Rodolfo volta pra casa




“Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
Amar e esquecer,
amar e malamar,
amar, desamar, amar?
Sempre, e até de olhos vidrados, amar?” (Carlos Drummond de Andrade).
Dona Fabi abriu as portas e janelas do coração e permitiu que Rodolfo voltasse. Hipersensíveis, as mulheres são poetas. Como Drummond. Sem vaidade e arrogância, preocupado com os outros, o poeta entende as mulheres mais do que ninguém.
Na hora da raiva e do ódio, vamos ouvir música, sentir o cheiro das frutas, olhar a chuva e a luz do sol. Eis o conselho do poeta.
Depois de ser expulso de casa, Rodolfo sentiu-se um “nada”. Sofreu o remorso pelo que fez. Impossível não lembrar de “José”:
“... A festa acabou / a luz apagou / o povo sumiu / a noite esfriou (...)”. E agora, Rodolfo? “... Está sem mulher, / está sem discurso, /está sem carinho, / já não pode beber, / já não pode fumar, / cuspir já não pode, / a noite esfriou...”.
Há milhares de anos homens e mulheres convivem. Continuam se achando feitos um para o outro e, ao mesmo tempo, continuam estranhos um ao outro. Se existe guerra entre eles, é a única “em que homens e mulheres dormem regularmente com o inimigo”, disse Quentin Crisp.
O casamento é o ápice de uma relação? Seria mais sereno se não houvesse filhos, sogras, ex-cônjuge e, algumas vezes, um (uma) amante? Hoje, dizem que é perda de tempo preocupar-se com isso. Segundo Nelson Rodrigues, “os pactos de morte desapareceram. Ninguém mais se mata por amor”.
Distante de dona Fabi, Rodolfo sofreu. Viu o quanto equilibrava sua vida. Percebeu como a magoou. Perguntou-se também se tinha aqueles péssimos hábitos que são a queixa generalizada das mulheres a respeito dos homens: esquecer a pasta de dentes sem a tampa, o xampu aberto após o uso,  a toalha molhada sobre a cama, a tampa da privada erguida...
Sozinha, Dona Fabi engoliu a crueza da afirmação de Henri Jeanson: “ A vida não é um conto de fadas. É um conto de fatos”. Perguntava-se: “Onde foi que eu errei?”. O casamento declina, expectativas se frustram, vem a rotina... Aquele homem cavalheiro, elegante, carinhoso, se afastou. A esse propósito, afirmou certa vez o Príncipe Philp da Inglaterra: “Ultimamente, quando um indivíduo abre a porta do carro para sua mulher, ou é um carro novo ou uma mulher nova”.
A respeito do perdão e do amor, não devemos perguntar nem explicar. Simplesmente, amamos e perdoamos. Hipersensíveis, já disse, as mulheres (nem todas, claro) são poetas. Dona Fabi acolheu e perdoou seu amor porque, como diz Drummond, “Amor é dado de graça, / é semeado no vento (...) / Amor foge a dicionários / e a regulamentos vários (...). / Amor é primo da morte, / e da morte vencedor, / por mais que o matem (e matam) / a cada instante o amor”.
Neste momento frágil da relação dos meus amigos, penso nos recados e pedidos que fazemos ao Papai Noel. Em vez de pedir, vou rabiscar algumas dicas que possam arejar o frágil casamento de Rodolfo e Dona Fabi.
Por favor, amigos, sei que há uma expectativa, foram tantos e-mails, telefonemas, opiniões e versões. Mas vamos exercitar nossa sensibilidade, e dar um tempo para que o casal possa se re-conhecer.
Rodolfo, você precisa deixar sua assinatura, sua presença, no coração do seu amor. Compartilhe sua rotina, dê elogios, em vez de criticar. Depois de mais um ano de correria, o dinheiro suado para as várias contas, você precisa desacelerar. Estampar, à flor da pele, o sorriso, o bom humor, seus dedos entrelaçados às mãos de dona Fabi. Vá à cozinha, faça o prato de que ela mais gosta, tempere seu beijo com iguarias e confetes.
Dona Fabi, não pergunte, não fale em demasia, amor não se explica, amor se sente. Se você pensar demais, vai espantar o amor. Um abraço, um beijo, uma carícia, dizem muito mais do que palavras.
Nunca conhecemos o suficiente de nosso amor. A qualquer momento pode surgir uma surpresa. Então, façam uma viagem, afastem-se um pouco dos olhares de censura da comunidade...
Sei que ninguém entende de amor mais do que ninguém. Também sei que todos têm medo de amar. Talvez isso aconteça porque confundimos amor com posse. Então, amigos, dediquem-se ao amor do outro sem vê-lo como “coisa” ou propriedade.
Na vida tudo é surpresa. O amor tem seus mistérios. Como diz Guimarães Rosa, "qualquer amor já é um pouquinho de saúde, remédio contra a loucura". Rodolfo encontrou a cura, se empanturrou desse remédio. Abraça a mulher, o filho, o cão, no lar vence todas as dores, aconchego dos seus amores!

