a alma, a não ser nas mentes daqueles cujas almas estão adormecidas e cujos corpos estão desajustados.

para ajudar a repensar nossas ambições, Gibran nos presenteia com a seguinte parábola:

"Havia num bosque isolado uma bonita violeta que vivia satisfeita com suas companheiras. Certa manhã, ergueu a cabeça, e viu uma rosa que se balançava acima dela, radiante e orgulhosa.

 Gemeu a violeta, dizendo: "Pouca sorte tenho eu entre as flores! Humilde é meu destino! Vivo colada à terra, e não posso erguer a face para o sol, como fazem as rosas..."

A Natureza ouviu e disse: "Que te aconteceu, filhinha? As vãs ambições apoderaram-se de ti?"

"Suplico-te, ó mãe poderosa, disse  a violeta, transforma-me numa rosa, por um dia só que seja."

"Não sabes o que estás pedindo, respondeu a Natureza. Ignoras o que se esconde de infortúnios atrás das aparentes grandezas."

"Transforma-me em rosa, insistiu a violeta, e aceitarei todas as consequências de minhas aspirações e desejos."

A Natureza estendeu sua mão mágica, e a violeta tornou-se uma rosa suntuosa. Na tarde daquele mesmo dia, o céu escureceu, e o vento e a chuva devastaram o bosque. As árvores e as roseiras foram abatidas. Só as humildes violetas escaparam ao massacre. E uma delas, olhando à sua volta, gritou às companheiras: "Olhem e vejam o que a tempestade fez das grandes plantas que se elevam com orgulho e impertinência!"

Disse uma outra: "Vivemos coladas à terra, mas escapamos à fúria dos furacões."

Uma terceira disse: "Somos pequenas e humildes; mas as tempestades nada podem contra nós."

A rainha das violetas viu também a rosa que tinha sido violeta, estendida por terra como morta. E disse: "Vejam e meditem, minhas filhas, sobre o destino da violeta que as ambições embriagaram. Que sua infelicidade lhes sirva de exemplo."

Ouvindo estas palavras, a rosa agonizante agitou-se, e disse, com voz entrecortada:

"Escutai, antes, vós, ignorantes, medíocres, covardes. Ontem, eu era como vós, humilde e satisfeita. Mas a satisfação que me protegia, também me limitava. Podia continuar a viver como vós, colada à terra, até que o inverno me envolvesse na sua neve e me levasse ao silêncio eterno, sem que conhecesse dos segredos e glórias desta vida mais do que as inúmeras gerações de violetas, desde que existem violetas.

Mas escutei no silêncio da noite, e ouvi o mundo superior dizer a este mundo: O alvo da vida é alcançar o que há além da vida. Pedi, então, à Natureza - que nada é senão a materialização de nossos sonhos invisíveis - que me transformasse em rosa. E a Natureza atendeu ao meu desejo.

Vivi uma hora como rosa. Vivi uma hora como rainha. Vi o mundo com os olhos das rosas. Ouvi a melodia de éter com os ouvidos das rosas. Acariciei a luz com as pétalas das rosas. Pode alguma de vós gabar-se desta honra?

Morro, agora, levando na alma o que nenhuma violeta jamais experimentara. Morro, sabendo o que há por trás dos horizontes estreitos onde nasci. É este o alvo da vida."

MUNDO REAL



Uma neblina
escondeu
o mundo real.

Mulher submete o corpo
a um bombardeio diário
de seis mil e quinhentas calorias
para engordar e engordar
até quebrar recordes.

Quer agarrar a história
ao ser conhecida
como a mulher
mais gorda do mundo.

Seu corpo
é um titanic
que vai naufragar.

O livro do Guiness
vai perpetuar ela no tempo
e lembrar o quanto um ser humano
pode apropriar-se do espaço.

Onde foi parar
a vergonha na cara
do mundo real?

O CRUCIFIXO - poema de Manuel Bandeira



É um crucifixo de marfim
ligeiramente amarelado,
pátina do tempo escoado.
Sempre o vi patinado assim.

Mãe, irmã, pais meus estreitando
tiveram-no ao chegar ao fim.
Hoje, em meu quarto colocado,
ei-lo velando sobre mim.

