Chega de mosquear!

Passei duas vezes na mesma rua em semanas diferentes e, na mesma casa, um velhinho sentado na varanda empunhava um mata-moscas. Surgiu de imediato a ideia, talvez precipitada... nestes tempos de tamanhas novidades não dá pra ficar sentado, com  "a boca escancarada cheia de dentes", mosqueando...
Posso estar me mosqueando quando penso na origem desta expressão. Diz o Aurélio que “mosquear” significa vagabundear. Meu desejo imediato, então, é o de ser um tremendo “moscão”! A vida se dilui, como a água que escorre entre os dedos, é preciso fazer aquelas coisas que sempre prometemos fazer, mas adiamos, e mosqueamos, mosqueamos... 
O velhinho do mata-moscas me faz lembrar Kafka, do livro “A metamorfose”, onde uma barata é um dos personagens. Kafka nos leva a pensar na relação entre o homem e os insetos. Principalmente, nos faz refletir sobre até que ponto temos nos transformado em insetos. Batizamo-nos homo sapiens, temos orgulho de sermos a única cabeça pensante do planeta... e, paradoxalmente, agimos de uma maneira suicida com relação à manutenção futura do nosso habitat. Estamos mosqueando demais, adiando para amanhã o que devíamos fazer hoje: cuidar da água e do ar, por exemplo.
Diz o refrão da música do Raul Seixas, “Mosca na sopa”:
“Eu sou a mosca que pousou na tua sopa / Eu sou a mosca que pousou pra lhe abusar...”
Essa mosquinha é o sujeito das ações. E não adianta detetizar, pois “nem o DDT pode assim me exterminar/porque você mata uma e vem outra em meu lugar!”. A simpática mosca representa várias coisas, por exemplo, a rebeldia, a não submissão ao poder, à ordem... Há também a ideia da proliferação: “Você mata uma e vem outro em meu lugar...”  Podemos atribuir à mosca, assim, um importante papel: o de nos provocar uma reação. Um contra-ataque. Sair da retranca, da passividade diante dos ataques dos outros ou de nossa letargia.
Quem sabe o mata-moscas do velhinho não passe de uma alegoria: usá-lo como arma para dar um basta à diluição dos valores que no passado lhe foram caros. Quem sabe, no seu imaginário, ele é um justiceiro diante da proliferação de tanta coisa ruim (na concepção dele!). Talvez, com o mata-moscas, ele se transforme num cavaleiro andante, num Dom Quixote, e sai pelo mundo, avançando entre clareiras de lucidez e loucura... Como Mandela, também deseja colocar seu nome na história, e contribuir para mudar o rumo da mesma, e ser lembrado muitas vezes mais do que seu aniversário e Dia de Finados.
Você deve estar pensando: "Pare de falar dos outros e coloque a mão na consciência!" "No que você tem contribuído à humanidade, para além de ser um moscão e barata tonta?".

Essas perguntas tem me incomodado. A bravura da bióloga gaúcha, Ana Paula Maciel, presa pelos russos quando protestava com o greempeace no mar Ártico, tem me colocado contra a parede. Essa moça, agora famosa e inspirando uma legião de defensores do meio ambiente pelo mundo todo, me faz pensar em dois conceitos cunhados por Maquiavel: "Virtu" e "Fortuna". Virtu, do grego, significa força, valor, que leva um sujeito a provocar mudanças na história. Uma pessoa "virtuosa" é aquela que tem capacidade de perceber o jogo de forças atual... e então agir. Já o conceito Fortuna vem da deusa romana "Fortuna", que representa abundância, mas é também aquela que move a roda da sorte. Daí vêm os conceitos "ocasião", "acaso", "sorte". Convém lembrar: para agir bem não devemos escapar à roda da fortuna. De qualquer maneira, de nada adianta ser virtuoso, se não soubermos ser precavidos e ousados e aproveitarmos a ocasião (acaso, sorte) das circunstâncias, observadores atentos do curso da história.
Para Maquiavel, o ideal é combinar (contrabalançar) o modo de agir individual (virtu) com as particularidades do momento histórico que vivemos (fortuna). No meu caso, levando ou não a sério meu horóscopo, a previsão de cartomantes, a palavra dos representantes de Deus e os livros de auto-ajuda (os quais vivem dizendo o que devo fazer), ando convencido de que a fortuna me abandonou. Quanto à virtu, acho que poderia cumprir um papel bem melhor. Prometo melhorar  depois do Ano Novo.

Vira-lata - Alberto martins

Passa a maior parte do dia
no quintal
entre o corredor
e a porta da cozinha.
À noite quando sai
leva debaixo do pelo
a corrente de metal.
Finge que não dói.
Às vezes escapa
pela porta entreaberta
mas sempre volta.
Esfrega no chão
o corpo diminuído
e me olha fundo
mais fundo que um irmão.

Clipe