Do poeta para o advogado


"No meio do caminho tinha uma pedra."

Diz a notícia: 
"Uma briga entre vizinhos por causa do uso de um espaço público acabou com um veículo cimentado sobre a calçada em Belo Horizonte (MG). O inusitado caso vem chamando a atenção de curiosos que passam pelo local" (Zero Hora, 13/12/2013).
O que me chamou a atenção é que numa das partes envolvidas na discórdia está um advogado com o sobrenome Drummond.  
Fiquei a matutar: o que o grande poeta Drummond diria para o advogado Drummond?
Enquanto o Drummond advogado assina sua obra pública com um carro cimentado na calçada, em boa medida por causa da intolerância e falta de diálogo, o Drummond poeta assinou e cimentou em nosso imaginário versos do tipo: "Eta vida besta, meu Deus", e "no meio do caminho tinha uma pedra". 
Estas são expressões fortes de nossas aflições cotidianas. O poeta Drummond se relacionava com versos... que expressam seu amor, tristeza e melancolia diante do mundo e das pessoas.
Temos que avisar o Drummond advogado que o que permanece (quando morremos) não são as rusgas, o ódio, mas sim nossa obra.
Como reagiria o Drummond poeta, se estivesse vivo, ante o desfecho do caso do Drummond advogado, de ter um carro cimentado na calçada?  
Drummond poeta tinha certa dificuldade para entender o mundo. Sentia-se meio na contramão. Porém, com sua hipersensibilidade, transformava tudo em poesia, sem ter arrogância e sempre preocupado com o próximo. Em ter uma vida reta, justa... Esse grande homem, se estivesse vivo, diria para o Drummond advogado que o melhor a fazer é amar os outros. Diria também que, em vez de brigar, devia encarar a vida com humor, rindo um pouco de si e dos outros.
Diria que o mais importante são os pequenos prazeres, tais como ouvir música, sentir o cheiro das frutas... sentir-se vivo, interligado aos elementos da natureza - a chuva, o vento, o sol. Diria um Drummond sensível a um  Drummond casmurro: "Relaxe, a vida é curta, não vale a pena se ater apenas aos negócios..."

Chega de mosquear!