E quando se cumprir aquele
instante, que tardando vai,
de eu deixar esta vida, quero
morrer agarrado com ele.
Talvez me salve. Como - espero -
minha mãe, minha irmã, meu pai.


do livro Estrela da tarde. (1967)

Notícias automobilísticas - Giovanni Pasquali Piovesan



Coração vai bombeando
vai bombeando óleo
pra todo lado.

Bebemos a gasolina
e ficamos calados.

Trocamos nossos pneus,
e nos enchemos de esperança.


Para ganhar a corrida
aquela que se chama vida...

 
Precisamos apenas sonhar!





A morte do Glauco



Conhecemos, ou dedicamos maior atenção, às pessoas interessantes - neste caso, pela sua contribuição à cultura e ao conhecimento - depois que elas se tornaram notícia, devido a um fato chocante ou inusitado.

Foi o que aconteceu dessa vez, com o assassinato do cartunista Glauco e seu filho.

Quase sempre o cotidiano nos enreda/empareda, absorve nosso tempo e, por isso, muita coisa interessante passa batida.

É muito chocante a perda precoce de alguém, e mais ainda se tem prestado valiosos serviços à cultura.

Todos os dias perdemos (também ganhamos?) algo. Mas algumas perdas são insignificantes, se comparadas a outras.

Mais chocante ainda é quando a morte se manifesta de maneira brutal, "desnecessária", se assim podemos falar.

Se, a toda hora, a consciência de nossa morte nos angustia, diante desses atos brutais a sua presença nos apavora.

O seguinte aforismo de Nietzsche: "O homem é uma corda esticada entre o animal e o super-homem, uma corda sobre o abismo", vai, quem sabe na multiplicidade de interpretações que suscita, servir de pano de fundo para uma reflexão a respeito de nossa condição humana, demasiado humana.

Mas não tem como fugir: toda uma "potência", um para-além-do-homem, no sentido da criação, da luta em busca do novo, se esvai, devido à ação de sujeitos desajustados. Lembro, agora, do assassino do John Lennon. Acreditava ter super-poderes. Pensava que era um Deus, ou Jesus. Coincidência ou não, o assassino de Glauco e seu filho também acreditava nisso.

O que está em jogo é saber onde está a fronteira entre a lucidez e a loucura. Também, poder identificar quem é, de fato, louco, e como vai agir no convivio social.

Nietzsche, na sua genialidade, antevia o que vivenciamos hoje. Ele sabia de fronteiras e abismos.

Tomemos cuidado. Procuremos identificar quais são os loucos bons, e quais são os loucos maus. E não vamos esquecer que os loucos maus se consideram acima do bem e do mal.

Nicholas se comunica

Nicholas
se comunica
com sons roucos
alongados
ele fala
da cabeça
ao rabo.

Mas não sei
se é inteligente
ou abobado
nem se prefere
sushi
frito
ou ensopado.

Como um fantasma
aparece do nada
assustado
se enroscando
em sofás
cadeiras
e a pia,
seu alvo.

O rouco miado
não disfarça:
Nicholas
se comunica
e não se trumbica
das orelhas
ao rabo!

Fernando Sabino - A última crônica



A caminho de casa, entro num botequim da Gávea para tomar um café junto ao balcão. Na realidade estou adiando o momento de escrever. A perspectiva me assusta. Gostaria de estar inspirado, de coroar com êxito mais um ano nesta busca do pitoresco ou do irrisório no cotidiano de cada um. Eu pretendia apenas recolher da vida diária algo de seu disperso conteúdo humano, fruto da convivência, que a faz mais digna de ser vivida. Visava ao circunstancial, ao episódico. Nesta perseguição do acidental, quer num flagrante de esquina, quer nas palavras de uma criança ou num acidente doméstico, torno-me simples espectador e perco a noção do essencial. Sem mais nada para contar, curvo a cabeça e tomo meu café, enquanto o verso do poeta se repete na lembrança: "assim eu quereria o meu último poema". Não sou poeta e estou sem assunto. Lanço então um último olhar fora de mim, onde vivem os assuntos que merecem uma crônica.



Ao fundo do botequim um casal de pretos acaba de sentar-se, numa das últimas mesas de mármore ao longo da parede de espelhos. A compostura da humildade, na contenção de gestos e palavras, deixa-se acrescentar pela presença de uma negrinha de seus três anos, laço na cabeça, toda arrumadinha no vestido pobre, que se instalou também à mesa: mal ousa balançar as perninhas curtas ou correr os olhos grandes de curiosidade ao redor. Três seres esquivos que compõem em torno à mesa a instituição tradicional da família, célula da sociedade. Vejo, porém, que se preparam para algo mais que matar a fome.


