Doce sonho


Sonhei que competia com crianças, numa disparada frenética. Quem se aproximava da linha de chegada tinha água na boca. É que os troféus eram doces, lindas tortas, sorvetes, sucos e quindins. Quanto mais corria, mais distante do pódio ficava – e minhas pernas flutuavam sem sair do lugar, tamanha era a sede e a fome. Foi tanta aflição, tanta dor, que pra minha sorte fui salvo com o berro do despertador!

(Tiradas do Teco, o poeta sonhador)

Clipe