Passei duas vezes na mesma rua em semanas diferentes e, na mesma casa, um velhinho sentado na varanda empunhava um mata-moscas. Surgiu de imediato a ideia, talvez precipitada... nestes tempos de tamanhas novidades não dá pra ficar sentado, com  "a boca escancarada cheia de dentes", mosqueando...
Posso estar me mosqueando quando penso na origem desta expressão. Diz o Aurélio que “mosquear” significa vagabundear. Meu desejo imediato, então, é o de ser um tremendo “moscão”! A vida se dilui, como a água que escorre entre os dedos, é preciso fazer aquelas coisas que sempre prometemos fazer, mas adiamos, e mosqueamos, mosqueamos... 
O velhinho do mata-moscas me faz lembrar Kafka, do livro “A metamorfose”, onde uma barata é um dos personagens. Kafka nos leva a pensar na relação entre o homem e os insetos. Principalmente, nos faz refletir sobre até que ponto temos nos transformado em insetos. Batizamo-nos homo sapiens, temos orgulho de sermos a única cabeça pensante do planeta... e, paradoxalmente, agimos de uma maneira suicida com relação à manutenção futura do nosso habitat. Estamos mosqueando demais, adiando para amanhã o que devíamos fazer hoje: cuidar da água e do ar, por exemplo.
Diz o refrão da música do Raul Seixas, “Mosca na sopa”:
“Eu sou a mosca que pousou na tua sopa / Eu sou a mosca que pousou pra lhe abusar...”
Essa mosquinha é o sujeito das ações. E não adianta detetizar, pois “nem o DDT pode assim me exterminar/porque você mata uma e vem outra em meu lugar!”. A simpática mosca representa várias coisas, por exemplo, a rebeldia, a não submissão ao poder, à ordem... Há também a ideia da proliferação: “Você mata uma e vem outro em meu lugar...”  Podemos atribuir à mosca, assim, um importante papel: o de nos provocar uma reação. Um contra-ataque. Sair da retranca, da passividade diante dos ataques dos outros ou de nossa letargia.
Quem sabe o mata-moscas do velhinho não passe de uma alegoria: usá-lo como arma para dar um basta à diluição dos valores que no passado lhe foram caros. Quem sabe, no seu imaginário, ele é um justiceiro diante da proliferação de tanta coisa ruim (na concepção dele!). Talvez, com o mata-moscas, ele se transforme num cavaleiro andante, num Dom Quixote, e sai pelo mundo, avançando entre clareiras de lucidez e loucura... Como Mandela, também deseja colocar seu nome na história, e contribuir para mudar o rumo da mesma, e ser lembrado muitas vezes mais do que seu aniversário e Dia de Finados.
Você deve estar pensando: "Pare de falar dos outros e coloque a mão na consciência!" "No que você tem contribuído à humanidade, para além de ser um moscão e barata tonta?".

Essas perguntas tem me incomodado. A bravura da bióloga gaúcha, Ana Paula Maciel, presa pelos russos quando protestava com o greempeace no mar Ártico, tem me colocado contra a parede. Essa moça, agora famosa e inspirando uma legião de defensores do meio ambiente pelo mundo todo, me faz pensar em dois conceitos cunhados por Maquiavel: "Virtu" e "Fortuna". Virtu, do grego, significa força, valor, que leva um sujeito a provocar mudanças na história. Uma pessoa "virtuosa" é aquela que tem capacidade de perceber o jogo de forças atual... e então agir. Já o conceito Fortuna vem da deusa romana "Fortuna", que representa abundância, mas é também aquela que move a roda da sorte. Daí vêm os conceitos "ocasião", "acaso", "sorte". Convém lembrar: para agir bem não devemos escapar à roda da fortuna. De qualquer maneira, de nada adianta ser virtuoso, se não soubermos ser precavidos e ousados e aproveitarmos a ocasião (acaso, sorte) das circunstâncias, observadores atentos do curso da história.
Para Maquiavel, o ideal é combinar (contrabalançar) o modo de agir individual (virtu) com as particularidades do momento histórico que vivemos (fortuna). No meu caso, levando ou não a sério meu horóscopo, a previsão de cartomantes, a palavra dos representantes de Deus e os livros de auto-ajuda (os quais vivem dizendo o que devo fazer), ando convencido de que a fortuna me abandonou. Quanto à virtu, acho que poderia cumprir um papel bem melhor. Prometo melhorar  depois do Ano Novo.

Vira-lata - Alberto martins

Passa a maior parte do dia
no quintal
entre o corredor
e a porta da cozinha.
À noite quando sai
leva debaixo do pelo
a corrente de metal.
Finge que não dói.
Às vezes escapa
pela porta entreaberta
mas sempre volta.
Esfrega no chão
o corpo diminuído
e me olha fundo
mais fundo que um irmão.