Passo a observá-los. O pai, depois de contar o dinheiro que discretamente retirou do bolso, aborda o garçom, inclinando-se para trás na cadeira, e aponta no balcão um pedaço de bolo sob a redoma. A mãe limita-se a ficar olhando imóvel, vagamente ansiosa, como se aguardasse a aprovação do garçom. Este ouve, concentrado, o pedido do homem e depois se afasta para atendê-lo. A mulher suspira, olhando para os lados, a reassegurar-se da naturalidade de sua presença ali. A meu lado o garçom encaminha a ordem do freguês. O homem atrás do balcão apanha a porção do bolo com a mão, larga-o no pratinho - um bolo simples, amarelo-escuro, apenas uma pequena fatia triangular. A negrinha, contida na sua expectativa, olha a garrafa de Coca-Cola e o pratinho que o garçom deixou à sua frente. Por que não começa a comer? Vejo que os três, pai, mãe e filha, obedecem em torno à mesa um discreto ritual. A mãe remexe na bolsa de plástico preto e brilhante, retira qualquer coisa. O pai se mune de uma caixa de fósforos, e espera. A filha aguarda também, atenta como um animalzinho. Ninguém mais os observa além de mim.


São três velinhas brancas, minúsculas, que a mãe espeta caprichosamente na fatia do bolo. E enquanto ela serve a Coca-Cola, o pai risca o fósforo e acende as velas. Como a um gesto ensaiado, a menininha repousa o queixo no mármore e sopra com força, apagando as chamas. Imediatamente põe-se a bater palmas, muito compenetrada, cantando num balbucio, a que os pais se juntam, discretos: "Parabéns pra você, parabéns pra você..." Depois a mãe recolhe as velas, torna a guardá-las na bolsa. A negrinha agarra finalmente o bolo com as duas mãos sôfregas e põe-se a comê-lo. A mulher está olhando para ela com ternura - ajeita-lhe a fitinha no cabelo crespo, limpa o farelo de bolo que lhe cai ao colo. O pai corre os olhos pelo botequim, satisfeito, como a se convencer intimamente do sucesso da celebração. Dá comigo de súbito, a observá-lo, nossos olhos se encontram, ele se perturba, constrangido - vacila, ameaça abaixar a cabeça, mas acaba sustentando o olhar e enfim se abre num sorriso.


Assim eu quereria minha última crônica: que fosse pura como esse sorriso.

RETRATO DE MULHER TRISTE - CECÍLIA MEIRELES

Vestiu-se para um baile que não há.
Sentou-se com suas últimas jóias.
E olha para o lado, imóvel.

Está vendo os salões que se acabaram,
embala-se em valsas que não dançou,
levemente sorri para um homem.
O homem que não existiu.

Se alguém lhe disser que sonha,
levantará com desdém o arco das sobrancelhas,
pois jamais se viveu com tanta plenitude.

Mas para falar de sua vida
tem de abaixar as quase infantis pestanas,
e esperar que se apaguem duas infinitas lágrimas.

Vinicius de Morais - homenagem às mulheres



Uma mulher tem que ter
qualquer coisa além de beleza,
qualquer coisa de triste,
qualquer coisa que chora
qualquer coisa que sente saudade.

Um molejo de amor machucado,
uma beleza que vem da tristeza,
de se saber mulher,
feita apenas para amar,
para sofrer pelo seu amor
e para ser só perdão.

DIA INTERNACIONAL DA MULHER


História do 8 de março – dia internacional da mulher

No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.


A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.


Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Objetivo da Data

Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.


Conquistas das Mulheres Brasileiras

Podemos dizer que o dia 24 de fevereiro de 1932 foi um marco na história da mulher brasileira. Nesta data foi instituído o voto feminino. As mulheres conquistavam, depois de muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos no executivo e legislativo.