Rodolfo quer voltar


Hoje, que tanto se fala dos condenados do Mensalão, e de como irão cumprir sua pena – regime fechado, aberto ou semi-aberto – vou contar o drama do meu amigo Rodolfo.
Depois de 15 anos de casado, ele foi proibido pela esposa de retornar ao lar. Então pediu-me para que interceda junto à sua amada, que o aceite de novo no lugar que juntos construíram nestes anos todos. Vamos à história.
De segunda a sábado ele sai cedo para o trabalho, e retorna à casa quando chega a noite, para o cumprimento do seu dever.
Num sábado, depois do expediente, Rodolfo encontrou alguns amigos e decidiram conversar e tomar algumas cervejas. Estendeu-se, o dia passou rápido nesse sacrilégio de ir de bar em bar. A noite avançou, novos amigos, histórias de amores, festas e aventuras, Rodolfo esqueceu-se de voltar para casa. Foi com a turma a um baile, num bairro da cidade (Vocês hão de  concordar que essa fraqueza, por si só, não deve sacudir as bases da lei e da ordem do sagrado matrimônio).
No dia seguinte, porém, na hora de colocar os fatos em panos limpos, meu amigo disse à esposa que chegou tarde porque havia sido convidado para o aniversário do filho de um amigo. Lá, o jogo de canastra invadiu a madrugada.
No baile Rodolfo ganhou um prêmio. Ele, que nunca havia ganho nada em sorteios, durante a vida toda! Um frango assado, patrocinado por uma padaria do bairro. Dada a quantidade de cerveja que lhe subiu à cabeça, Rodolfo esqueceu-se completamente do galináceo.
O baile foi um sucesso e, na segunda-feira pela manhã, uma emissora de rádio da cidade anunciou os ganhadores dos brindes sorteados. Por azar de Rodolfo, sua esposa sintonizava aquela emissora, naquele instante.
Acusado de mentiroso e infiel, e para dar uma resposta à altura dos anseios da comunidade, Dona Fabi enviou meu amigo para o exílio. Arrependido, agora ele sente falta da esposa e do filhinho, sua pátria e porto seguro...
Sensibilizado com sua história e sabendo que, apesar do deslize, Rodolfo é um bom rapaz, vou escrever algumas linhas para tentar convencer sua esposa, para que o aceite de volta.
Dona Fabi, não necessito da sabedoria de um guru para afirmar que os dias atuais são deveras perigosos.  Em cada esquina surge um anjo mau disposto a colocar minhocas em nossa cabeça, e nos levar à perdição. Vale lembrar, também, que nem Rodolfo, nem qualquer outro homem, funcionam como relógio suíço: certinhos, previsíveis, totalmente ajustáveis!
Para não ser refém do olhar machista, vou citar algumas frases ditas por mulheres, no livro “O amor de mau humor”, de Ruy Castro, com o objetivo de convencê-la a aceitar Rodolfo de volta.  
Embora madame Stael diga que “o amor é a história da vida de uma mulher; e um episódio na vida de um homem”, convém prestar atenção no conselho de Dorothy Parker: “Conserve os dedos abertos... e o amor fica. Feche-os, e ele se desprende”.
Marido é coisa séria, dona Fabi. Diz Zsa Zsa Gabor: “Maridos são como fogo: extinguem-se se não forem atiçados”. Quanto ao casamento, este nem sempre representa o paraíso. Diz Dra. Joyce Brothers: “ O casamento não se compõe apenas de uma comunhão espiritual e de abraços apaixonados; compõe-se também de três refeições por dia, lavar a louça e lembrar-se de pôr o lixo para fora”.
Por outro lado, mulheres que optam por não casar defendem-se com bom humor: “Nunca me casei porque nunca precisei. Tenho três bichinhos em casa que, juntos, perfazem um marido: um cachorro que rosna de manhã, um papagaio que fala palavrões o dia todo e um gato que volta de madrugada para casa” (Maria Corelli).
Sem querer desanimar-te nesse sonho de manter reto o teu casamento, veja o que disse Helen Rowland: “Quando uma garota se casa, está trocando a atenção de muitos homens pela desatenção de um só”.
E para dividirmos as responsabilidades a respeito das dificuldades no casamento, diz Mae West: “Nunca pergunte a um homem por onde ele andava. Se não estava fazendo nada errado, não precisa de álibi. E, se estava, a culpa é sua, minha filha.”
Tudo o que fazemos tem um custo: o custo de nossas escolhas. E essa é a eterna busca pela felicidade. “Quem não conheceu o preço da felicidade nunca será feliz” (Eugene Levtushenko). 
 Rodolfo precisa muito de você. Tanto é que veio a público, como se esta crônica fosse sua serenata e buquê de flores, para dizer-te de todo o seu amor!
Depois dos puxões de orelha, o que seu homem mais precisa é de colo. Portanto, aceite-o de volta, abra-lhe as portas e acolha-o na segurança do teu abraço! Não se sinta humilhada; parafraseando François Truffaut, saiba que, no amor, vocês mulheres são profissionais, enquanto nós, homens, somos amadores!

Clipe