Marcos das Conquistas das Mulheres na História
• 1788 - o político e filósofo francês Condorcet reivindica direitos de participação política, emprego e educação para as mulheres.
• 1840 - Lucrécia Mott luta pela igualdade de direitos para mulheres e negros dos Estados Unidos.
• 1859 - surge na Rússia, na cidade de São Petersburgo, um movimento de luta pelos direitos das mulheres.
• 1862 - durante as eleições municipais, as mulheres podem votar pela primeira vez na Suécia.
• 1865 - na Alemanha, Louise Otto, cria a Associação Geral das Mulheres Alemãs.
• 1866 - No Reino Unido, o economista John S. Mill escreve exigindo o direito de voto para as mulheres inglesas
• 1869 - é criada nos Estados Unidos a Associação Nacional para o Sufrágio das Mulheres
• 1870 - Na França, as mulheres passam a ter acesso aos cursos de Medicina.
• 1874 - criada no Japão a primeira escola normal para moças
• 1878 - criada na Rússia uma Universidade Feminina
• 1901 - o deputado francês René Viviani defende o direito de voto das mulheres

Texto de Rita Lee

Eis que chega minha primeira menstruação e com ela leva embora minha infância querida, salve, salve. "Rita, minha filha, agora você já é uma mocinha, precisa mudar seu comportamento. Não pode mais, por exemplo, se sentar com as pernas abertas, nem ficar andando de carrinho rolimã com os moleques da rua. Há certas regras nesta vida que devemos respeitar. Você tem de entender que o nosso mundo feminino é muito diferente do masculino, Deus assim quer".


Não demorei para entender que a partir de então seria deselegante me sentar de pernas abertas, assim como totalmente fora de cabimento continuar andando de carrinho rolimã. Mesmo porque lá em casa todos já achavam meio esquisito eu nunca ter brincado com bonecas e preferir "coisas de meninos". Confesso que sempre odiei bonecas mesmo, aquilo de ficar tirando e pondo vestidinhos, arrumando e desarrumando cabelinhos era no mínimo bocejante. Pelo menos com a molecada eu aprendia ótimos palavrões.

Tudo bem, não custa fazer um esforço, afinal, agora eu sou uma mocinha.

Mas por que cargas d'água o mundo feminino seria assim tão diferente do masculino?

Então lá fui eu buscar respostas através do método da eliminação. Bastava eu saber que algo não era "próprio para uma mulher" para me dar uma coceirinha e ir literalmente tirar a prova dos nove, ou seja, nove entre dez Luluzinhas sequer tentavam saber o motivo de não poder invadir o Clube do Bolinha.

Meu colégio não permitia que meninas jogassem futebol, e a explicação era a de que se podia levar uma bolada no seio (era educado dizer seio). Eu perguntava pro Bolinha: e como sabe que dói se você não tem teta? E onde será que dói mais, na teta ou no saco? Você usa proteção especial para o saco, então eu posso usar uma para as tetas.

Se bem me lembro ainda demorou uns 30 anos até começar a existir futebol feminino pra valer. Quanta perda de tempo.

Alguém aqui pode me dizer por que não posso ir ao meu baile de formatura usando um vestido preto? "Porque vestido preto é para usar em enterro, Rita". Então propus um negócio: ao invés de gastar dinheiro com baile eu pedi uma bateria de presente. Minha mãe deu graças pela troca. Depois se arrependeu com o barulho e me convenceu a trocar a bateria por um violão. Mãe, eu quero aprender a lutar karatê, ontem vi um filme genial do Bruce Lee e tenho certeza de que levo jeito pra coisa. "Mas karatê não é coisa de menina, Rita". Cheguei até a faixa amarela apenas, e minha mãe agradeceu meu dedão do pé ter quebrado. Pulando vários capítulos sobre o mesmo tema, chegou finalmente meu confronto com esse tal de rock and roll. Havia um Bolinha roqueiro que proclamava o lema incontestável "orra meu, pra fazer rock tem que ter culhão!".

Que bálsamo foi aquilo para os meus ouvidos. Ah, quer dizer que não se pode fazer rock com útero e ovários? Então me aguarde. Elementar, minha cara mãe: a senhora certamente nunca deve ter sentado de pernas abertas e muito menos andado num carrinho rolimã, não é mesmo? Então continue lindinha aí na sua casinha, brincando de bonequinha, que sua ovelhinha negra vai atrás de uma boa encrenquinha. Ah, antes que me esqueça, mamãe, eu descobri que lugar de mulher é onde ela quiser!

BICHÁRIO poemas - Otoniel S. Pereira


GALO



Se o galo não cantasse

não amanheceria.

Pois é o galo que inventa,

com seu canto, o dia.


Se o galo não batesse

as asas de madrugada,

não espantaria a noite

que cobre as cores da manhã.


Amanhecer é uma orquestra

de galos jograis.

O sol nasce por música

no fundo dos quintais.


É preciso muitos galos

para que o dia aconteça.

Somente os galos conhecem

a partitura secreta.


Por trás da crista vermelha

surge a primeira centelha.

Nos ponteiros das esporas

começam a andar as horas.

A REVOLTA DO GURI



Ficamos sabendo, pela imprensa futebolística da capital gaúcha, que o jogador Walter (20 anos), do Internacional, se rebelou contra o técnico do clube, Fossati. O atacante reclamou das críticas do técnico e faltou aos treinos, desde quinta-feira (25/02) até a outra semana (04/03/2010).


Diz a reportagem de Zero Hora: “Walter se rebela com Fossati”. “Atacante reclama de críticas do técnico e falta aos dois treinos realizados ontem (...). Após brilhar na vitória sobre o Emelec, Walter, 20 anos, foi traído pela própria cabeça. Ontem, faltou aos dois treinos. No fim da tarde, a direção foi informada de que o atacante passou o dia fechado em seu apartamento (...). Walter não permitiu que a assistente social do clube e o seu empresário entrassem. O atacante limitou-se a conversar com eles por telefone. Alegou que estava ‘pensando na vida’”. De acordo com a reportagem, “o técnico o cobra em demasia nos treinos”. “Esperava receber elogios, mas ouviu o chefe dizer que precisava se dedicar mais. – Walter pensa como criança (...) Frustrou-se ao saber o que disse o técnico na entrevista e ‘surtou’”.


O contexto a que nos referimos acima é o do futebol profissional, competitivo, onde muito dinheiro está em jogo. As oportunidades para um jovem no futebol profissional são escassas, dada a competitividade. São milhares de jovens em busca de um lugar ao sol, sendo que poucos terão a oportunidade de fazer um contrato com salário elevado.


Se formos conhecer um pouco a biografia de grandes jogadores, como Pelé e Garrincha, encontramos os motivos para explicar por que Pelé tem se dado tão bem na vida (privada e pública), enquanto o Garrincha não... Todo mundo sabe o que aconteceu com Garrincha...

Muitos fatores contribuem para que a biografia de cada um de nós se modele de um jeito ou de outro, desde a primeira infância. Tenhamos escolhido essa ou aquela profissão.


Tenho a impressão de que, em algum momento da trajetória de muitos sujeitos, alguma peça da engrenagem (que desejamos que funcione perfeitamente) não cumpriu seu papel. Assim, dadas as falhas na educação, ficamos reféns do medo da “crônica de uma tragédia anunciada”. Claro, não se pode isolar e culpar, cada um em separado, família, escola e outras instituições, por esse déficit educacional, que deixa tais lacunas na engrenagem psíquica dos sujeitos.


Para ser mais claro: muitos sujeitos não chegam à maturidade desejada. Já na fase adulta, deixam-se levar por atitudes infantis que os prejudicarão em muito, no presente e no futuro.


Cada instituição tem sua parcela de responsabilidade diante do quadro que se desenha. Parece-me, e é o que constato como professor de Ensino Médio, que há um contingente cada vez maior de adultos meio infantilizados (me perdoem os psicólogos, eles teriam muito mais coisas a falar a esse respeito). Diante da competição desenfreada que vivemos hoje em dia, esse contingente de marmanjos corre o risco de se dar (cada vez mais) mal, no mercado de trabalho.

Confesso que fiquei morrendo de inveja do Walter. Quem de nós, alunos, professores, trabalhadores em geral pode contar com motivador, psicólogo, empresário, assistente social, nutricionista? Já pensou ter todo esse aparato do nosso lado, quando estivermos em dificuldades?


Se deixarmos de ir ao trabalho por uma semana porque, em vez de elogios, fomos criticados pelo patrão (e/ou outros), o que vai acontecer conosco? Quem vai passar a mão em nossa cabeça?

DIÁRIO DE CLASSE - Bartolomeu Campos Queiros


Se Graça trocar
de lugar as letras,
a garça voa.

E a menina,
sem graça,
fica sozinha!

Clipe